10.31.2007

conversa 430

(com uma ex-professora que encontrei na esplanada dum café)

Ela - E o que é que faz agora?
Eu - Trabalho.
Ela - Em quê?
Eu - Várias coisas....
Ela - Ah! muito bem, muito bem. Com que idade é que está?
Eu - Trinta e cinco. Seis, trinta e seis.
Ela - Ah! muito bem, muito bem. Já tem filhos...
Eu - Uma filha.
Ela - Ah! muito bem, muito bem. Então casou-se.
Eu - Mais ou menos.
Ela - Ah! muito bem, muito bem.
Eu (só em pensamento) - Foda-se!

crónicas da cidade que sopra | todos os santos são de carne

Amanhã, por ser quinta-feira, sai mais uma crónica da cidade que sopra no Diário de Aveiro. Esta é a sexagésima nona crónica que escrevo naquele jornal. Um número místico, portanto...

Acumulam-se as horas no relógio da cozinha. Acumula-se a louça por lavar em cima do balcão e, orbitando-a, o cheiro à putrefacção do tempo que passa. Acumula-se o cotão atrás das portas e o pó debaixo do móveis. Numa gaveta qualquer do quarto acumulam-se as contas por pagar e, numa gaveta da sua vida acumulam-se decepções. São gavetas que estão sempre fechadas mas que um dia Eva terá que abrir. Ela sabe disso, e a sua sombra deitada na cama acumula a falta de coragem para o fazer. É como se fosse um satélite sem rumo, sem um planeta principal. No seu porta-moedas
"made in china" acumula-se a fome disfarçada e, na sua casa vazia acumula-se a solidão. Hoje é feriado e não foi trabalhar. Normalmente acumula o tempo na caixa dum supermercado qualquer que acumula em dinheiro o desespero dos outros.

conversa 429

Ela - Gostava de te dar agora um beijo na testa.
Eu - Gostava de te dar agora um beijo no escuro.

10.30.2007

conversa 428

Ela - Preciso de saber uma coisa. Posso fazer-te uma pergunta?
Eu - Podes.
Ela - Quando vais para a cama com uma mulher qualquer, gostas de lhe bater e de lhe chamar nomes? Gostas de alguma violência?
Eu - Não.... mas já apanhei duas mulheres que me pediram para lhes chamar nomes...
Ela - E o que é que fizeste?
Eu - Nada. Nada mesmo. Acabou ali.
Ela - Opá... comecei a andar agora com um gajo. Ainda não é nada sério mas já temos sexo e... nem sei se te conte.
Eu - Conta se quiseres. Só.
Ela - O gajo é porreiro, mas na cama trata-me de puta para baixo. Para além de que parece uma tuneladora, não te sei explicar. Depois disso acalma e é um tipo perfeitamente normal.
Eu - Está bem explicado. Não precisas de te explicar melhor.
Ela - O que é que eu faço?
Eu - Gostas muito dele?
Ela - Mais ou menos. Também não gosto assim tanto.
Eu - Não sei que faças. Vai para casa pensar...

eu cá acho que as melheres estacionarem bal


Li hoje no JN, na página do leitor, que o novo shopping da Sonae em São João da madeira, Oitava Avenida, tem lugares de estacionamento exclusivos, mais espaçosos, para mulheres. O mesmo leitor, chamado Mário Margaride, considera o facto um acto insultuoso e discriminatório para as mulheres e faz duas perguntas:
Será que as mulheres são piores condutoras do que os homens?
Será que necessitam de zonas específicas de estacionamento?
Na minha opinião a resposta à primeira pergunta é Não, a resposta à segunda pergunta é Sim. Tenho a certeza que a Sonae fez um estudo e chegou à conclusão que as mulheres fazem compras mais volumosas. Por isso mesmo é que precisam de lugares de estacionamento mais espaçosos. Se não foi por este motivo, estou mesmo a imaginar a brainstorming de onde saiu esta ideia, e um gestor de fatinho a dizer: eu cá acho que as melheres estacionarem bal, pá, e sermos precisos lugares mais grandes para elas. Depois coça os tomates e cospe para o chão. A empregada que limpe.

