3.16.2011

respostas a perguntas inexistentes (136)

Amar como uma folha e branco

Hoje sinto-me preguiçoso, e para escrever tenho sempre que vencer duas etapas. A etapa da preguiça e a etapa da ansiedade. Nem sempre sei o que vou escrever quando ligo o computador, ou melhor, talvez nunca saiba. No entanto, o cursor de texto vai piscando como se tivesse fome de palavras. Das minhas palavras, aliás. E eu sem forma de o poder alimentar.
Querer escrever sem ter palavras para o fazer é uma contradição que só o Amor consegue explicar. À partida só devíamos ter necessidade de escrever quando as palavras nos chegassem à ponta da língua e começassem a fazer cócegas nos lábios. Mas não é assim, ou melhor, mas não somos assim. Senão também só teríamos necessidade de Amar quando estivéssemos apaixonados.
A vontade de Amar surge na vida como a vontade de escrever surge numa folha em branco. Não temos nada em perspectiva, por isso tentamos encontrar alguma coisa a que nos possamos agarrar. E é assim que se procuram as palavras, exactamente da mesma forma que se procura um Amor. Saímos de casa, caminhamos à deriva pela cidade, entramos num ou noutro café e vamos trocando olhares com os demais. Um dia cruzamo-nos com alguém que traz a tal sensação de cócegas nos lábios, só que noutro sítio, a que por qualquer motivo nos habituámos a chamar de coração.
Depois há o défice de Amor, aquele por que passamos quando não temos ninguém a quem telefonar quando estamos sós, realmente sós, e que se parece com o termos a folha da vida em branco sem conseguir escrever lá nada. É por isso que mantenho este blogue, por exemplo, porque Amar não é mais do que ir escrevendo os dias com alguém. Ou para alguém.

30 comentários:

memyselfandi disse...

Tão certo! Se não com alguém, para alguém será certamente, e é por isso que este universo dos blogues me fascina tão imensamente. Há partilhas impagáveis. =)

earlymorningtalk disse...

fiquei mesmo triste ao ler isto. é tão verdade. sobretudo quando tens alguém para quem escrever e depois perdes essa pessoa. e aí as palavras subitamente deixam de fazer sentido e tens de as reencontrar por ti e para ti.
hoje estou assim. a saber que, por muito que possa escrever sobre alguém, essa pessoa já não está nas palavras.
e eu já não as sinto minhas também =/

Briseis disse...

Então, escreve, amigo Bagaco... Escreve até que o pulso e a vista te doam!

estórias disse...

"A vontade de Amar surge na vida como a vontade de escrever surge numa folha em branco. Não temos nada em perspectiva, por isso tentamos encontrar alguma coisa a que nos possamos agarrar."


Acho que o Amor não é por vontades: "epa hoje tenho vontade de". E também acho que não o procuramos.

Acho que não damos muito por ele entrar. Acho até que é essa a sua graça.

A paixão mexe com tudo, o Amor entra devagar e apesar de sentirmos a sua suavidade quando passa a porta, quando nos apercebemos já ele cá está.

Claro que para o manter é preciso continuar a escrever, usando a tua metáfora, mas acho que ele é como quando olhamos para a folha e já temos a primeira linha escrita.

Isto pode parecer que não é preciso fazer muita coisa para amar ou o amor chegar ao coração, mas é exactamente o contrário, porque para ele entrar tivemos que deixar cair as amarras, os muros, as defesas. Ele não se impõe e é por ser tão discreto e nos fazer deixar derrubar a carapaça dura sem grandes alaridos, que é tão bonito.

Acho que não amamos para nos agarrarmos alguma coisa. Acho que amamos porque o outro nos completa e completa o nosso Amor.

Vask disse...

Verdade... mantenho um blog há 3 anos, a escrever palavras para alguêm...

Mas essa pessoa nunca lhes ligou muito...

