10.07.2008

Diversidade Sexual e Igualdade



Não aceito viver num país com cidadãos de primeira e de segunda. À luz da lei portuguesa, os homossexuais são cidadãos de segunda porque não podem casar. Se permitirmos que o Estado intervenha desta forma naquilo que é a nossa liberdade individual, estamos a abrir um precedente grave e a permitir que o Estado se imiscua na nossa vida pessoal por outro motivo qualquer.
Quinta-feira às 21:30, no auditório da Biblioteca Municipal de Aveiro, o Bloco de Esquerda promove um debate aberto a todos sobre Diversidade Sexual e Igualdade, moderado por Carmo Marques e Elisabete Pereira. Eu vou lá estar, claro.

34 comentários:

Pax disse...

Eu só não compreendo é porque tanta gente faz tanta questão em casar... sejam ou não do mesmo sexo.
;)

pedro disse...

Confesso que dantes pensava que só os casamentos heterossexuais tradicionais podiam ser "casamentos"; os outros seriam uniões de facto. Mas depois pensei "que é um casamento tradicional"? mulher em casa e marido a trabalhar? A partir do momento que duas pessoas adultas se amam, esse sentimento é a maior homenagem ao conceito de casamento.

bagaco amarelo disse...

pax, lol... mas isso devemos deixar cada um decidir por si, não é? :)

pedro, nem mais. é o que eu penso. além disso, também penso que não tenho o direito de decidir sobre o que é da esfera individual dos outros, simplesmente porque não tenho nada a ver com isso. :)

Pax disse...

Não! Temos a obrigação moral de os defender das asneiras!
;)

that's all folks disse...

os casamentos entre gays vão ser possiveis no proximo mandato do ps, foi o que o gajo prometeu... é evidente que já deviam ser possiveis há muito... mas é mais um anito e vão ser... depois disso ainda há-de correr bastante água até se permitir a adopção... mas com tudo isto os temas "fraturantes" que o bloco tanto gosta começam a esgotar-se...

a pergunta é: e depois?? vai-se criar um vazio ou quais os próximos estandartes a hastear??

bagaco amarelo disse...

pax, lol.:)

that's all folks, estou a ver que tu é que só reparas em temas fracturantes. Nunca ouviste falar na proposta para a reforma fiscal do Bloco, por exemplo? :)

Anonyma disse...

Também acho que não temos o direito a intervir na esfera pessoal dos outros até ao ponto em que isso não prejudique a sociedade em que todos estamos integrados!

that's all folks disse...

eu não percebo nada de economia, e nem sequer sei em que é que o actual governo neste momento aplica o dinheiro do iva... para poder comparar com a proposta do bloco... mas se quiseres esclarecer agradeço... sem ironias.

logan disse...

Cada um é livre de fazer o que entender e perante a lei todos devem ser tratados como iguais. Que permitam que os homossexuais se juntem e tenham os mesmos beneficios de todos os casais, não lhe chamem é casamento... Não sou homofobico nem tenho nada contra homossexuais. Não me venham é dizer que é normal. A vida existe para haver reprodução entre um macho e femea da mesma especie e se o normal for ser homossexual a especie acaba nesta geração. QUanto a adopções por homossexuais, não brinquem com os sentimentos de uma criança que não escolhe com quem vive. Há muitas maneiras de ajudar as crianças sem ser leva-las para uma casa onde dois homossexuais convivem.. Não faz parte da natureza...

Red disse...

http://www.forumcoimbra.com/forum/viewtopic.php?t=8286


ai as mentes, as mentes...

bagaco amarelo disse...

anonyma, é exactamente isso. :)

that's all folks, sem ironias também, dizer que o Bloco é um partido de causas fracturantes é um cliché barato. Principalmente porque, neste caso específico, fracturante é dividir a sociedade em dois por questões do foro pessoal de cada um (a sua opção sexual). Há algo mais fracturante do que isso?
Podes ir aqui, por exemplo: http://www.bloco.org/index.php?Itemid=46&id=675&option=com_content&task=view

logan, é a primeira vez que falo directamente com Deus, que eu nem sabia que existia. Alguém que sabe o que é sexualmente normal e o que não é.
Espero que, se consideras o acto sexual como algo apenas com fins reprodutivos, tenhas muitos filhos. Caso contrário vais ter uma vida sexual limitada.
Eu, por mim, gosto de ter sexo por prazer, e a partir do momento que gosto de ter sexo por prazer, acho que cabe a cada um escolher a sua forma de satisfazer a libido. Mas eu não sou Deus. Tu talvez sejas...
Relativamente à adopção, não tenho dúvidas que as competências dum casal homossexual são as mesmas que a de um casal heterossexual, ou seja, dependem de casal para casal e independentemente da sua orientação sexual. Mas, lá est+a, eu não sou Deus. Não decido o que é normal. :)

red, não estou a conseguir abrir.. :)

Cesar disse...

acrescento que não aceito viver num país que, de certa forma, obriga as pessoas a casar.

that's all folks disse...