10.29.2007

aperto de mão

video

A maneira como um homem aperta a mão a outro quer dizer, segundo o senso comum, muito sobre a sua personalidade. Não sei se isso é verdade, para ser sincero, mas acredito que a maneira como um homem não aperta a mão a outro signifique realmente alguma coisa.
Se o que aconteceu ao Luis Amado neste vídeo me acontecesse a mim, eu nem me importava muito, mas se fosse ao tentar dar dois beijos a uma mulher, acho que ficava deprimido. Estou mesmo a ver... um gajo curvado a olhar para o vazio enquanto ela se desvia para ir beijar outro homem mais importante.

Eu, que não vejo televisão, agradeço ao Nélson pelo vídeo.

mulheres que eu gostava de poder não compreender (60)



nome: Nawal
origem: Ilhas Comoro
info: É provavelmente a voz mais famosa das ilhas Comoro, situadas entre Madagáscar e Moçambique. Na revista Global Rhythm de Outubro vem uma reportagem sobre ela. Nasceu nas ilhas Comoro mas em 1976 (com apenas onze anos) partiu para França, por causa da mudança de regime do seu país cujo poder tinha sido ocupado por um fundamentalista islâmico. Durante toda a sua infância tocou com uma guitarra artesanal feita com fio de pesca, e esta frase publicada na revista é sua: "In 1975 my uncle beat me because I was playing guitar on stage. A woman never did that. Women singing, yes, but a woman that played guitar like a man? They said "sorry, not our family". Costuma dizer que a voz é o músculo da alma e, pelo menos no seu caso, eu concordo. Podem visitar o seu site oficial aqui.

pensamentos catatónicos (106)

Às vezes só acho que a vida devia ser cognitivamente mais simples.

10.28.2007

conversa 427

Ela - És a única pessoa no mundo que come kiwis com a casca.
Eu - Não devo ser. Isso incomoda-te?
Ela - Incomoda. Faz-me impressão.
Eu - Porquê?
Ela - Quem come essa casca é capaz de comer tudo...
Eu - Olha que não...

domingo



Para qualquer divorciado, os fins de semana com os filhos (no meu caso com a filha) são dias melhores. São dias em que nos rimos mais vezes, dizemos mais piadas e fazemos mais pequenas asneiras. Também são dias em que a energia se esgota mais rapidamente. A única coisa que consegui fazer para o nosso almoço foi massa com atum e depois esmaguei-lhe uma banana com sumo de laranja, só para juntar algumas vitaminas aos hidratos de carbono. Tendo em conta que vivo num segundo andar, quando ela me perguntou toda entusiasmada se eu conseguia sair de casa pela varanda, eu só respondi que não. Não, não consigo. Acho que ficou decepcionada.

10.27.2007

conversas 426 / pensamentos catatónicos (105)

As mulheres deviam ser como professoras primárias. Nós punhamos o dedo no ar, fazíamos uma pergunta e ela respondiam como se tivéssemos cinco anos. Mas não... às perguntas mais simples respondem sempre como se estivessem a explicar os fundamentos da mecânica quântica. Exemplo:

Eu - Queres sair comigo amanhã?
Ela - Eu diria que em certas situações a intenção e vontade de fazer alguma coisa não justifica, por si só, a uma obrigação solene. Há manifestamente, no nosso caso, mais para além do querer. Parece-me necessária uma primeira abordagem a certas e pertinentes questões, não é?
Eu - Isso é sim ou não?
Ela - Eu depois telefono-te.

10.26.2007

um dois três, un passito adelante maria...

1] Cortei o cabelo na barbearia Aveirense por seis euros, comprei umas sapatilhas tipo sapato na lefties por 11.95 euros, tomei um café no bar da estação de Aveiro por 0.50 euros. Ao todo, este dia vai em 18.45 euros.

2] Logo à noite há Couscous Prosjekt no Riff bar, e isso é suficiente para eu estar bem disposto.

