9.15.2008

três paixões fugazes dos últimos dois anos

a paixão do semáforo vermelho
Na cidade do Porto, atravessei a passadeira com o semáforo vermelho para peões. Ela também, no sentido inverso, e apesar do som dum carro a aproximar-se não acelerámos o passo. nem eu nem ela. Os nosso olhares cruzaram-se durante mais tempo que o normal, para duas pessoas que nunca se tinham visto. Mal pus um pé no passeio olhei para trás, para ver se ela fazia o mesmo. Fez. O semáforo passou para verde e uma multidão banhou o momento. Eu fui numa onda, ela noutra. Nunca mais a vi. Era uma mulher relativamente forte e muito bonita, loira de olhos verdes e cabelo ondulado.

a paixão do autocarro
Na cidade do Porto. Sentou-se ao meu lado no autocarro. Primeiro perguntou-me as horas, depois começou a falar da vida dela. Andava a fazer um curso qualquer para depois trabalhar numa empresa de seguros. Quando esgotou a vida dela perguntou-me pela minha e eu fui dizendo sempre o menos possível. Até que me levantei para sair. Perguntou-me se eu tinha telefone. Que sim, respondi. Ela deu-me um cartão e pediu-me para lhe dar um toque mal saísse do transporte. Tornei a responder que sim mas depois não dei. Ela, uma mulher magra de cabelos castanhos e pele muito branca, com um ar frágil e uma voz nervosa.

a paixão da fila de trânsito
Na estrada nacional 109, perto de Avanca. Muito calor e duas filas enormes nos dois sentidos. Estava há tanto tempo parado que desliguei o motor do carro. Ao meu lado uma mulher que conduzia no sentido inverso fez o mesmo. Era preta, com uns cabelos muito compridos e bonita, mesmo muito bonita. Também sabia sorrir e tinha um ar meigo. Saí do carro e fui ao muro duma casa buscar uma rosa. Uma flor para outra flor, disse-lhe. Ela aceitou com um sorriso ainda maior que os anteriores. Se calhar vemo-nos por aí um dia destes, disse ela depois de agradecer. Era bom, respondi eu com a certeza que isso ia mesmo acabar por acontecer. Não aconteceu.

12 comentários:

DeusaMinervae disse...

Tenho de ir ao Porto para ver se me acontence o mesmo...:)

moi chéri disse...

às vezes dá-me uma inveja....

Olga disse...

Mesmo fugaz valeu a pena, ou não? Pelo menos ficaste com a melhor parte da paixão, a fase inicial onde se fica ligeiramente embriagado! A fase final onde se complicam as coisas e se entra em cálculos e cobranças é dispensável.

Joana disse...

a paixão do semáforo vermelho - tens ir mais vezes ao porto, pode ser que a vejas novamente ;)

a paixão do autocarro - só foi fugaz porque tu não aproveitaste a dica.

a paixão da fila de transito - ainda podes voltar a cruzar-te com ela.

redonda disse...

Pode ser que ainda aconteça.

...agora uma flor para outra flor...não sei não, mas não me está a parecer lá muito original

bagaco amarelo disse...

deusaminervae, mas vê lá. não sejas atropelada. :)

moi chéri, a mim também. :)

olga, sim... mas é uma espécie de "comprei o bilhete e não entrei". :)

joana, eu vou muito ao Porto, mas agora é raro andar de autocarro. filas no trânsito é que ainda vou encontrando. :)

redonda, tens razão... mas a originalidade não é sempre um objectivo. :)

Anónimo disse...

Estás no bom caminho ... tudo começa no olhar ( pelo menos para mim) mas depois há que finalizar e avançar,certo Sr. Bagaço?
Está a olhos vistos que há para aí um medinho de tornar a coisa real ...
Na minha leitura vejo 3 tipos de mulheres:
A tímida
A atrevida
A romântica

acho que és dado a romantismo. Será?
Bj
Dori

moonlight disse...

quando era pequeno também era assim mas depois o meu pai bateu-me e deixei de ser mentriroso...

bagaco amarelo disse...

Dori, agora não ando dado a muita coisa. ;)

moonlight, deixaste de ser mentriroso? devias pedir ao teu pai para te bater com mais força. talvez tornasses a ser. :)

O Homem Terra disse...

O teu bolgue é bom.

moi chéri disse...

;-)

bagaco amarelo disse...

o homem da terra, obrigado. :)

moi chéri, :)