é evidente que o meu argumento é cliché, mas essas questões não começam elas próprias a ser também cliché? a ser a cassete do bloco? (de facto nunca vi um cartaz do bloco sobre a reforma fiscal mas sobre as temáticas "fraturantes"já vi vários.)


todos sabemos que essa lei vai passar mais cedo ou mais tarde, daqui por um ano é bem possivel que tenhamos que ir a um casamento gay de um amigo...
trata-se "apenas" da filha da putice do ps não passar agora, é estratégia a tentar ir pescar um ou outro voto à esquerda, nas proximas leições Ele já disse que no proximo ano era um tema de agenda...
(depois claro teremos o veto do labrego de boliqueime e a coisa vai ter que ir para trás outra vez e... ok estas coisas demoram o seu tempo, é certo.)

o que me chateia é que em contraposição à filha da putice do ps tenhamos um bloco detentor da moral, como se fosse o único partido da assembleia interessado neste assunto... e parece que os outros são todos conservadores e homossexuais é pô-los na fogueira... é isso que me começa a irritar no bloco...

eu sou totalmente a favor dos casamentos gays e que os casais possam ter filhos, agora a missa gravada que está sempre a sair do altifalante do bloco... é que já me começa a provocar bocejo... é apenas isso...

o link não adianta nada em termos comparativos.

desculpa se estou a chatear demais, mas não é contra ti!!! estou é farta do país que temos...ou antes deste país... cada vez mais, vejo a alternativa mais distante... e isso entristece-me.

bagaco amarelo disse...

cesar, estamos a falar do que deve fazer o órgão legislativo. Em Portugal não há nenhuma lei que te obrigue a casar. :)

that's all folks,

1] o tema dos casamentos homossexuais não é fracturante. fracturante é não falar nele porque em causa está de facto uma fractura social, que é uns poderem casar e outros não.

2] eu sei que isto vai acabar por passar, mas como acho que devia passar já agora e não por oportunismos políticos, acho que sim, se deve debater agora e, no mínimo, expor esse oportunismo do PS.

3] não sei de que missa gravada do Bloco estás a falar. Se quiseres ser mais específica, agradeço. Agora, se um partido tem uma ideologia política, é natural que a defenda várias vezes e não apensa uma vez, não é? Isso implica, de facto, repetir os mesmo argumentos. Qual é o problema? Preferes que um partido diga uma coisa hoje e amanhã outra?

4] Dizes que o link não interessa nada em termos comparativos. Pois não. O link explica qual a visão do Bloco sobre o que deve ser a reforma fiscal. Agora, como és adulta e inteligente, talvez saibas procurar o que os outros partidos pretendem para esse modelo fiscal e tirar as tuas próprias conclusões. Se não fores capaz de fazer isso, talvez não tenhas o direito de falar em cassetes ou temas fracturantes.

4] Se nunca viste um cartaz do Bloco sobre o código de trabalho, por exemplo, não percebo. Foi onde o Bloco investiu mais a nível de outdoors e, garanto-te, por questões financeiras não houve muitos mais outdoors com outros temas.

5] O Bloco detentor da moral onde e porquê? Defender os casamentos homossexuais é precisamente não ser detentor de moral nenhuma, porque não se aplica nenhuma lei feita com base em qualquer moral. Acho, no mínimo bizarra, essa tua opinião, por isso agradeço que a desenvolvas e não te fiques pela acusação. A moral está ou não em proibir o casamento de homossexuais?

poeta de rua disse...

bagaço, fico feliz por existirem pessoas como tu, que defendem o direito de ser pessoa, com tudo o que lhe é inerente, incluindo a esfera do amor.

Ska disse...

Exagero. Não são cidadãos de segunda por não poderem casar.

Poder, até podem, não pode é ser um com o outro ;)

Se eu quiser casar com uma pedra, ou um carro, também não posso.

Apesar de a própria noção do casamento me fazer alguma comichão

Nelson Peralta disse...

that's all folks,

«de facto nunca vi um cartaz do bloco sobre a reforma fiscal mas sobre as temáticas "fraturantes"já vi vários.»

Andas um pouco distraída. tal como o Bagaço já disse, neste preciso momento os outdoors do BE são todos sobre o código de trabalho. Estes outdoors são caros, mas há pelo menos um em Aveiro... tenta descobri-lo!

