5.20.2010

pensamentos catatónicos (208)

Quando eu era pequeno aprendi que o amor era uma instalação. Supostamente devia um dia instalar-me numa mulher da mesma forma que me vim a instalar num T2 dos subúrbios da cidade: é maneirinho, barato e até tem acessos a uma via rápida. Depois de me instalar devia arrumar os cacos da melhor maneira e ir varrendo ou aspirando o cotão atrás das portas.
O problema é que não é suposto o amor ser maneirinho ou barato, muito menos ter acessos a vias rápidas. Num amor assim acabamos a limpar o cotão todos os dias sem saber porquê, num acto mecânico de manutenção ausente. Não é por isso, também, suposto sentirmo-nos instalados. Quando nos instalamos dessa forma o amor morreu...

18 comentários:

Celeste disse...

sim, quando finalmente nos sentimos em casa está na altura de mudar para outra!

Malena disse...

Concordo! O amor tem que ser uma instalação mas daquelas meio malucas que vemos nas exposições de artes plásticas! :))

bagaco amarelo disse...

celeste, é um bocado assim, sim. :)

malena, arte contemporânea no amor. parece-me bem. :)

Loira disse...

Fantástico texto...e tristemente há quem aspire cotão uma vida inteira!

bagaco amarelo disse...

loira, pois há... :)

Jil disse...

Resignados a viver uma vida de não resignados, de não encostados, de não cotão! :) Plenamente de acordo! :)

bagaco amarelo disse...

jil, :)

Fatyly disse...

Fabuloso...e subscrevo totalmente!

Myann disse...

Jamais nos devemos encostar e deixar estar... Acho que todos devíamos, pelo menos uma vez na vida, ouvir a música "Back at one" do Brian Mcknight :)

bagaco amarelo disse...

fatyly, :)

myann, é mau eu nunca ter ouvido nem saber o que isso é? vou ver... :)

Myann disse...

Ouve e depois logo me dizes :)

bagaco amarelo disse...

myann, :)

moi chéri disse...

muito bonito

bagaco amarelo disse...

moi chéri, obrigado. :)

lânternamágica disse...

o amor é a bela arte de saber enganar o outro pela sua ingenuidade. estou como Saramago: na perda da Inocnecia não há mais o amor.

bagaco amarelo disse...

lânternamágica, yep... é uma visão... :)

Feiticeiro disse...

Subscrevo em pleno o pensamento.
Tenho que discordar da Celeste, pois sentirmo-nos em "casa" não deveria constituir uma entrega ao conformismo, ao sempre igual, aos locais que esquecemos e ganham pó... Por outro lado o Amor não deve ser considerado uma instalação, afinal quem disse que não podemos habitar numa selva? :P

bagaco amarelo disse...

feiticeiro, uma instalação é que não, de facto... é como se acabássemos as nossas opções nesse momento. :)