5.25.2009

mãos

Hoje, segunda-feira, as crónicas da cidade que sopra, escritas pelas minhas mãos, voltaram ao Diário de Aveiro...

Lá fora [...] há uma cidade que definha dentro de outra cidade. Uma cidade onde a elegância dos edifícios antigos se esconde envergonhada entre a imponência exagerada dos edifícios novos, cujas sombras intensas vão desmaiando sobre a intrusa luz solar. Há uma cidade onde as conversas de café cedem a esse estranho silêncio de pessoas sós e onde a vida parece ofegar; uma cidade com automóveis a mais e pessoas a menos, onde o alcatrão vai atapetando passeios e a pobreza se vai varrendo para cantos escondidos.

7 comentários:

AidaLemos disse...

E todos nós assistimos fazendo pouco para as modificar, cada vez mais nos nossos casulos que, pensamos nós, nos transformarão em borboletas. Ai, a vida...:-)
AL

Canuck disse...

Mal dos tempos, direi... Aplica-se a muitos outros lugares.

bagaco amarelo disse...

aida lemos, que giro... vou a Praga daqui a 15 dias, por falar em metamorfose. :)

canuck, :)

LittleHelper disse...

Muito bom, muito bom. Gosto especialmente da sensibilidade, interesse e preocupação pelo bem-estar do próximo. Dar importância aos verdadeiros valores e abominar o betão-pelo-betão. Parece-me muito bem :-)

Ah! E há também um belo sentido de humor nessa etiqueta LOL ;-)

Saudações

bagaco amarelo disse...

little helper, faz-me impressão que uma cidade pequena como Aveiro esteja tão impregnada de óbvios erros urbanísticos... há um problema em Portugal que é o da especulação imobiliária e das câmaras viverem à custa dessa especulação... o erro é acharmos que isso não faz vítimas. :)

Canuck disse...

Se alguma vez visitares Albufeira, traz logo um baldinho... é que até dá nauseas...

bagaco amarelo disse...

canuck, lol... irei este ano... :)