10.29.2008

o fim começou

Em conversas de homens diz-se de vez em quando que o melhor é um tipo envolver-se com uma mulher casada. Que uma mulher casada, dum amante, só quer a parte boa porque chatices já as tem em casa. Bem... esta teoria é uma tanga. Provavelmente nos homens também.
Em casa parece que está tudo bem. O filho já se habitou a discussões por tudo e por nada, já se habituou a que o pai saia de casa batendo a porta com mais força do que o habitual, já se habituou a que a mãe se feche alguns minutos na casa de banho enquanto ele vê televisão ou joga Playstation.
Na casa de banho ela limpa as lágrimas, mas as lágrimas não caem por causa de mais esta zanga. Caem porque ela tem raiva de não ter coragem de acabar com o inferno onde vive. Perdeu o controle de tudo, incluindo da própria vida, e por isso o amante é a única coisa que ela acha que ainda pode controlar. As mensagens de telemóvel que lhe vai mandar a seguir não são a dizer que gosta dele. São picantes, como se assim pudessem funcionar como um anzol, e chegam sempre com uma ordem qualquer, tipo "não te quero com mais gajas" ou "vê lá o que andas a fazer na minha ausência".
O marido dela pode estar a embebedar-se enquanto vê um jogo de futebol no café, pode estar no cinema ou até numa casa de putas. Já não interessa. O fim começou.

14 comentários:

Anónimo disse...

E há tantas vidas assim...continuamos a viver e a sorrir para fora mas cá dentro...

Smily disse...

Que panorama mais morbido... =S

Beijinho***

PC disse...

Antes desta exposição, sempre achei que os amantes teriam o papel privilegiado da relação, mas tens toda a razão. A Pão!

Anónimo disse...

Olá, bom dia!!

O teu texto trouxe-me à memória este filme. Fui procurá-lo no you tube

http://www.youtube.com/watch?v=DD9XP0Ane8U

"It always fascinates me how people go from loving you madly to nothing at all. Nothing. It hurts so much"

Mas!

"There is a moment in your life when you can't recover anymore from another break up, and even if this person bugs you 60 per cent of the time, well… you still can’t live without him”


bjinhos!!

Tânia

Ana Camarra disse...

Isso é um quadro muito triste!
Por mim não há nada como os conselhos da minha avó: Fruta bichosa não adianta colocar em calda! Os maridos são como os penicos, parte-se um arranja-se outro...

Assim sucessivamente.
Viver uma mentira, uma meia verdade, uma relação assim mais vale viver só.

Digo eu!

beijos

Joana disse...

Concordo contigo. Parabéns! Está muito bem escrito. :)

bagaco amarelo disse...

anónimo, exacto... plastificando emoções na face... :)

smily, e mais verdadeiro. :)

pc, a questão é numa relação convém não haver papéis privilegiados. :)

tânia, adoro esse filme... eu e toda a gente, acho eu. a questão é que acho que para a segunda frase não tem que existir a primeira. :) bjinhos

ana camarra, dizes tu e digo eu. a tua avó tinha razão. :)

joana, obrigado. :)

Tangerina disse...

Hum, deixa ver... mulher casada, marido com mau-feitio, amante por sms. Caramba, isso é ruim.
Pronto, pronto, só passei. Já me calei:))

bagaco amarelo disse...

tangerina, e passaste muito bem. :)

toma lá Fresquinho disse...

excelente descrição! been there...done that...twice! nos dois lados do filme !

a sensação é essa ... o principio do fim!

quando se está do outro lado, e se é o amante, é uma sensação ambígua... boa, mas estranha e de certo modo desconfortável...

Shelyak disse...

fantástico!!!!

bagaco amarelo disse...

toma lá fresquinho, exacto... desconfortável. I´ve been there too. :)

shelyak, verdade. :)

Fénix !!! disse...

"Já não interessa. O fim começou."

Muito, muito bom (és lindo bagaço!):D

bagaco amarelo disse...

fénix, :)))))