3] Vi uma mulher bonita, mas daquelas mesmo bonitas. Ia a passar em frente à barbearia, quando entrei, com uma mochila enorme às costas. Depois, em vez de entrar pela porta, fui contra o vidro do estabelecimento primeiro. Está tudo bem: não o parti.

as mulheres vistas por um tuga divorciado

Suecas
As suecas são um mito entre os jovens adultos portugueses. Todos já contaram aos amigos uma história qualquer em que paparam uma sueca e ela teve tanto prazer que acabou por confessar que os suecos, apesar de grandes, têm todos a pila pequena e são maus na cama. Ora bem... o problema é que estas histórias são sempre mentira e, as maiores vítimas, nem sequer são os suecos. São mesmo todas as mulheres loiras com mais de um metro e setenta e dois que, cada vez que passam férias em Portugal, não conseguem andar na rua sem ouvir bocas foleiras de taxistas à espera de clientes, homens com botas texanas em cima duma famel zundap, e adolescentes com óculos escuros maiores que a própria face.
De qualquer maneira quero contar aqui uma cena que tive com uma sueca. Uma vez papei uma e ela gostou tanto que no fim me disse que os suecos têm todos a pila pequena e são maus na cama.

Espanholas
As espanholas têm a vantagem da técnica a que elas próprias deram o nome: a espanholada. Para quem não sabe, a espanholada consiste em roçar os seios no falo do parceiro até ele se vir. Pronto, a espanholada é isso.
Como todos sabem, o único país com que Portugal faz fronteira é a Espanha, ou seja, as espanholas são as estrangeiras mais à mão de qualquer português e, por isso, tornaram-se num fetiche inevitável. Expressões como “olha que eu arranjo uma espanhola” ou “vou ter com a espanhola” são frequentemente usadas nos lares portugueses quando o homem quer chatear um cadito a sua companheira. Foi assim que as espanholas ganharam a fama de mulheres fáceis e boazonas na cama. Ora bem... eu que já trabalhei em Barcelona, vou frequentemente à Galiza e, uma vez, urinei numa parede em Badajoz que afinal não era uma parede mas sim um espanhol bêbado (eu estava totalmente sóbrio), posso confirmar que isto é mentira. As espanholas não são mais fáceis que as portuguesas. Ou então é de mim.

Chinesas
As chinesas são responsáveis por mais um mito urbano: todos os portugueses acreditam que elas têm a vagina perpendicular ao normal. Ora... bem... isto deve-se ao facto, mais uma vez, de todos os homens portugueses contarem aos amigos que já paparam uma chinesa e isso ser mentira. Para sustentar a história contam a descoberta, normalmente enquanto coçam os tomates e bebem uma cerveja, e dizem: - “epá, a gaja tinha a racha ao contrário”. Ora o amigo, que também está com os copos, acredita e conta a mesma história no dia seguinte. A verdade é que eu já trabalhei em Hong-Kong e posso confirmar que as chinesas não têm a vagina na posição que se diz, não porque tenha tido experiências sexuais com alguma (não é que não tenha tentado), mas porque perguntei a uma com quem ganhei confiança: - “Ei, do you have your vagine on horizontal?” - perguntei. “Nor you la hei katsu mintu alaei”, repondeu ela. Eu acho que aquilo quer dizer não, porque ela a seguir abanou a cabeça negativamente e até me deu uma chapada.

Norte-americanas
As norte-americanas também são famosas por gostarem muito de portugueses, e estou a falar das norte-americanas tipo Miami Bitch, ou melhor, beach. Claro que andei a passar fome durante dois anos para ir até lá ver se tirava a barriga de misérias (esta frase tem qualquer coisa de incoerente mas eu não sei bem o que é). Epá, desenganem-se os que acham que as gajas gostam de portugueses. A verdade, nua e crua, é que elas nem sabem que Portugal existe, e mesmo quando um tipo topa isso e começa a dizer que é alemão, a única coisa que ela fazem é abrir muito os olhos e dizer: - “Oh yeah! It's so great. I really love south america”. Pois...

Brasileiras
As brasileiras conseguiram criar em Portugal o famoso movimento “mães de bragança”, um movimento justo que eu apoiei imediatamente, e que defende o seguinte: é melhor um gajo ficar em casa a descascar batatas junto a uma mulher com bigode do que sair e ter sexo com uma miúda de vinte anos que faz, segundo um dos poucos homens que deu a cara na altura, maravilhas com a boca. As “mães de bragança” justificam-se dizendo que as brasileiras estavam a destruir os casamentos. Claro que sim. Apoiado. O meu sonho agora é casar com uma tipa que deixe crescer o bigode e passe as noites comigo a descascar batatas para um alguidar de plástico. Muito bem. Brasileiras boazonas voltem pró Brasil. Nós aqui só queremos mulheres-batata, que isto é um país agrícola. Além disso, o casamento entre uma mulher e um homem que gasta o salário todo em meninas de alterne, é sagrado e deve continuar até à morte.

