2.21.2009

bonecas no trabalho...



Entre 2004 e 2006 o Instituto Nacional das Mulheres, no México, promoveu uma campanha publicitária com uma sexy doll de boca aberta, vestida de empregada doméstica, sentada a uma secretária ou a trabalhar com uma fotocopiadora, com as frases: "a mulher não é um objecto" e "o assédio sexual é crime". Perto dela há sempre um homem sombra...

O objectivo era denunciar a problemática do assédio sexual às mulheres no local de trabalho. A campanha foi composta por spots de rádio, cartazes e filmes que tiveram uma presença massiva nos media mexicanos.

Uma vez assisti a um caso de assédio sexual numa empresa, só que o assediado era homem. Lembro-me que na altura ele se queixou disso num jantar entre amigos e todos gozaram com ele, como se ser assediado por uma patroa fosse um golpe de sorte que ele não estava a aproveitar. Estava a ver esta campanha, que me é simpática, e a pensar em como os homens nunca se poderão defender duma coisa destas por uma questão cultural...

7 comentários:

Olga disse...

E pela mesma questão cultural os homens que são vítimas de assédio ou violência doméstica preferem esconder.
Culturalmente um homem que é provocado e "não reage" ou que se "deixa" agredir não é "macho".
A juntar a isso há a velha máxima de que "os homens não choram".
A pressão social e cultural dos estereotipos criados é exercida tanto para as mulheres como para os homens.

Anónimo disse...

Vê o filme "disclosure", com a Demi Moore e Michael Douglas.
Tem a ver com isso.
manel

bia disse...

é bem verdade Ivar... muitos homens passam por este género de situações, que normalmente são vistas culturalmente como tendo um alvo feminino... e quem fala no assédio sexual, fala também na violência doméstica, por exemplo

bagaco amarelo disse...

olga, verdade... e até acho que os homens choram mais... :)

manel, por acaso nunca vi. obrigado. :)

bia, pois é... são uma minoria mas não têm defesa nenhuma. :)

Olga disse...

Isso já não sei. :)

snowgaze disse...

fazes-me lembrar uma conversa que tive há uns anos com um senhor que defendia que também havia assédio sexual sobre os homens, e que não era levado a sério e tal e coisa. Tudo para 5-10 minutos depois ser o próprio a ridicularizar a situação. Irónico.

bagaco amarelo disse...

olga, pois... sei eu. :)

snowgaze, também há de certeza, embora menos. e não acho que seja para ridicularizar. :)