3.31.2011

respostas a perguntas inexistentes (141)

Nos comboios urbanos entre Aveiro e Porto, a forma como as cadeiras estão dispostas são um desafio à timidez dos Homens. Em grupos de quatro, duas viradas para outras duas, obrigam muitos passageiros a viajar frente a frente. De tal forma que as pessoas tentam sempre ocupar os lugares mais isolados. Só quando já não há grupos com as quatro cadeiras vazias é que os passageiros se começam a sentar mais perto uns dos outros. Começa então o jogo dos olhares fugitivos, aquele em que se tenta ver quem está ao  lado sem que o  olhar seja apanhado.
É por isso que quando um homem, ainda com o comboio praticamente vazio, se senta à frente duma mulher, ela fica imediatamente desconfiada. Com tantos lugares livres, porque é que ele se foi sentar logo ali? Um dia destes vi isso acontecer na Estação de São Bento, no Porto, e para mim foi logo evidente que ele ia meter conversa com ela. Dito e feito. Começou por perguntar as horas e ela respondeu que não tinha; depois perguntou se o comboio ia para Aveiro e ela respondeu que ia para a Conchichina.O problema dele é que fez aquela figura de estúpido que só os homens sabem fazer. À partida, quem entra num comboio e se senta tão decididamente numa das suas cadeiras, sabe que horas são e sabe para onde vai. Se não souber está a fazer figura de estúpido, se souber e perguntar também está a fazer figura de estúpido.
É esse o problema dos homens, a solidão tem neles um efeito secundário que se chama estupidez. As mulheres sabem estar sós, os homens não. Uma mulher só, suspira pelo Amor; um homem só, desespera pelo Amor. É isso que faz um homem acreditar estupidamente que, depois de perguntar as horas a uma desconhecida bonita num comboio, vai manter uma conversa interessante com ela, jantar com ela e dormir com ela nesse dia. Não vai, a não ser que ele aprenda também a suspirar. Como ela, de preferência.
A estupidez, no entanto, que se mantenha sempre a postos. Eu, pelo menos, tenho um enorme orgulho na minha.

24 comentários:

Isis disse...

Admirável. Gosto da tua frontalidade em chamar as "coisas" pelos nomes. "As mulheres sabem estar sós, os homens não. Uma mulher só, suspira pelo Amor; um homem só, desespera pelo Amor." Podes ir passando esta mensagem? Grata! :)

LM disse...

Não é só a solidão que tem esse efeito neles...lol

Maria disse...

Muito bom ! gostei especialmente desta frase " uma mulher só, suspira pelo amor; um homem só, desespera pelo amor " mas eu diria mais, um homem só desespera por sexo .

Obrigada, pelos teus posts, são sempre interessantes .

Salsa disse...

durante muitos anos andei de comboios regionais e sub-urbanos nunca liguei muito ás pessoas que estavam a minha volta consegui estar sempre abstraído da carruagem e das pessoas que iam nela, as poucas vezes que olhei e fitei alguém era por causa do odor corporal que circulava pela carruagem que ai quero manter a maior distancia possível, a melhor coisa que me aconteceu foi deixar de precisar desse tipo de serviços públicos, agora ando a pé o que é a melhor coisa de todas.

Helena disse...

Aqui está uma diferença entre os homens e as mulheres! ;)

Kitty * disse...

"É isso que faz um homem acreditar estupidamente que, depois de perguntar as horas a uma desconhecida bonita num comboio, vai manter uma conversa interessante com ela, jantar com ela e dormir com ela nesse dia."

As mulheres também acreditam nisso... Mas é segredo, não digas a ninguém!

bagaco amarelo disse...

ísis, lol... já a estou a passar. :)

lm, lol. :)

maria, já me acontecer sentir-me só e com sexo regular. :)

salsa, isso é porque podes andar a pé. eu percebo. eu continuo a preferir o comboio ao automóvel... :)

helena, indelével diferença... :)

kitty, acreditam sim, só que num suspiro e não num desespero. :)

João Lemos disse...

Gostei do texto, bem observado, sem dúvida.
Mas já te interrogaste o porquê das cadeiras terem essa disposição ? ...qual a razão ?

bagaco amarelo disse...

joão lemos, deve ser para facilitar a vida so grupos maiores. julgo eu... :)

memyselfandi disse...

Grande lol!

Rana disse...