Mulheres Girafa
As mulheres girafa são aquelas que, em alguns países asiáticos, colocam tantos colares durante o seu crescimento que ficam com um pescoço enorme. Eu admito que já escrevi a umas cinquenta a perguntar se casam comigo, isto porque adorava passar as noites a ir ao cinema com uma tipa assim, eh eh. Estou mesmo a ver o gajo atrás todo lixado... opá, adorava, adorava, adorava. Se alguma mulher girafa ler isto, por favor, contacte-me via email. Eu não tenho dinheiro e não posso pagar mas, em troca dum casamento e de uma ida por semana ao cinema, prometo muito amor e beijos na boca. Quer dizer, beijos na boca não, a não ser que ande sempre com um escadote atrás, mas posso tentar.

Portuguesas
As portuguesas têm fama de difíceis entre os portugueses, e isto tem uma explicação óbvia: é das portuguesas que um gajo leva mais negas. Phónix. Claro que como um tipo não aceita um não muito facilmente, a culpa é sempre delas, que são muito inibidas, conservadoras e mais não sei o quê. Eu acho que tenho uma taxa de sucesso razoável entre as portuguesas, mesmo assim, e consigo levar uma para a cama em cada quinhentas e doze tentativas. Claro que como até agora, durante a minha vida toda, só tentei vinte e seis, ainda me faltam quatrocentas e tal para ir outra vez... cof, cof, cof... acho que o melhor é nem fazer as contas. Vou emigrar, pá, nem que seja para a China, onde elas a têm atravessada. Quero lá saber...

10.25.2007

dia obstinado

Estou a ter um dia... não lhe quero chamar mau porque não é mas... sei lá... chamar-lhe-ia obstinado. Preciso mesmo dum copo logo à noite. Antes ainda vou fazer lulas grelhadas em limão e arroz de alho para o jantar, abrir uma Quinta de Cabriz branco e fumar um cubano na varanda. Depois logo se vê...

o princípio do fim

Até pode ser inevitável haver, ocasionalmente, uma discussão ou outra entre duas pessoas que vivem juntas e maritalmente, mas é sempre bom evitar a agressão com coisas que se vão buscar ao passado. Quando isso acontece o futuro fica compremetido. Acho.

Não sou a pessoa ideal para servir de conselheiro matrimonial entre dois amigos que estão a passar um mau bocado, mas estou sempre disponível para me sentar a beber um copo e ouvir desabafos. De resto, só há duas coisas que me apetece dizer:


1] Acabar uma relação não é o fim de nada. Pelo contrário, pode ser o princípio de tudo. E é melhor ver a coisa assim.
2] Epá... não se bulhem tanto.



filho da puta



Este gajo, Sergi Xavier, de Barcelona, que agrediu uma miúda só por ser sul-americana devia ser enterrado vivo. É a minha opinião.

conversas 425

Ela - Pensaste em mim algumas vezes depois daquela noite?
Eu - Sim, claro que sim.
Ela - Quantas?
Eu - Exactamente seiscentas e vinte e duas.
Ela - A sério?
Eu - Ou isso ou quatrocentas e cinquenta e quatro. Agora não sei bem.
Ela (ri-se) - Estás a gozar...
Eu - Não, não...

conversa 424

Ela - Mulher portuguesa tem a pele tão bilhante. Brasileira não. Eu só queria ter a minha pele assim como as portuguesas.
Eu - Porquê?
Ela - Eu é só espinhas. Ninguém merece.
Eu - Isso não é por seres brasileira, é por teres dezoito anos.
Ela - Não é não.
Eu - É, é. Não te preocupes que isso desaparece.

