1.21.2011

pensamentos catatónicos (230)

Podemos coleccionar tudo. Selos, moedas, cromos, livros, discos, pacotes de açúcar ou postais. Esquecendo as coisas, também podemos coleccionar amizades, sejam elas na vida real, no facebook ou noutro sítio qualquer da internet. A única coisa que não coleccionamos é o Amor. O Amor não se dá com colecções, e mesmo quando temos vários é sempre um a seguir ao outro, não ao mesmo tempo.
Bem sei que há homens e mulheres com várias ou vários amantes, mas isso não é Amor. Não estou a dizer que isso é mau e não se deve fazer. Na verdade até acho que se deve quando se é feliz assim. Estou só a dizer que isso não é Amor, quando muito é uma tentativa de o ter. Uma das características do Amor é não nos sentirmos em mais ninguém.
Pensei nisto agora porque, em conversa com um dos amigos da minha colecção de amigos, ele disse-me que anda a coleccionar amores desde que se separou do seu Amor de sempre. Perguntei-lhe se estava feliz e ele abanou os ombros. Nunca estamos mesmo felizes quando coleccionamos abanões de ombros, respondi-lhe. E ele concordou.
Não entendam isto como um manifesto pró-monogâmico, até porque não o é. Isso seria apenas paleio de merda. Muito pelo contrário, acho que a tristeza de um homem, em tempos de solidão, se pode apagar por momentos nos braços duma estranha que se conheceu na internet, duma amiga que não se ama ou duma colega de trabalho. O mesmo se passa com as mulheres. Afinal de contas o sexo faz milagres. Acredito nisso e até acredito que haja quem goste de viver assim. Só estou a dizer que para mim uma das características do Amor é não nos sentirmos em mais ninguém.

22 comentários:

TM disse...

Compreendo-te.... e concordo....

bagaco amarelo disse...

tm :)

Anónimo disse...

Vinha aqui perguntar-te se depois da Raquel não queres namorar comigo, mas perdi a coragem e por isso pergunto-te como anónima.

Elsar disse...

gosto tanto que vou divulgar ali no meu blog

bagaco amarelo disse...

anónima, lol. :)

elsar, obrigado. :)

Anónimo disse...

O Amor by bagaço em alguns dos seus textos:
"...é não nos sentirmos em mais ninguém"
"...mesmo quando nos faz mal continuamos a gostar dele..."
"...será o oposto da solidão"
"...nunca é um cálculo..."
"...a sede de dar novos mundos ao próprio mundo..."
"...mete medo..."
"...é muitas vezes um cão sem faro..."
"...é uma cegueira total..."

Vou continuar a coleccionar as características que vais identificando no Amor e aposto que um dia te apanho numa contradição :)

Ana, Dona do Café disse...

O Amor não se divide, quem nos rouba o coração é quem o tem.
Erradamente dizemos que alguém 'colecciona amores', não.. colecciona momentos, relacionamentos, solidões acompanhadas.
O Amor é outra coisa.
:)*

bagaco amarelo disse...

anónimo, lol. eu próprio me apanho. A Amor é uma contradição. :)

ana dona do café, olha, ainda fica melhor, essa dos momentos. :)

Anónimo disse...

Boa resposta, mas com essa acabaste de destruir o meu projecto de te apanhar em contradição :(
CR

bagaco amarelo disse...

cr, os nossos projectos pessoais só dependem de nós. :)

memyselfandi disse...

Como eu te entendo! =)

bagaco amarelo disse...

memyselfani, :)

Sol disse...

e volto a dizer... e é por isso que o Amor é lindo!

Ana P. disse...

Eu num sei... toda vez que venho aqui leio algo que tem mto a ver pra mim.

Enfim que eu gosto das duas formas de viver. As duas são válidas, se vc as aceita e é feliz com elas dessa forma.

Mas sempre parece que o amor tem uma coisinha a mais. Pelo menos pra quem não tem esse amor, é o que parece.

Gosto do teu jeito de pensar!

bagaco amarelo disse...

sol, :)

ana p. não disse que não gosto de uma das formas.o objectivo não era esse. :)

Sérgio disse...