Carla Leite disse...

os meus antepassados se lessem esta tua 'ode' sobre a escrita em folhas fictícias assombradas por cursores hiperactivos, insultariam-te à moda do norte, enquanto te questionavam sobre o número de canetas e lápis que tens em casa e que não dás uso! :)
no entanto, eu que sou de uma outra geração, compreendo as limitações que o material de escrita tradicional apresenta... e sofro do mesmo mal moderno, mas justificado! a hora a que surgem os meus pensamentos diários mais interessantes é pouco propícia a eu me levantar, ligar a luz, desperdiçar umas lentes de contacto novas por uns minutos, e escrever, seja com que material for…para de seguida inverter a ordem do processo, e voltar a dormir. estas brilhantes ideias nocturnas habitualmente desaparecem após um sono profundo...solução: estou a pensar comprar um gravador áudio para registar tudo aquilo que quero escrever! se resultar, aconselho-te ao mesmo, e depois poderás escrever uma 'ode' aos gravadores :D

ah, vou me abster de comentar a tua prosa em torno do amor, pois o meu comentário já vai longo, para além de que é assunto delicado de momento. não iria contribuir com nada de positivo, e pelo que tens escrito, tens andado nas nuvens e por lá deves ficar.

bagaco amarelo disse...

memyselfandi, obrigado. :)

earlymorningtalk, sem dares por ela, percebes que existe renovação em tudo. :)

briseis, obrigado. :)

estórias, a definição de vontade não é só essa do "hoje". já o António Variações dizia que a culpa era da vontade. :)

vask, ligas tu. isso é importante. :)

carla leite, ser insultado à moda do norte não é mau. no fim acaba-se sempre na cerveja. se não houver navalhada, claro. :)

Maya Gaarder disse...

Gostei da imagem das cócegas no coração :) e tão bem que sabem essas cócegas!!

continuando assim... disse...

...A vontade de Amar surge na vida como a vontade de escrever surge numa folha em branco....


um sorriso :)
teresa

bagaco amarelo disse...

maya gaarder, é verdade. sabem bem, sim. :)

teresa, obrigado. :)

Eli disse...

E não é que sou mesmo isso... assim quase mordendo o lábio e sentindo eu que emana das palavras que me alimentam - as minhas. Estranho... embora eu lesse aqui, sem estar escrito, os sonhos acordados. Que bom é sonhar acordada!

:)

bagaco amarelo disse...

eli, obrigado por me perceberes. :)

Helena disse...

Tão bonito!!!
Obrigada:)

bagaco amarelo disse...

helena, eu é que agradeço. :)

sophie disse...

Muito bom, como sempre...

Já estava com saudades de passar por cá, mas tenho andado a "matar" outras saudades...
A escrever na folha que estava em branco...
E a sonhar acordada, como diz a Helena e muito bem!!!

Continua, sempre, a escrever os teus dias... E a Amar...

TM disse...

E dizias tu que estavas sem palavras para o alimentar....

Rana disse...

Oh Bagaço...
Com tanta gaja boa que há por aí...!
Sim... Resmas. Paletes...
E não tens inspiração?!
Vá, toca a trabalhar e inspira-te!
Continua. Elas agradecem.

Daniela Pereira disse...

tanta preguiça mas não deixas de ter um texto enorme :P

Olga disse...

:) Gostei :)

bagaco amarelo disse...

sophie, obrigado por teres voltado. :)

tm, :)

rana, lol. :)

daniela pereira, verdadinha. :)

olga, :)

Cristina disse...

Linda metáfora! :)

bagaco amarelo disse...

cristina, obrigado. :)

Luís Pires disse...

Ola bagacoamarelo.
Mais uma vez... Brilhante, se isto é o que te ocorre quando não tens o que escrever (ou quando não tens palavras na ponta da lingua), então, que te faltem essas palavras muito mais vezes ;)
Deixo-te então o meu Blog conforme combinado mas desde já te aviso que criei o meu blog a titulo de curiosidade mesmo não tendo jeito para a coisa... http://luispires2b.blogspot.com/

Cumprimentos

Luís Pires

bagaco amarelo disse...

luís pires, obrigado. a curiosidade é o melhor dos motores para fazer seja o que for. :)

redonda disse...

Gostei muito deste texto.
beijinho
Gábi

bagaco amarelo disse...

redonda, obrigado. :)

Cota disse...

mais uma verdade... continua assim camarada, a malta precisa disto... porque muita coisa se está a perder

bagaco amarelo disse...

cota, :)

Fatyly disse...

A etapa da preguiça e a etapa da ansiedade. Nem sempre sei o que vou escrever quando ligo o computador, ou melhor, talvez nunca saiba.
..............
ai rapaz se nesse estado escreves o que acabei de ler com um final ainda mais surpreendente, não sei (saber sei porque já li quase tudo que tens neste mundo de cabos)o que seria se tivesses inspirado... e oxalá que mantenhas sempre este espaço...

bagaco amarelo disse...

fatyly, obrigado. :)