10.24.2007

mulheres que eu gostava de poder não compreender (59)


nome: Maki Nomiya
origem: Japão
info: Cá em Portugal acho que é principalmente conhecida por ter sido a vocalista dos Pizzicato Five, mas a verdade é que os Pizzicato foram apenas um breve interregno na sua carreira a solo. Está fartinha de produzir música sozinha. Nasceu em 1960, ou seja, tem mais nove aninhos do que eu, o que não é nada numa relação com uma mulher que pinta o cabelo com cores vivas (não me peçam para explicar isto, por favor). Acho que lhe vou escrever um email, sei lá... tipo: ey! Maki, I´me sending you my photo. I love you so much until no more I can (ey! Maki, envio-te a minha foto. Amo-te tanto até não mais poder).

vídeo de apresentação:

crónicas da cidade que sopra | um copo de água

Hoje estou a ter um dia tão complicado que estava a ver que não conseguia escrever a crónica de amanhã, no Diário de Aveiro. Quase nem tive tempo para respirar.

Respirar não é só inspirar e expirar, transformando involuntariamente oxigénio em dióxido de carbono, e cada segundo que passa em nada. Respirar é mais do que isso. É o que vem depois: sentir o gosto e o cheiro do pão quente a cada manhã, deixar que a música do rádio dance secretamente nos nossos lábios, acreditar que a luz do Sol invade a sala porque nos quer acariciar a pele. Pelo menos é esse o pensamento de Sandra, que não se lembra da última vez que respirou, e quem não respira é porque morreu. Sente-se só.

10.23.2007

pensamentos catatónicos (104)

a cultura judaico-cristã, em Portugal, é responsável pelo elevado índice de tristeza existente nas relações amorosas que já não o são de facto.

isto não interessa mesmo nada mas...

...vou ver o Sporting a um café e espero que o Roma não jogue tão bem como o Fátima... eh! eh! eh!

conversa 423

Ela - Estás a abrir uma embalagem de gelado nova.
Eu - Estou.
Ela - Isso quer dizer que comeste a que abrimos no último jantar toda.
Eu - Quer. Eu gosto de gelado.
Ela (ri-se)

coisas boas que fiz nos últimos dois dias

1] corri no parque mucicipal com a minha filha e dei pão aos patos.
2] liguei o meu prato de discos de vinil à minha mesa de mistura.
3] fiquei até às cinco e tal da manhã a conversar no msn.
4] comi gelatina de morango com as mãos.
5] pus música no clandestino bar.
6] temperei postas de pescada com limão, alho, sal e pimenta. Depois mergulhei-as em cebola. Cozi, à parte, camarão com sal e piri piri que depois refuguei na gema dum ovo. Levei tudo ao forno com queijo ralado por cima e fiz um jantar com uma amiga.
7] bebi uma cerveja preta na Costa Nova.
8] adormeci na varanda duma amiga minha, no ombro dela, e ela não me acordou.
9] fiz doce de maçã, ou melhor, estou a fazer neste momento.
10] escolhi o desenho para uma tatuagem no peito que nunca vou chegar a fazer.
11] li e reli toneladas de poemas do vinicius de moraes.
12] arranquei pela raíz um pêlo que me andava a chatear na minha narina esquerda.
13] fiz talassoterapia em casa a ouvir música.
14] comi uma sandes de presunto e bebi uma cerveja sem álcool, sozinho, no meio dum pinhal da vagueira.
15] lambi os dedos das mãos depois de derreter chocolate para cobrir um gelado de noz.
16] cantei sozinho no carro uma música dos Depeche Mode.

coisas que fascinam (63)

Há um prazo de validade para todos as paixões não consumadas, e isso é bom.

cachorro engarrafado

Nunca vi uma boa amizade nascer numa leitaria. O Whisky é o melhor amigo do homem. O Whisky é o cachorro engarrafado.
Vinicius de Moraes

Acho que gostava de ter sido amigo do Vinicius. Não tenho a certeza que o conseguisse ser mas, se conseguisse e ele ainda estivesse vivo, hoje telefonava-lhe para ir beber um copo.

conversa 422

Ela - Pensava que me tinhas dito que gostavas de mim.
Eu - Pensava que me tinhas dito que não gostavas de mim.
Ela - Não foi isso que eu te disse. Exactamente não foi isso que eu te disse.
Eu - Exactamente, exactamente, também não foi isso que eu te disse.
Ela - Pronto, então parece que foi tudo um equívoco da minha parte.
Eu - Não sei... parece mais que foi um equívoco da nossa parte.