Onde está o Wally!?

bagaco amarelo disse...

poeta de rua, é que é isso mesmo: defender o direito de ser pessoa, com tudo o que lhe é inerente. :)

ska, exagero é proibir uma pessoa de exercer um direito porque te faz comichão. Mas acredito que alguém que compara um homossexual com uma pedra um carro tenha muitas comichões. :)

nelson, que por acaso é o único em Aveiro. Sobre temas fracturantes não há nenhum... :)

that's all folks disse...

o tema é fracturante no sentido em que se agora fosse feito um referendo sobre a coisa, estou bem certa que a sociedade iria ficar dividida, não é uma temática consensual, e até aqui nesta caixa de comentários se pode verificar isso...

quando falo de moralismos, não tem a ver com ser a favor ou contra, tem a ver com esta necessidade de afirmação de integridade total que o bloco tem, quase catequista. é assim tu reconheces, tal como eu, que o sócrates não vai deixar aprovar o decreto-lei agora, por oportunismo, mas não reconheces que há também oportunismo do be em debater e rebater e debater o tema AGORA. isso não é também uma estratégia política? quando sabemos que a coisa vai passar dentro de um ano?? é esta coisa de tentar dizer constantemente nós é que somos os únicos justos e os bons defensores das igualdades, os que não têm defeitos, que me provoca bocejo. Não me digas que não há estratégia politica do bloco em querer passar o assunto já, claro que há. também poderão ganhar alguns votos nisso ou pelo menos impedir perdê-los para o partido socialista... mas é esta tentativa de tentar mostrar a todo o custo que não que não é pelos votos, que é só pela "moral" que quase vejo por vezes o reverso do pp... mas isto claro, é apenas a minha opinião;

em relação à questão da análise comparativa da aplicação do iva... é evidente que qualquer pessoa que esteja interessada se informará... e serão poucas... mas não interessaria ao bloco informar as pessoas nesse sentido? se calhar não...

em relação aos cartazes: este cartaz que aqui está neste post (a promover o ménage à trois ihihih, foi uma tentativa de humor, pronto) tem o logo do bloco, presumo que seja um cartaz do bloco... se estiver enganada corrijam-me.

bagaco amarelo disse...

that's all folks, ok, fiquei a saber que para ti um tema fracturante é um tema em que a sociedade fica dividida... ok, para não falarmos mais de temas fracturantes, passamos a falar de temas em que todos temos a mesma opinião. hum... hum... deve ser difícil.

também fiquei a saber que este cartaz que aqui está foi o único que viste do Bloco, apesar de ter sido impresso apenas em fotocópias. Nunca viste os outdoors sobre o código de trabalho.

De resto, gostava que me mostrasses onde é que nós dizemos que somos os únicos justos e os bons defensores das igualdades. Isso é uma inverdade. Aliás, nos debates tentamos sempre convidar pessoal de fora do Bloco... talvez quem nunca apareça em nada e não tenha intervenção política séria não se aperceba disso.

Agora, falares de forma acusatória do Bloco por ter uma estratégia política, é um bocado ridículo. Adivinha: o Bloco é um partido político... é natural que tenha uma estratégia política, sim...

explica melhor o teu "se calhar não". Não percebi.

that's all folks disse...

vejo que estás a deturpar completamente os meus argumentos e a tirar conclusões sobre coisas que não afirmei... e assim sendo não vale a pena continuarmos a bater no ceguinho...

lamento que a tua interpretação de "intervenção política activa e séria" se reduza em grande parte a estar filiado num partido e a ir a debates públicos(coisa que eu em tempos fiz de forma quase militante até me aperceber que não era por aí).
eu não estou filiada em nenhum partido!! nem pretendo vir a estar e isso não me tira a seriedade e a liberdade de intervir e questionar!!

Nelson Peralta disse...

«reconheces que há também oportunismo do be em debater e rebater e debater o tema AGORA.»

That's all folk's, continuas a falar sem conhecimento de causa. Começo a registar um padrão.

O projecto-lei em causa foi apresentado há 2 anos. Entretanto pelo meio houve uma revisão do regimento da assembleia da República, o que levou à necessidade de reagendamento de varios projectos-lei.

Portanto, a intenção inicial era discuti-lo há 2 anos, longe de eleições. Durante este dois anos os restantes partidos sabiam que existia este PL, podiam debate-lo e contra-propor outros PL. Escolheram não o fazer e dizem agora que não houve debate na sociedade! Estão tão desatentos como tu.

bagaco amarelo disse...

taht's all folks, eu também vejo que te apetece criticar de barato o Bloco de esquerda. Deixa lá, numa coisa estamos de acordo: não vale a pena continuar esta conversa. :)

Cesar disse...

não há lei k obrigue a casar, mas quase... pelo menos há um ordenado mínimo que obriga a que 2 pessoas se juntem para dividir a renda de uma casa.

bagaco amarelo disse...

cesar, lol... se fores pelo ordenado mínimo é melhor juntar logo uns dez... :)

[e]vil disse...