Quando um homem se sente só, por vezes leva-o a ter comportamentos estúpidos. Procura sempre algo diferente. Penso que lhe está nos génes!
Há estudos que apontam para 80% de sexo. Daí a obsessão pelo dito.
Se o homem pudesse, picava tudo que mexe!
De acordo?

bagaco amarelo disse...

memyselfandi, :)

rana, isso do picar tudo o que mexe é definitivamente mentira. :)

Cármen disse...

Eu, sinceramente, não escolho os lugares onde me sento, quando vou num comboio ou autocarro. Fazê-lo dá a sensação de medo do próximo, de medo de exposição, de ter algo a esconder, de vergonha de si próprio ou então de medo de ser social. E como todo o Homem é um animal social, acho um materialismo injustificável fazê-lo. É por isso que me sento normalmente no lugar que está mais perto da saída, independentemente de estar num conjunto ocupado.

bagaco amarelo disse...

cármen, eu escolho sempre, embora não te saiba explicar como. :)

Anónimo disse...

"Uma mulher só, suspira pelo Amor; um homem só, desespera pelo Amor."

Adorei:), contudo eu suspiro pelo amor, desespero pelo amor e acho-te um escritor incrível.

As tuas palavras deixam-me arrepiada num êxtase delicioso.

Eu não sei muito bem o que é o amor, mas sei que amo as tuas palavras.

A Raquel tem sorte :)
Ana**

Anónimo disse...

"Uma mulher só, suspira pelo Amor; um homem só, desespera pelo Amor."

Adorei:), contudo eu suspiro pelo amor, desespero pelo amor e acho-te um escritor incrível.

As tuas palavras deixam-me arrepiada num êxtase delicioso.

Eu não sei muito bem o que é o amor, mas sei que amo as tuas palavras.

A Raquel tem sorte :)
Ana**

*Mariana Rodrigues disse...

é tão verdade isso. Nos autocarros em VR também funciona assim. E a verdade é que acabo por achar estranho quando alguém se senta ao meu lado quando ainda há lugares vazios noutros sítios. =P

bagaco amarelo disse...

ana, obrigado pela tua presença e pela simpatia. :)

mariana rodrigues, pois... achamos todos, ou quase. temos um espaço físico à nossa volta que gostamos que seja nosso. :)

Anónimo disse...

Já frequentei assiduamente esses comboios.
Já falei com desconhecidos nesses comboios
Concordo com as suas palavras
Angustia-me pensar que nós mulheres.. nos nossos suspiros... muitas vezes assumimos uma posição de um bocadinho apatica
Os homens fazem figura de ursos as vezes
Mas não se magoam quando levam com os pés
As mulheres muitas vezes morrem um bocadinho por dentro quando levam com os pes... e ficam mais e mais inseguras.
Acho que encontro mais encanto na "inocencia" reiterada dos homens

Gosto muito do seu blog caro bagaço amarelo
Um abraço

Joana

bagaco amarelo disse...

Obrigado Joana, Percebi bem. :)

Bruxinha disse...

Eu sou sincera escolho quase sempre os lugares de dois.
Não porque se podem pôr comigo mas porque até um comboio ou autocarro pode ser um sítio de sossego por mais povoados que estejam.Normalmente vou a ler e aqueles minutos acabam por ser sagrados, tão sagrados que já cheguei a passar a paragem e só me dar conta disso umas (plural) a seguir tudo porque no meio de tanta gente estava tão abstraída que não ouvi/vi a paragem...

bagaco amarelo disse...

bruxinha, percebo bem. :)

Fatyly disse...

Gostei imenso desta tu comparação e quantas vezes se assentam apenas para terem apenas e tão só: dois dedos de conversa e quem os oiça e quase sempre começam por uma pergunta estúpida...mas que interessa? se pensarem que porque lhe dão resposta logo provocam um "imaginário mais além" no pobre desconhecido...deixá-lo, não vejo estupidez alguma por parte dele e dá gozo proporcionar "um sonho", porque não?

Como é óbvio e até hoje não vi ninguém saltar para cima de alguém...a não ser...um assalto feito em segundo e aí, antes ninguém pergunta nada:)

Sinceramente queria dar outro adjectivo ao que tu apelidas de "estupidez", mas agora não me ocorre...está na ponta da língua/pensamento...mas olha não sei:)

Adorei!

bagaco amarelo disse...

fatyly, obrigado. :)