2.08.2011

respostas a perguntas inexistentes (126)

andar por aí à espera que um coincidência esbarre connosco

Sentir a falta duma mulher que se conhece, que se ama e deseja, mas que não nos ama, é uma sensação de perda. Por outro lado, sentir a falta duma mulher que ainda nem se conhece é uma sensação de esperança. São duas formas diferentes de tropeçar no Amor, esse animal selvagem que ora ruge dentro de nós, ora hiberna durante uma estação inteira. E por falar em estações, são elas que explicam bem estes tropeções.

Durante alguns meses sente-se a falta daquela mulher, especificamente daquela, e passa-se uma estação do ano, talvez a do Verão, a desejá-la. Depois, talvez no Outono, passa-se a sentir a falta duma mulher qualquer, e demora-se outra estação, talvez a duma cidade, a aperceber-se que desejar uma mulher qualquer não é o mesmo que desejar qualquer uma.

A melhor saída para um Amor impossível é procurar um Amor que se desconhece, talvez numa transeunte numa estação qualquer. As portas fecham-se, os comboios partem, e fica-se preso no cais como se os pés fossem as longas raízes duma árvore. Depois fica sempre o vazio a povoar os intermináveis carris e um céu que parece fechar-se. Mas há uma esperança contínua cada vez que outro comboio chega. talvez porque se acredita que o Amor começa sempre numa coincidência e que uma coincidência começa sempre numa pessoa. Numa pessoa qualquer e não em qualquer uma.

Talvez seja assim, andar por aí à espera que um coincidência esbarre connosco.

28 comentários:

Cota disse...

este é o teu melhor texto de sempre, sem hipótese (ou então bebi muito hoje )

Cota disse...

seja como for, vou publica-lo no meu blogue

sophie disse...

Eu quase já não tenho palavras para as tuas palavras...

"A melhor saída para um Amor impossível é procurar um Amor que se desconhece (...) talvez porque se acredita que o amor começa sempre numa coincidência e que uma coincidência começa sempre numa pessoa. Numa pessoa qualquer e não em qualquer uma."

Acho que me respondes muitas vezes sem eu te perguntar nada!
:)

Fatyly disse...

Magnífico e bem real e as tuas metáforas são dignas de serem lidas, guardar e reflectir!

Parabéns uma vez mais!

Desnorteada disse...

Se substituir a palavra mulher pela palavra homem, diria que podia ser eu a escrever este texto. Não assim desta maneira, porque isso só o Bagaço Amarelo sabe fazer :), mas de um jeito meu. Sim, é verdade, também ando «por aí à espera que uma coincidência esbarre» comigo. ;) Parabéns pela escrita!

bagaco amarelo disse...

cota, obrigado. uma laranja, um café e uma água com gás. para a ressaca não há melhor. :)

sophie, ainda bem, porque a mim tenho respondido muito pouco. obrigado. :)

fatyly, obrigado. :)

desnorteada, só eu sei sei escrever como eu, só tu sabes escrever como tu. e é assim, só cada um sabe escrever e pensar como cada um. :)

Cristina disse...

Até podia tentar deixar aqui um comentário sobre o texto, mas primeiro acho que não acrescentava nada ao texto, está para lá de completo, e segundo ficava a sentir-me mal, nada que eu escreva consegue chegar aos pés disto!

Estudante disse...

"Numa pessoa qualquer e não em qualquer uma"


ADOREI!!! Muito bom! :)

maria disse...

Amar e desejar...tudo numa só pessoa, e não numa qualquer :)

Gostei muito!

bagaco amarelo disse...

cristina, isso é o que eu sinto, às vezes, quando leio outras coisas. obrigado . :)

estudante, obrigado. :)

maria, obrigado. :)

memyselfandi disse...

Conheço quem ache que não há coincidências =)No contexto do teu post, acho que a noção 'coincidências' faz todo o sentido. Esperemos, então =)

Ladybird disse...

Estou numa mudança de estação do ano, entre aquela em que ainda sinto a falta de alguém em particular e a outra em que sinto a falta de qualquer um.
Brilhante.
Obrigada

Rana disse...

Lindo!!!
O amor é isso mesmo. É uma pessoa qualquer e não qualquer uma.
Cinco estrelas.

Mikashi disse...

Convém é termos cuidado para não ficar com um galo na testa após termos esbarrado ;) Agora fora a brincadeira...adorei este texto... fantástico como sempre sabes ser! E quero continuar a acreditar nesse comboio...que um dia virá!

bagaco amarelo disse...

memyselfandi, esperemos sim, mas não sentados. :)

ladybird, isso quer dizer, acho eu, que se aproximam bons tempos. :)

rana, obrigado por perceberes. :)

Ladybird disse...

A tentar esbarrar com o meu qualquer um (dificilmente um qualquer) :)

bagaco amarelo disse...

ladybird, é uma fase da qual depois acaba por se ter saudades. :)

bagaco amarelo disse...

mikashi, obrigado. galos, já tenho vários a cantar. :)

Pearl disse...

Não consigo deixar de te ler!!! Muito, mas muito obrigada!
Valem a pena os bons vicios!!!
:o)))***

bagaco amarelo disse...

pearl, obrigado. :)

Anónimo disse...

Amor, esperança, coincidência... trilogia perfeita num texto curto mas que diz TUDOOOOOOO.
O problema a meu ver é quando o amigo que está connosco na estação de comboios a vê-los passar...., nos diz:
É pá o melhor é puxares uma cadeira...
A vida é tramada e passa rápidamente.Isto da espera por sapatos de defunto raramente dá bom resultado. Mas é a vida..
Então só nos resta continuar à espera pelo próximo comboio..quem sabe, o acaso pode acontecer.
Magnifico texto

Reviralho

bagaco amarelo disse...

reviralho, é isso mesmo que quero dizer. obrigado. :)

Uma Rapariga disse...

eu tenho esperança numa coincidência... e vou partilhar no meu blog! Adorei :)

bagaco amarelo disse...

uma rapariga, obrigado. :)

Giuseppe Pietrini disse...

Caraças... ando a pensar nas mesmíssimas cenas...

http://giuseppepietriniapresidente.blogspot.com/2011/02/sao-valentim.html

Abraço
Giuseppe

bagaco amarelo disse...

giuseppe pietrini, :)

Sara disse...

descobri a tua escrita há dias e estou rendida.

gosto muito de te ler.

beijo,
sara

bagaco amarelo disse...

sara, obrigado. isso sabe-me bem... :)