11.11.2008

direito de resistência

Os media exageram deliberadamente na ideia da insegurança no país. É uma forma de legitimar o controle da população pela força policial e pelo medo que ela é capaz de provocar. Os polícias portugueses esquecem-se cada vez mais que servem para proteger os cidadãos e não para os agredir. Ontem, numa escola C+S de Alfragide, um corpo de polícias energúmenos reagiu à bastonada contra miúdos de cerca de 15 anos. Segundo a notícia do JN, até uma criança de 10 anos levou uma bastonada.
Este tipo de acção da policia é indicativa do governo estúpido que temos, e nem sequer é aceitável discutir se a carga é legítima ou não. Não é. Não o seria mesmo que os referidos alunos, com idades compreendidas entre os dez e os quinze anos, se recusassem a sair das suas posições ou agredissem os agentes.
Já agora, e para os frustrados dos polícias que participaram neste acto lúdico, deixo aqui o 21º artigo da Constituição Portuguesa.

Artigo 21.º
(Direito de resistência)

Todos têm o direito de resistir a qualquer ordem que ofenda os seus direitos, liberdades e garantias e de repelir pela força qualquer agressão, quando não seja possível recorrer à autoridade pública.

18 comentários:

Anonyma disse...

"Este tipo de acção da policia é indicativa" dos portugueses "estúpido"(s) "que" somos!

Desculpem.

Anónimo disse...

Penso que o essencial do teu post está na ultima linha do artigo que transcreveste da CRP: "quando não seja possível recorrer à autoridade pública". Acho que é precisamente aqui que as coisas estão ao contrário, avança-se para a manifestação e esquecem-se todos os mecanismos legais que estão ao nosso dispor. Quanto à carga policial, enfim, não é novidade nenhuma, infelizmente, e se fosse eu talvez também lhes desse umas cacetadas. Mas eu, que tenho um temperamento explosivo, não sou polícia e por isso não tenho que me preocupar com códigos de ética e deontologia.

bagaco amarelo disse...

anonyma, sim, tens razão. uma coisa, aliás, implica a outra. :)

anónimo, não costumo publicar comentários anónimos quando os acho pouco inteligentes, mas o teu fez-me rir e por isso já vale a pena. Até estou a imaginar um polícia a dizer para outro: "ah! eles não usaram os mecanismos legais, por isso devem apanhar". :) lol lol

Ana Camarra disse...

Pois eram miudos, miudos...

Paulo disse...

Bagaço,

Fiquei indignado, mas (infelizmente) não surpreendido!

Obrigado por nos alertares para estas coisas!

Um abraço!

bia disse...

[clap clap clap]

Tiago disse...

Ivar, pela zona que é, digo-te com quase 100% de certezas que foram os alunos e os pais que provocaram a policia, acredita.
Assim, como tu deves saber, o Corpo de Intervenção tem total autonomia para recorrer ao uso da força neste tipo de situações.
Caso concordes com isto, podias sempre referir o caso das raparigas também terem levado. A isso digo: elas são bem piores que os homens.

nat disse...

Tens toda a razao! Da ultima vez que aí estive, fiquei chocada com as noticias, parecia que tinha chegado a um país da America (falo dos EUA e outos mais a sul). Isto até ter visto na rtp2 uma entrevista com alguém que demonstrava estatisticamente que o que viamos na televisao nao era a realidade. E depois um amigo estrangeiro assistiu a uma cena vergonhosa em que um policia maltratou uma senhora de forma abusiva e com brutalidade, tudo sem justificacao possivel. Ele disse-me "nunca pensei assistir a uma cena assim". Enfim...

Neste Natal facam um favor a vós proprios, transformem a vossa TV num vaso de flores (ou aquario), ou aquilo que a criatividade vos inspire ;-)

Ainda bem que "falas" nisto :)

bagaco amarelo disse...

ana camarra, exacto. :)

paulo, um abraço. :)

bia, :)

tiago, que opinião de tanga, assumir a atitude de um grupo social por causa da zona onde vive. isso chama-se preconceito e ignorância. espero que vivas em cascais ou assim, que eu não. por acaso vivo num bairro social.

Tiago disse...

