2.15.2011

respostas a perguntas inexistentes (128)

o tempo

O tempo. Há duas formas de falar do tempo. Diz-se demasiadas vezes que o tempo está mau ou bom, o que quer dizer que está de chuva ou que está Sol, respectivamente. O tempo é daquelas coisas de que falamos quase sempre qualitativamente e quase nunca quantitativamente, a não ser quando nos faz falta. Nessa altura dizemos que temos pouco tempo. Só aí.
É muito raro ouvir alguém dizer que tem tempo de sobra para fazer o que quiser. A culpa é Nossa, que enquanto espécie andamos a fazer tudo ao contrário do que seria melhor para nós. Somos escravos do trabalho porque o trabalho é escravo dum sistema económico glutão, chamado capitalismo, que por sua vez é escravo de alguns bancos e outro tipo de instituições financeiras, que por sua vez são escravas duma minoria de pessoas no planeta. Depois... só falamos do tempo porque ele nos falta, ou então para dizer que está a chover ou que está Sol, o que é a mesma coisa que não falar porque isso todos sabem.
O problema do Amor é esse: precisa de tempo. Senão é um Amor às prestações. E não digo isto tendo em conta apenas o tempo em que quem se ama partilha as horas que passam, e que às vezes parecem voar nas asas dum condor. Falo do alívio do tempo. Aquele alívio em que somos capazes de respirar fundo porque não temos que pensar no que temos que fazer a seguir. É esse o tempo do Amor, um tempo que parece infinito e que não passa recibos verdes.
E hoje escrevo isto porque me sinto sem tempo. E sentir-me sem tempo é sentir-me com menos vida e com menos Amor.

19 comentários:

Framboesa disse...

Acho que percebo perfeitamente a que te referes.Felizmente tenho tido esse tempo para o amor, em que pomos o mundo em pausa e somos só nós os dois e pouco mais....e sinto-me uma previligiada por (ainda) o conseguirmos ao fim de quase 13 anos...
Infelizmente quando temos esse...tempo...somos apelidados de egoistas, de não estarmos a fazer nada, a avançar na vida ("quando raio é que se decidem a ter filhos pah?!!!")

ooops....já mudei para outro assunto...
bj com tempo, do bom.

Plim disse...

Realmente...no fundo, no fundo quem não tem tempo não ama!

André C. disse...

Nem mais. É exatamente isto. É isto que tenho andado a querer dizer. Mais um texto que vem reforçar o porquê de ser teu leitor assíduo.

maria disse...

Temos de ter sempre tempo...para o Amor!:)

Patife disse...

O tempo é um crime premeditado. ;)

bagaco amarelo disse...

framboesa, essa dos filhos não é para ligar. cada um sabe de si e os outros não têm nada a ver com isso. :)

plim, exacto. :)

andré c, obrigado.:)

maria, temos... mas nem sempre conseguimos. :)

patife, ena! excelente: :)

pois disse...

Que grande, o Patife

bagaco amarelo disse...

pois, :)

Rana disse...

Passamos a vida a dizer que não temos tempo. Tempo temos,às vezes,até de mais.
Temos é que lhe dar mais valor e compartilhá-lo com pessoas especiais. Especiais o suficiente para gastarmos com elas o nosso tempo.

sophie disse...

"Le temps est une invention de gens incapables d'aimer."

Não sei de quem é a frase. Encontrei-a uma vez pela net. E decidi partilhar...

Bom tempo para ti...
Com Sol e muito Amor

:)

Feiticeiro disse...

Creio que quando for tomada a decisão de mudarmos algo nas nossas vidas que contrarie esse sistema e dê oportunidade ao nascimento de um novo... haverá amor, partilha e auto sustentabilidade, se dermos de nós o que os outros precisam e eles em troca, sem moeda, dão o melhor de si.
Discurso filosófico, idealista e linear... eu sei, não há tempo!
Abraço, já tinha saudades de aqui aparecer e deixar meu comentário, terá sido o tempo? =s

bagaco amarelo disse...

rana, na verdade nunca me sinto com tempo demais. sinto-me com 24 horas por dia e num sistema económico que não me permite usá-las da melhor maneira. :)

sophie, que frase genial. obrigado. beijinho para ti. :)

feiticeiro, é isso mesmo que eu penso e em que eu acredito. sim, foi o tempo. :)

Fatyly disse...

É um remar contra a maré e já os nossos antepassados e os antepassados dos antepassados se queixavam (como eu detestaria ter vivido nesses tempos) daí eu nunca ter aplicado a frase "não tenho tempo", porque o mal é sentirmo-nos ou sermos escravos do quer que seja, em vez de deixar fluir, sem saber separar as águas das etapas o que vejo nas gerações mais novas.
Nunca tive a vida facilitada mas mesmo no meio do caos do trabalho que era tudo "para ontem", dos transportes públicos que de bom nada tinham, do levar e acompanhar as filhas a nível escolar e lazer...eu tinha tempo para tudo e hoje perguntam-me como foi possível mãe? Respondo o que escrevi em cima...deixai fluir que logo se sentirás menos escrava:):)

Força!

redonda disse...

Espero que entretanto tenhas conseguido muito tempo :)

bagaco amarelo disse...

redonda, estou a começar agora... :)

memyselfandi disse...

Eu ando sempre a correr. Parece que não tenho tempo para nada. Mas tenho noção que não tenho tempo para nada de propósito.

bagaco amarelo disse...

memyselfandi, de propósito?! caramba... que desperdício. :)

memyselfandi disse...

Então não! =) Que fazer? =)

bagaco amarelo disse...

memyselfandi, ouvir música, ler, desenhar, ir tomar café ao tasco mais rasca da terra, grelhar sardinhas com pimento verde, beber Altano, jogar civilization, tentar engatar alguém, coçar os dedos dos pés. enfim... há mil e uma coisas que se podem fazer. :)