4.10.2010

respostas a perguntas inexistentes (79)

Ela cansou-se de saber tudo sobre o mundo. Cansou-se também que ele lhe pergunte tudo sobre esse mundo. Onde é que está a minha camisa branca? E ela sabe que está pendurada na cadeira da despensa. Onde é que está o livro que ando a ler? E ela sabe que está na terceira gaveta a contar de cima na cómoda do quarto. O que é o jantar? E ela sabe que é caldo verde com peixinhos da Horta e puré de batata. Como é que está a criança na escola? E ela sabe que a professora se queixou da sua aparente ausência nas aulas.
Aquela casa tornou-se num mundo do qual ela sabe tudo e, agora que pensa nisso, talvez ele já não faça parte desse mundo. Ele tornou-se numa espécie de visitante regular que vem e pergunta tudo. Depois regressa não se sabe para onde.
Aquela casa tornou-se num mundo do qual ele não sabe nada e, agora que pensa nisso, talvez ela já nem goste dele. Ele, que se lembre, já não lhe diz que gosta dela há anos. Limita-se a fazer-lhe perguntas inócuas a que ela responde automaticamente.

21 comentários:

cduxa disse...

Belíssimo.

Fatyly disse...

A realidade sentida de tantos casais...infelizmente!!!! e mais não digo:(

Gostei imenso!

Beijos

Malena disse...

Nesta relação, ou melhor, neste simulacro de relação, sente-se que ela está "encolhida" por dentro...e isso é mau, muito mau!

GiGi disse...

Disse-nos o professor da disciplina Teoria do Texto Poético: "se cê lê um texto e ele não te diz nada, então cê tá no curso errado. Vai fazer continha..."

Acho que estou no curso certo :-)

Anónimo disse...

Brutal...até tenho vontade de chorar(sem precisar da ajuda da cebola)
é este o meu dia a dia mas só agora tomei a consciência da minha realidade ao ler este texto... brutal

Ass Papalagui

Raquel disse...

Adoro a forma como escreves. Este texto esta fabuloso!!!

Bjs

Kika disse...

Porquê?

Olga disse...

Infelizmente esta história repete-se vezes sem conta.

bagaco amarelo disse...

cduxa, obrigado. :)

fatyly, obrigado... de tantos, sim. não de todos. :)

malena, ela e ele. :)

gigi, o teu professor tem razão. :)

papalagui, tenho a mania de achar que, mesmo que custe, tomar consciência do que quer que seja é um momento feliz. :)

raquel, obrigado. :)

kika, porquê o quê? :)

olga, yep... :)

Anónimo disse...

O acordar da consciência.
Beijo x
P.S.

bagaco amarelo disse...

anónima, yep. :)

Anónimo disse...

Para que ela possa ser feliz , está mais do que na hora dele deixar de pertencer a esse " mundo".
Como sempre, você escreve de forma espetacular ! Parabéns !
Julia

bagaco amarelo disse...

julia, ela e ele, sim, tens razão. Obrigado pela simpatia. :)

Anónimo disse...

Desculpe-me pela visão extremamente feminista . Claro q ele também tem direito a felicidade :)

Anónimo disse...

Era importante já que ela sabe tudo dizer a ele o que sabe....talvez as coisas se tornariam diferentes... não deixar ir na ideia que a triste realidade não pode ser mudada.... só muda se ambos trabalharem no mesmo sentido... quem vê primeiro tem a obrigação de mostrar ao outro.

Paula Raposo disse...

Isto é a realidade de muita gente!

bagaco amarelo disse...

júlia (suponho), na boa... não acho que seja uma visão feminista... é mais uma visão mediática. :)

anónimo, exacto. :)

paula raposo, pois é... somos felizes depois de aprender isso. :)

Anónimo disse...

bagaço , numa boa ... não foi uma visão feminista ( camisa que jamais vesti ) . foi , sim , uma visão feminina :)

julia

bagaco amarelo disse...

julia, :)

Kika disse...

Porque é que cada um se enterra vivo, era essa a pergunta.

bagaco amarelo disse...

kika, ah! pois... se eu soubesse... :)