1.30.2009

a dama do silêncio

Não há muitas mulheres na História dos serial killers, mas a mexicana Juana Barraza Samperio, nascida em 1957, pode 'gabar-se' de ter assassinado mais de quarenta pessoas entre os finais dos anos 90 e 2006, altura em que foi presa. Por matar essencialmente mulheres de alguma idade, era conhecida como a "mata-velhinhas" (mataviejitas), mas a sua alcunha enquanto lutadora de luta livre era "a dama do silêncio".
Em março de 2008 foi condenada a mais de 759 anos de prisão. Quer-me parecer que não os vai cumprir na totalidade, mas fica para a História como uma das pessoas que mais trabalho deu à polícia mexicana nos últimos tempos.
Há bocadinho estava a olhar para esta fotografia dela, quando foi detida em 2006, e a pensar que se fosse eu o polícia fotógrafo a tirá-la, ou fugia ou, pelo menos, não dormia bem nessa noite.

16 comentários:

ComoHacerElAmor disse...

eu tampouco comprendo mulheres de esse jeito, silenciosa cujo ponto e sempre um que nao da para sociedade comprender. si matar fossa nosso fato de ajir ante algum sentimento ou alguma coisa que queremos dicer a raza humana acabaria ao final de este comentario.

indigente andrajoso disse...

porque é que achas que a foto está torta?

;-)

milly disse...

que a senhora tem um ar sinistro, lá isso tem!

bagaco amarelo disse...

comohacerelamor, estes casos psiquiátricos, acho nem os próprios compreendem. :)

indigente andrajodo, não acho que a foto esteja torta... é mesmo a modelo. :)

milly, sinistro?! a mim assusta-me mesmo. :)

Red disse...

haja gente que mantenha a minha futura profissao interessante ;)

provocação disse...

Eu acho que ela contribuiu para que o governo poupasse em pelo menos 40 reformas :p

bell disse...

Passei e parei porque conheço duas mulheres muito parecidas, só nas feições, espero...

Blue Mayfly disse...

Sinistro... é pouco!

bagaco amarelo disse...

red, a tua e a dos guardas prisionais. :)

provocação, tendo em conta que o México é maior cidade do mundo e tem 20 milhões de habitantes... devia ter matado mais. :)

bell, eu também espero... fosga-se. :)

blue mayfly, também acho. :)

Olga disse...

Há por aí umas figuras cheias de sorrizinhos para a fotografia e a dizer "porreiro pá" que me assustam bem mais que esta senhora...

Fabulosa disse...

brrrr! esta história é de arrepiar.... :P

bagaco amarelo disse...

olga, a mim também... e também deviam estar presas. :)

fabulosa, é, mas não tanto quanto a foto. :)

Björn Pål disse...

Pois eu adoraria falar com ela, precisamente sobre os assassinatos, não tanto para saber como os encetou - apesar de o "gore" ser apelativo - mas sobretudo para perceber as motivações.
Os serial-killers são seres absolutamente fascinantes de um ponto de vista intelectual... e uma serial-killer mais ainda.
Eu acredito que haja algumas mais, apenas não forma descobertas porque as investigações policiais são sempre muito sexistas e tendenciosas.

bagaco amarelo disse...

Björn Pål, para mim, por ser serial killer, ninguém se torna intelectualmente interessante. o máximo que lhe pode acontecer é ser intelectualmente desinteressante. Com excepção das personagens de filmes e livros, claro. :)

Blue Mayfly disse...

Eu tinha um professor na faculdade que uma vez disse qualquer coisa do género: "para um serial killer, matar é a mesma coisa que um indivíduo sem esta psicopatia ir ao frigorífico, tirar uma fatia de fiambre e comer".
Bah, até hoje a ideia me arrepia... :x

bagaco amarelo disse...

blue mayfly, e é isso mesmo. há uma incapacidade de se colocar no lugar do outro e, por isso, de se aperceber do seu sofrimento. é mais ou menos isto... mas deves saber melhor do que eu... :)