6.15.2011

pensamentos catatónicos (252)

O Amor como se fosse água


Primeira verdade sobre a água: ela quer-se transparente. Segunda verdade sobre a água: é um bem escasso e finito. A primeira verdade é reconhecida por todos nós, a segunda nem por isso. É como no Amor. Facilmente reconhecemos que ele deve ser transparente mas dificilmente aceitamos que ele é escasso e finito. É por isso que, como a água, também ele nos pode afogar.
Crescer ao lado do mar permitiu-me viver nessa ilusão da água, por vê-la todos os dias a ondular até à linha que se desenha num horizonte onde me parecia impossível chegar. Aconteceu-me o mesmo com o Amor, por viver nele e me parecer impossível atingir o seu fim. Depois atingi, numa noite qualquer em que mergulhei e me custou voltar à tona para respirar.
Aprendi com os dias que a ilusão da água é a ilusão do Amor. São bens escassos, e por isso tento usá-los de forma consciente para que a sua reserva não acabe. É assim que faço com o Amor. Todos os dias tomo um curto banho reconfortante, todos os dias mergulho a minha língua em água refrescante. De vez em quando mergulho o corpo.

25 comentários:

Cacarol disse...

Porque tens tantos seguidores e poucos comentários?

bagaco amarelo disse...

caracol, não acho que tenha poucos comentários, mas também não penso muito nisso. :)

HydraFlama disse...

Mergulha todos os dias, e vai treinado apneias.
Mergulha cada vez mais fundo e por mais tempo!
Desfruta do amor todos os dias...

Um abraço... Bagaço!

HydraFlama disse...

Mergulha todos os dias, e mergulha cada vez mais fundo.
Vai treinando apneias...

Um abraço Bagaço!

caracois dourados disse...

é um bem escasso, mas nao necessariamente finito...

Helena disse...

Já reparaste que o Amor tem sempre algo em comum com os pormenores da nossa Vida! Desta vez a àgua, límpida e transparente, refrescante... espero que mergulhes fundo! :)

Anónimo disse...

A única diferença é que há que possa comprar água, mas ninguém pode comprar Amor.
CR

Anónimo disse...

amor gera amor!

bagaco amarelo disse...

hydraflama, é mesmo isso que ando a fazer... e neste momento está a correr bem. faz o mesmo. e um grande abraço. :)

caracóis dourados, finito será sempre... não quer é dizer que acaba antes de nós. :)

helena, tem sim... e mergulhar é o que temos todos que fazer. :)

cr, isso leva-me para o campo do meu modelo político. a água, como recurso natural, não deve pertencer a ninguém mas sim a todos, por isso não deve poder ser comprada. :)

anónimo, sim, isso às vezes é verdade. :)

Anónimo disse...

Eu já te ouvi dizer isso, aquando da discussão da ADRA, mas se mesmo pagando por ela as pessoas desperdiçam, imagina se fosse grátis?
Lá para as minhas origens, em trás-os-montes, a água no verão é racionada, mas só é necessário fazer isso naquelas aldeias em que a água ainda é grátis, as outras onde já existem contadores tem água de sobra.
CR

Never Told Words disse...

E tal como a água também ele, o Amor, é melhor se for puro :)

Estudante disse...

Que bela analogia! :)

Bernardo disse...

Bom post :D

Joana R disse...

Fantástico!

bagaco amarelo disse...

cr, a água pública é paga, só que é paga com o dinheiro dos impostos, ou seja, paga pelas pessoas e para as pessoas. isso é diferente de comprar e o dinheiro reverter para o bolso de um privado. Além disso, o que eu defendo é taxas progressivas (gratuitidade para o mínimo aconselhado pela ONU, ou seja, 50 litros por dia, e taxas mais puxadas para quem enche a piscina). Mas fica a saber que o desperdício gritante da água é nas redes e não no consumo. E há mais desperdício nas privadas, precisamente porque os provados só querem lucro e não estão para investir numa rede que só vai poupar um recurso natural que não lhe sai do bolso. :)

never told words, :)

estudante, obrigado. :)

bernardo, obrigado. :)

joana, obrigado. :)

Drinha disse...

O Amor não é um bem escasso, somos nós que fazemos com que se esgote, com que acabe...por tantos motivos e só por um, há quem queira um amor, mesmo que não seja esse o sentir...

bagaco amarelo disse...

drinha, é possível, sim. nesse caso continua a ser como a água. :)

CurlyGirl disse...

Que lindo. É verdade... Quando olhamos para o mar achamos que ele é infinito. Não é.

bagaco amarelo disse...

curlygirl, é uma das dores de crescimento. :)

Fatyly disse...

É imensamente belo ler o que escreveste, que subscrevo e não consigo dizer mais nada. Também não é preciso, pois não?

bagaco amarelo disse...

fatyly, obrigado por dizeres alguma coisa mesmo quando não consegues. :)

Mikashi disse...

cá estou de volta...para dizer que estes mergulhos às vezes causam um mal-estar nos pulmões...mas quando é um mergulho a dois...que bem que sabe :)

bagaco amarelo disse...

mikashi, têm que ser a dois, sim. :)

**Lili** disse...

«Cacarol disse...
Porque tens tantos seguidores e poucos comentários?»

Não é complicado de se perceber, no meu caso, que adoro escrever, penso que há coisas que estão tão bem explicadas que não se deve aumentar nem um ponto. Neste caso, ele diz tudo tão correcto que nem há comentários possíveis :) Lemos, e ficamos a pensar nisso**

bagaco amarelo disse...

lili, :)