Ivar, olha que não é bem assim. Não vivo em Cascais, nem no Estoril, nem em algo do género, vivo em Lisboa, rodeado por bairros sociais. Sei o que digo, pois, até ao meu 9º ano, andei em escolas que tinham o mesmo grupo social dessa escola de Alfragide, senão mesmo pior. Mas digo-te, fiz o meu secundário numa escola de betinhos (infelizmente) e aquilo é bem pior que essas escolas. Todos os meses tínhamos lá o Corpo de Intervenção a dar umas bastonadas na malta, tudo porque simplesmente provocavam a policia. E não te esqueças que tem de haver respeito pela autoridade. Um abraço

bagaco amarelo disse...

tiago, é assim é... isso é um preconceito. por exemplo, se tu lá andaste, suponho que com a tua teoria é justo dizer que tu próprio terias começado por agrdir os polícias. mesmo que tivesses 10 anos. poupa-me.

bagaco amarelo disse...

nat, é mesmo isso. olha, o meu televisor não está ligado à antena. só ao leitor de dvd. :)

Tiago disse...

Ivar (desculpa lá estar sempre a dizer o teu nome, mas gosto de tratar as pessoas pelo nome :P), por acaso nunca agredi uma autoridade, nem vou agredir. Os meus pais assim me educaram e eu próprio sou anti-violência. Não estou a dizer que é bom a policia desatar à bastonada em tudo o que se mexe, mas, estando um conjunto de pessoas a insultá-los e a agredi-los, tem de se tomar uma atitude.
Já agora te pergunto: porque razão não terá a senhora apresentado queixa? Se ela estava inocente e acha que os policias procederam mal, faria uma queixa contra todos eles, não?
Um abraço.

bagaco amarelo disse...

tiago, podes me tratar pelo meu nome. é para isso que os nomes servem.
Acho que não estás a perceber onde eu quero chegar.
1] A Polícia não pode agredir um grupo de menores nem que eles estejam a insultá-los. A polícia tem que ter um papel de formador e não de violência num caso destes. Isto é óbvio.
2] Quando dizes que achas que os manifestantes é que "provocaram a policia pela zona que é" estás a dizer uma asneira do tamanho do mundo. Isso é uma suposição tua, e não se tomam opções políticas baseadas em suposições. Eu até conheço bem Alfragide e acho que é uma suposição tola, mas pronto, isso nem interessa.
3] A senhora explicou porque é que não apresentou queixa, mas eu não quero saber nada disso. Ela até pode ter chamado "filhos duma puta louca" aos polícias todos que a única coisa que eles têm que fazer nesse caso é identificá-la e processá-la. Nunca bater-lhe.
4]Além disso, acredito que não seja fácil apresentar queixa na polícia sobre a polícia... mas isso também é uma suposição minha.

Japinho disse...

Concordo contigo sem reservas, mas tenho uma pergunta: pegando no teu ponto um que transcrevo:

1] A Polícia não pode agredir um grupo de menores nem que eles estejam a insultá-los. A polícia tem que ter um papel de formador e não de violência num caso destes. Isto é óbvio.

Aqui vai a pergunta, isto aplica-se aos professores?
É que os putos a atirar ovos à ministra com os profes a assistir e digo assistir com vontade de dizer manipular não se encaixa pois não.
O tal papel formador, topas?

bagaco amarelo disse...

jopinho, claro que se aplica aos professores, mas nem foi nesta manifestação que os miúdos atiraram ovos à ministra e também não vi os professores a bater em ninguém. :)

Tiago disse...

Ivar, respondendo ao que me respondeste:
1)A policia tem um papel formador, chamando as pessoas para o cumprimento das nossas leis, nada mais que isso. As pessoas é que têm de ter consciência, princípios e educação e saber o que fazer em determinados momentos.
2)Que eu saiba, não falei nem tomei nenhuma opção política.
3)Neste ponto, concordo contigo. Mas tens de ver uma coisa, a policia dita "normal" não conseguiu tomar conta da situação. Logo, chamou-se o Corpo de Intervenção que existe para situações mais graves e a função deles é acalmar essa situação com o uso da força. Se a senhora não tinha nada que ver com o assunto, pegava na sua filha e afastava-se do locar até tudo acalmar.
4)Podes apresentar uma queixa na policia contra qualquer policia. É para isso que servem os processos disciplinares. Caso ficasse em "águas de bacalhau", existem outros meios para se apresentarem queixas.

bagaco amarelo disse...

tiago, se quiseres entrar numa espécie de conversa/masturbação, tudo bem. tenho a vida toda. disseste que achavas que aquelas pessoas é que tinham começado por causa da zona de onde vivem e disseste mal.

1] Voltamos ao mesmo. a polícia não deve bater nas pessoas, independentemente dos princípios e educação.

2] Claro que tomaste, o que é nem sabes o que quer dizer política. Política é uma coisa, partidos políticos são outra. política é a forma como nos organizamos (organização da polis).

3] Lê outra vez a notícia. Ou não leste ou não sabes ler. Eram crianças e ninguém chamou o corpo de intervenção. E não estou a falar da senhora, estou a falar do princípio e de todos.

4] Eu sei que podes. Só disse que não deve ser fácil.