Adorei esta parte: "acho que a tristeza de um homem, em tempos de solidão, se pode apagar por momentos nos braços duma estranha que se conheceu na internet, duma amiga que não se ama ou duma colega de trabalho. O mesmo se passa com as mulheres.Só estou a dizer que para mim uma das características do Amor é não nos sentirmos em mais ninguém."
De facto apesar de neste momento não ter ninguém, sinto-me bem quando estou com uma amiga por quem não sinto nada a não ser uma.....amizade. E há uns anos saia com uma amiga minha e quem nos visse dizia que éramos namorados - pois estávamos sempre juntos. Nunca se passou nada entre nós e mais tarde cada um seguiu caminhos diferentes. No entanto quando contei isto a um amigo meu ele achou estranho nunca se ter passado nada entre mim e ela, palavras dele: "inédito isso".
Pura e simplesmente n surgiu e pensem o que quiserem e não tenho vergonha nenhuma de o admitir: só consigo ir para a cama com alguém se sentir algo por essa pessoa. Sou homem de relações, não de casos, não de engates..... e só iria/vou para a cama com uma mulher se sentir algo mais que uma amizade por ela..........

Sérgio disse...

....e para concluir o meu raciocínio que há pouco esqueci no comentário que fiz: cheguei há pouco de uma viagem que fiz: Porto-Lisboa-Porto com um amigo e a conversas tantas, começamos a falar das relações. Ele neste momento é casado, eu não.
Já vivi em união de facto, mas neste momento estou solteiro de novo e não tenho ninguém também neste momento.
Ele confidenciou-me que a anterior namorada(com quem ele se relacionou 7 anos)quando acabou com ele, durante os 3 anos seguintes ele só quis ter casos, quer fossem com amigas dele, ou novas conhecidas; amizades coloridas, como se diz, pois mulheres não faltavam.
E que quando conheceu a actual esposa, não estava à espera e caso não tivesse decidido casar com ela, neste momento estaria ainda solteiro a ter esses affairs.
Não o critico, mas no fundo olho para mim e penso: seria eu um homem diferente dos outros? Ou eu é que sou um azarado nesse aspecto? Não procuro casos, affairs, mas sim relação/ões. Bem sei que mulheres por aí não faltam, mas eu como me conheço, acho que não me iria sentir bem a ter casos, ou affairs, sem nada mais sério. Penso que me iria sentir mal comigo próprio caso o fizesse. Serei um homem diferente dos outros? Não sei.....mas a minha vez há-de chegar......

Fatyly disse...

Ninguém coleciona amores como esse "encolhe-ombros", porque até os tribais da minha terra tinham várias mulheres diziam que amavam ou amaram uma, as outras é apenas por gostarem de sexo e ter imensos filhos. Mas o que me sempre impressionou foi o respeito que tinham por elas e elas entre si.

Também não concordo com essa tua perpectiva (ou eu não percebi bem apesar de ter lido e relido) porque se "não nos sentirmos em mais ninguém" isso pode ser tudo menos Amor, que a meu ver não existe essa caracteristica nesse enorme novelo de sentimentos!

eueuemaiseu disse...

Vou roubar-te descaradamente a frase que mais gostei deste post e colá-la no meu blog, posso?

bagaco amarelo disse...

sérgio, identifico-me bastante com a tua situação. depois de me divorciar só tive casos, casos e mais casos. não era capaz de mais e comecei a sentir-me bem assim. mas quando, de repente, me apaixonei de novo, não hesitei em assumi-lo e deixar-me disso. e sim, a tua vez há-de chegar. :)

fatyly, em mais ninguém para além do outro. :)

eueuemaiseu, eu agradeço. :)

Mikashi disse...

mais um post que me deixou presa ao monitor (salvo seja)... o Amor é algo que nenhuma definição vai conseguir abranger na totalidade porque cada um de nós o sente de diversas formas...mas o que importa é que é um oxigénio libertador...pena quando se torna inflamável...

bagaco amarelo disse...

mikashi, inflamável é um adjectivo que o qualifica sempre, acho eu. mas, lá está, às vezes num fogo quente, outras vezes num incêndio. :)