8.05.2008

conversa 890

Ela - Às vezes estranho as tuas ausências. Afastas-te de mim e ficas dias e dias sem dizer nada.
Eu - Tu também de mim. Acho que é óbvio que não podemos estar muitas vezes um com o outro porque nos cansamos facilmente um do outro.
Ela - Cansas-te de mim?
Eu - Sim. Não estou a dizer que a culpa é tua. Nem interessa de quem é a culpa. De qualquer maneira, felizmente, tu também te cansas de mim muito facilmente.
Ela - Como é que se sabes?
Eu - Sei. Se não te cansasses de mim, não estavas quinze dias sem me dizer nada depois de eu dormir em tua casa uma noite.
Ela - E o que é que fazemos?
Eu - Nada. Não fazemos nada. É assim mesmo que as coisas são...

15 comentários:

Pax disse...

Nao compreendi qual era o "nao compreendo" aqui...
:)

Isa disse...

Oh bagacito...
Mas o que ela queria dizer.. é que n deveria ser assim! :)

Pearl disse...

Por vezes basta aceitar as coisas como elas são!

beijinho

Evey disse...

As coisas são tão simples quando não insistimos em complica-las :)

bagaco amarelo disse...

pax, vês? não compreendeste um coisa que eu disse. :)

isa, não percebi ainda se era isso ou não. :)

pearl, mas isso não é sempre fácil. :)

evey, às vezes são. :)

quase Eu disse...

o "eu" e "ela" são namorados, ou k??

bagaco amarelo disse...

quase eu, não são... nem podem ser. :)

Pax disse...

Compreendi o que tu disseste. O que n�o compreendi foi o que n�o haveria a compreender aqui.
Portanto, quem n�o me compreendeu foste tu.
:)

bagaco amarelo disse...

pax, na verdade, acho que não nos estamos a compreender. na essência, digo. :)

Pax disse...

Tu não compreendes que eu compreendo e só não compreendo o que aqui não é compreensivel não compreender.
(É só para baralhar mais ainda:)

bagaco amarelo disse...

pax, não baralhaste nada. agora compreendo tudo. :)

Pax disse...

Boa!
Então agora já me podes explicar!
;)

bagaco amarelo disse...

pax, explico pois: a questão da compreensão é que não passa pela compreensão mútua absoluta mas sim pela capacidade de compreender a incompreensão, figurativa e abstracta, que permita uma dialéctica compreensível entra os interlocutores e o fenómeno da múltipla realidade. compreendes? :)

Pax disse...

"(...)compreendes?"

Se eu disser que sim... acreditas?
(Ou, pelo menos, calas-te?)
;)

bagaco amarelo disse...

pax, acredito. por isso calo-me. :)