10.22.2007

mesa


Esta é a mesa do Couscous prosjekt (hoje à noite no melhor bar do mundo). Tem três canais de input duplos. Dois line in, três phonos e um mic. Faz equalização diferenciada em cada um deles, nas baixas, médias e altas frequências. Todas com kill mode. Ainda tem um mostrador dos níveis de output em dBs e uma mariquice que é uma ligação para uma lanterna. Quem não perceber exactamente o que estou a dizer, não se preocupe que não importante. Quem perceber, fixe, não é importante na mesma. Importante é que esta pequena mesa tem a capacidade de me fazer feliz por alguns momentos.

tempo e tartarugas

A minha filha disse-me hoje ao almoço, quando estávamos a ver as tartarugas do parque municipal, que as tartarugas vivem muito tempo porque andam muito devagar, e precisam de mais tempo para fazer o mesmo que os outros animais. Depois, como quem não quer a coisa, correu atrás dum pato e obrigou-o a fugir para a água. Deixou-me a pensar...

confusão

No dicionário da priberam, confuso quer dizer equivocado; confundido; embaraçado; perplexo; envergonhado; acanhado; obscuro; duvidoso; ambíguo; desordenado; imperfeito; mal distinto, incerto. Não diz o que eu esperava, ou seja: estado de homem divorciado que nunca se deita antes das cinco da manhã. Portanto não sei...

conversa 421

Ela - Estás sempre a ouvir esta música...
Eu - Não. Por acaso, quando aqui vens, está sempre esse cd a tocar mas é coincidência.
Ela - Queres-me convencer que isso é verdade?
Eu - Não, não quero. Porque é que havia de ser importante convencer-te disso?
Ela - Sei lá...
Eu - Pois, também não sei.

chicote

Se não fores capaz de viver em paz contigo, então o melhor é tomares o gosto do chicote.
Halldór Laxness em Gente Independente

A Elisa mandou esta corrente, que diz para pegarem no livro mais perto de vocês (o meu estava na casa de banho), abrirem na página 161, e escolherem a quinta frase. Depois acorrentem mais cinco leitores vossos. Eu acorrento a Fatyly, a patrícia, a sylvia, o chapas e a marciana. Desculpem lá...

10.21.2007

coisas que fascinam (62)

Gosto que me tratem por mor, por acaso gosto...

conversa 420

Ela - Faças o que fizeres eu vou estar sempre aqui. Se precisares.
Eu - Sempre aí, onde? Nessa cadeira?
Ela - Não sejas parvo. (ri-se)
Eu - É que agora fala-se muito de osteoporose. Tens que ter cuidado.
Ela - És mesmo parvo, sabias?
Eu - Sabia. Agora não sei mas dantes sabia.

respostas a perguntas inexistentes (15)


É o último comboio da noite. Na estação, a débil luz dos candeeiros caiu desamparada no chão, onde alguns papéis sujos entram numa ébria dança com o que resta do vento. É engraçado, porque os bancos vazios e danificados lembram-lhe pessoas que não existem. Pergunta se não é estranho lembrar-se de pessoas que não existem. Os bancos não respondem. Os papéis que dançam também não e a luz dos candeeiros também não. Talvez nem a pergunta tenha existido. Não sabe.

10.20.2007

the feeders


O feederism é um fetiche sexual baseado na gordura excessiva do outro. O feeder (normalmente homem) é o dominante na relação, e é quem alimenta o gainer (normalmente mulher) à base de todo o tipo de gorduras. Feeder quer dizer “alimentador” e gainer vem de gain weight (ganhar peso).

Nos Estados Unidos, onde este fetiche é mais comum, as mulheres são normalmente doentes terminais que aceitam morrer satisfazendo o fetiche sexual de alguém. Na fotografia, um frame do filme Feed, um thriller sobre o assunto que vou ver se baixo logo à noite da internet.