Bem, isto já descambou para a bendita da política. Se me permitem, vou apenas comentar a questão em causa. Vocês depois continuam. :-P

A minha opinião sobre esta matéria é a seguinte: o casamento não é mais do que uma maneira de formalizar uma relação estreita entre dois indivíduos que, na maioria das vezes, não pertencem à mesma família. É apenas um contrato que torna explícito que as duas pessoas ficam ligadas por uma relação especial e que traz, como consequência, uma série de vantagens sociais e legais.

Eu comparo o casamento com aqueles pedidos de amizade nas redes sociais, que agora andam tanto na moda. Se ambos estiverem de acordo passam a ser amigos, isto é, passa a existir uma ligação directa entre os dois. Diferença: o casamento só pode ser celebrado com uma outra pessoa em simultâneo e entre pessoas de sexos distintos, enquanto que as redes sociais permitem que um indivíduo se ligue directamente a vários, independentemente do sexo. Por mim esta última abordagem até era bem mais saudável, já que permitia que cada um escolhesse as pessoas especiais na sua vida. E isso nem sequer devia ser baseado no pressuposto de que as pessoas em questão tinham relações sexuais.

Embora olhe para o casamento como algo que não faz sentido, se dois indivíduos pretendem casar, não vejo porque não o possam fazer. É uma decisão que lhes deve caber, apenas e só a eles.

A lei não é imutável. É construída para servir e regular as relações sociais, para que possamos viver uns com os outros. Como tal, se a sociedade evolui e a lei fica desajustada, então é necessário repensá-la e alterá-la. Para que possa voltar a servir a sociedade novamente.

Joana Oliveira disse...

Bem, leio este blog há pouco tempo e não sabia que o BE é para aqui chamado.
Boa!

Eu não me vou casar, acho o casamento um absurdo desnecessário, mas se os heterossexuais se podem casar, os homo têm de o poder fazer também.
Não há muito mais por onde pegar. É simples a questão.

Joana Oliveira disse...

Leio este blog há pouco tempo e não sabia que o BE é para aqui chamado.
Boa!

A questão é muito simples.
Eu acho que o casamento (seja com quem for) é um absurdo desnecessário, mas se os heterosexuais têm direito a casar, os homo têm de o poder fazer também.

bagaco amarelo disse...

[e]vil, até concordo contigo. independentemente do que tu pensas sobre o casamento, ele deve ser igual para todos. :)

joana oliveira, ena! amanhã és bem vinda. :)

numis disse...

Antes demais, a minha declaração de interesses no tema: porque raio há-de um Estado detrminar qual o modelo de Família,ie, 2 pessoas do mesmo sexo ou não? e se 3 ou mais pessoas acharem que são uma familia porque não hãn-de ter os mesmos direitos que uma dita familia convencional, heteresexual, ou moderna, homosexual?

Alguns direitos fundamentais que só o casamento cívil garante:

- direito a faltas ao trabalho para assistência médica a familiares;
- direito a licença de maternidade ou paternidade;
- se @companheir@ necessitar de cuidados de saúde, internamento por exemplo, os familiares d@ companheir@ podem negar o acesso ao(s) companheir@(s) de vida;
- herança e partilha de bens;
- em caso de separação garantia que as partes assumem as suas responsabilidades inerentes;
- apenas após 2 anos de vida conjunta é que se considera uma união de facto no pleno gozo dos seus direitos.

Acho degradante para a classe politica dizer que até não tem nada a objectar mas vai votar contra porque o chefe manda ... não gosta mas ajoelha ...

:D
Numis

Joana Oliveira disse...

Deixei dois comentários iguais. Não foi propositado.
O mais engraçado disto tudo é que no meu blog também coloco algumas conversas que tenho com pessoas. Um pouco diferente das tuas, mas não consigo deixar de pensar nisto. Como é possível?

bagaco amarelo disse...

numis, concordo plenamente contigo. acho que há portugueses que nem sequer percebem que estamos a falar de casamento civil... e não duma festa religiosa, mas pronto. Pela parte que me toca, não desisto de tentar alterar o que acho que tem que ser alterado. :)

joana oliveira, não faz mal nenhum... eu às vezes apago mas quando estou a responder a muitos... não dá. vou lá ver o teu blogue... :)

Anónimo disse...

Que tal foi o debate? Ouvi hoje um com argumentos inacreditáveis...

Anabela

bagaco amarelo disse...

Anabela, os argumentos contra o casamento dos homossexuais são sempre inacreditáveis. O debate correu bem... 38 pessoas e um debate sério. :)