1.17.2011

aqueles que amamos nunca morrem, apenas partem antes de nós

Nunca me arrependi de amar, nem sequer daquelas vezes em que o Amor me passou rapidamente a perna e me fez cair. Nunca, ao levantar-me depois da queda, olhei para o Amor com vontade de me vingar ou de lhe virar as costas para sempre. E talvez essa seja a singularidade do Amor: mesmo quando nos faz mal continuamos a gostar dele. Este fim de semana o Amor rasteirou-me e eu continuo a gostar dele, pelo menos.
Há bocado penetrei a noite num comboio solitário. Quando, ao chegar à última estação, vi a minha imagem reflectida na porta que tardava em abrir, reparei que tinha o cabelo todo no ar, e só nesse momento é que percebi que tinha feito toda a viagem com os dedos abraçados à cabeça, como se nela eles pudessem encontrar uma ponta no atafulhado novelo de lã em que se encontrava. Não podiam. O Amor tem a mania de nunca desfazer nós.
Outra mania que tem é só regressar ao passado quando se vê ao espelho, mesmo que o espelho seja o vidro duma porta dum comboio urbano. Vemo-nos mais velhos e o primeiro gesto é olhar para trás. Foi o que eu fiz. Olhei para trás e pensei que o poeta mexicano Amado Nervo tinha razão: "Aqueles que amamos nunca morrem, apenas partem antes de nós".

21 comentários:

Anita disse...

Gostei :)

Lari Dardengo disse...

As vezes leio aqui e penso: Como pode não compreender as mulheres?

Talvez de tanta incompreensão, você já saiba mais delas, do que as próprias.

bagaco amarelo disse...

anita, obrigado. :)

lari dardengo, de mim, pelo menos, não sei nada. :)

Rapunzel disse...

Não me arrependo, mas se na altura que cheguei ao cruzamento soubesse o que sei hoje, tinha virado para o lado contrário. Assim nunca teria conhecido este caminho.

bagaco amarelo disse...

rapunzel, podes sempre fazer inversão de marcha. :)

Malena disse...

Lindo de morrer de amor!!! :)) Obrigada! :)

maria disse...

Há tantas mulheres que também não conpreendem os homens...

Quanto ao Amor...vai e volta e torna a aparecer...o essencial é nunca virar as costas, mas sim estar disponivel para que ele apareça.

E quando aparecer...abraçá-lo de forma que não fuja tão rapidamente!
:)

bagaco amarelo disse...

malena, eu é que te agradeço. :)

maria, boa. é isso mesmo. :)

Cristina disse...

Eu que fujo tanto dele de repente ao ler isto até senti vontade de me apaixonar! :)

bagaco amarelo disse...

cristina, fugir?! não é de fugir... :)

Celeste disse...

aqueles que já amamos não partem...fazem-nos crescer!

sophie disse...

"o Amor tem a mania de nunca desfazer nós."

Talvez seja mesmo para ser assim.
Não se desfazem os nós, mas cria-se laços...

:)

Cota disse...

epah

até hoje o amor sempre foi malandro para mim, complicado querer ele de volta =]

Cristina disse...

É! Fugir! Principalmente das rasteiras....

bagaco amarelo disse...

celeste, é bem verdade. :)

sophie, boa. :)

cota, querer ou não querer não chega. ele vem e vem mesmo. :)

cristina, lá está... eu vou caindo e levantando-me. :)

Salsa disse...

Raios partam o amor que tantas loucuras se fazem com ele e por ele.

bagaco amarelo disse...

salsa, nem mais. :)

Fatyly disse...

essa frase de Amado Nervo é emblemática e verdadeira, mas tu conseguiste desconstrui-la numa nova construção tão tua, e como sempre de uma forma brilhante.
É verdade...verdadinha e há que se saber erguer "quando o Amor nos passa a perna e nos faz cair!"

Adorei!

bagaco amarelo disse...

fatyly, obrigado. :)

euexisto disse...

este gajo é um sinhor!

nova vénia

bagaco amarelo disse...

euexisto, :)