A sério que não tenho nada contra as opções sexuais de cada um e chego mesmo a aceitar a aberração que é a teórica abstinência dos padres católicos, mas isto... isto é mesmo uma doença que devia ser tratada. Se bem que uma feeder hoje à noite... tinha era que fazer peixinho grelhado...


conversa 419

Ela - Tu nem sequer percebes o que se passa perto de ti. Bastava estares atento. Só um bocadinho atento.
Eu - Vou beber uma cerveja. Queres uma?
Ela - Ou não percebes ou não queres perceber. Ou não queres ou tens medo. Tens medo?
Eu - Sim, tenho medo. Queres uma cerveja ou não?

relações históricas

Pronto. Assumo que não consigo encontrar a mulher da minha vida. Ou eu não gosto delas, ou elas não gostam de mim. Há sempre um pequeno detalhe que falha. Por isso mesmo, nesta tarde de sábado, revi à mesa dum café os casais amorosos pelos quais nutro grande admiração e simpatia. Por motivos diferentes, mas sempre colocando o amor à frente de tudo o resto, são exemplos daquilo que não eu não consigo atingir com nenhuma mulher: equilíbrio emocional.

Mickey e Minie (livros da Disney quando eu era pequenino)
Aqui está um exemplo do que é um casal moderno. Nunca os vi a viver juntos mas têm uma relação estável. Basicamente, o rato anda na sua vidinha de detective de segunda, e a rata só aparece quando é necessária, seja para um baile ou uma festa particular. Nunca se chateiam nem discutem contas.

Clark Gable e Vivian Leigh (E Tudo o Vento Levou, 1939)
Que dizer mais do beijo mais famoso da História do cinema? Dava o resto da minha vida por cinco minutos assim com a Vivian... bem, ela só tinha era que trocar de nome. Não me estou a ver a dizer: “Vivinha querida, anda cá meu amor”.

Dr. António Oliveira Salazar / Cardeal Cerejeira (há uns tempitos cá em Portugal)
A única relação homossexual com o consentimento dum alto membro da igreja católica. Bonito!

10.19.2007

pensamentos catatónicos (103)

Não fosse ontem à noite ter acabado por sair com uma amiga e tinha acabado dia, como se costuma dizer em bom português, na merda total.
Quando se vai a casa duma gaja que mal se conhece e ela tem as luzes apagadas, não sei quantas velas acesas na sala e um incenso não sei de quê a fumegar... é de desconfiar que ela está um cadinho desequilibrada. Depois dizem que são os homens que têm muita pressa. Foda-se! (só em pensamento)

conversa 418

(via msn, com estes erros e tudo, com mais uma russa)

Ela - Do u waana make a sex clip with me?
Eu - What?
Ela - U!!!! try your new webcam to maxe virtual sex with me. Is love in the net!!!!!!
Eu - You are fucking crazy. bye

o nome da rua

É a terceira ou quarta vez que tenho problemas com entregas de encomendas via DHL ou UPS, isto porque, em cinco anos, a Câmara Municipal de Aveiro ainda não se lembrou de colocar uma tabuleta na minha rua com o nome.
Esta câmara é assim: os aveirenses que vivem fora da zona central e, portanto turística, são cidadãos de segunda. Os passeios quase não existem, as zonas relvadas quase não são tratadas, os transportes públicos são cada vez menos, etc, etc.
Felizmente que os tipos da UPS são mais competentes que os da DHL e, quando não dão com uma morada, telefonam ao cliente. Na DHL é diferente e é o cliente que tem que adivinhar que eles já devem ter a encomenda lá num canto qualquer do armazém.
Felizmente também, há pessoas muito prestáveis e simpáticas, e o senhor da UPS deixou a encomenda [vinda da Alemanha e, portanto, com um custo considerável] numa pastelaria do bairro do liceu onde costumo tomar café. Depois fui lá buscá-la. Obrigado, portanto, ao pessoal da Fanepão 88, pastelaria que é... assim... bonita. :)

10.18.2007

Brigitte Bardot

Na Arábia Saudita um homem divorciou-se da sua mulher, depois de a ter apanhado em flagrante a assistir a um programa de televisão apresentado por um homem. As rigorosas leis islâmicas dizem que é estritamente proibido que uma mulher casada fique sozinha com outro homem. Mesmo que esse homem esteja na televisão, e a vários quilómetros de distância. A notícia está aqui.
Eu cá compreendo o homem. A gaja passou-se totalmente. Que é isto? a ver programas de televisão apresentados por homens? Hum... hum... hum... não pode ser. Tou mesmo a imaginar o gajo do outro lado do ecrã a espumar-se de desejo enquanto ambos trocavam olhares e, quem sabe, algumas carícias.
Aqui em casa, por exemplo, ando a ver se arranjo dinheiro para comprar um LCD daqueles maiorzinhos e alguns dvds antigos com a Brigitte Bardot. Sempre tive um fetiche pela mulher e é uma oportunidade de me envolver intimamente com ela. Só que eu, claro, sou divorciado e não devo fidelidade a ninguém. Se algum dia arranjo uma namorada ponho os dvds no lixo e passo a ver só o Engº Sousa Veloso no TV Rural.

quatro coisitas sem importância...

1] Gosto das pessoas que me fazem bem só por existirem. Não é que sejam melhores do que as outras mas para mim, de facto, até são. Das pessoas que me fazem bem só por existirem constam familiares, amigos e amigas pessoais, pen friends e também pessoas anónimas. Hoje, no café da estação de Aveiro, uma mulher que não conheço de lado nenhum fez-me bem só por existir, e agradeço-lhe.

2] A entrevista com o Couscous, publicada hoje no Clip, já pode ser lida no brelogue oficial.

3] Parei num café/restaurante da rua 19, em Espinho, e comi uma tosta mista ao balcão. Quando ia a pagar a empregada deixou cair uma moeda de um euro em cima dum pastel de nata. Foi lá buscá-la com os dedos, depois alisou a nata com outro dedo e, depois ainda, chupou-os. Deu-me o troco e eu fui embora caladinho. Fiquei sem palavras.

4] Decidi que não vou sair hoje. Estava para ir a Braga ou a Leiria mas apetece-me ir para casa cozinhar e comer sozinho. Depois, lá pró fim da noite, talvez saia. Vou passar no supermercado e comprar legumes e queijo ralado para fazer com tortellinni fresco de espinafres.

conversa 417

Ela - Gostas dos meus sapatos?
Eu - Hum...
Ela - Não gostas?
Eu - Estão cheios de buracos que parecem feitos de propósito...
Ela - São mesmo assim. Nunca ouviste falar nos Crocs?
Eu - Não. Como é que se escreve?
Ela - C -R-O-C-S
Eu - E Crocs são sapatos com buracos?
Ela - É a marca.
Eu - Ah! São girooooossss...

10.17.2007

crónicas da cidade que sopra | cheios de nada

Amanhã, no Diário de Aveiro, mais uma crónica da cidade que sopra.

Cheia de nada. Conduz um táxi que já conhece de cor as ruas da cidade que sopra e, neste fim de tarde, coxeia sinuoso pelo frio lençol de sombra que já cobriu os edifícios mais altos. Os passageiros são como balões, pensa. Enchem o veículo de calor mas depois, quando abrem a porta e saem, levam-no com eles, esvaziando-o. É um silêncio incómodo que povoa agora o carro.

Lembro que, na mesma edição mas no suplemento Clip, há uma nota sobre os Couscous Prosjekt.

conversa 416

Ela - Sabes o que é mais invejo em ti? Tens uma capacidade enorme de te apaixonar. Apaixonas-te todos os dias por alguém...
Eu - Pois, mas isso é um pau de dois bicos. Também me desapaixono com alguma facilidade, não é?
Ela - Já te desapaixonaste pela tal XXXXXX?
Eu - Não. Ela é que não me grama...

conversa 415

Ela - Dirias que as mulheres são o mais importante da tua vida?
Eu - Sim... diria.
Ela - Porque é que achas que pessoas que se amam tanto não conseguem manter uma relação?
Eu - Não sei. Se eu soubesse...
Ela - Desculpa. Hoje estou deprimida.
Eu - Não te preocupes, às vezes também estou mais triste. Mas isso é só tristeza , não é depressão.
Ela - Pois...
Eu - Talvez às vezes as pessoas que gostam uma da outra já não sejam capazes de o demonstrar. Por isso é que as coisas acabam.
Ela - Talvez...

conversa 414

Ela - Eu sempre soube que um dia tu e a Teresa se iam divorciar.
Eu - Mas, quando eu te conheci já estava divorciado. E a minha ex-mulher não se chama Teresa.
Ela - Não?
Eu - Não. Devias deixar de fumar essa merda só para te armares em miúda. Anda a fazer-te mal.
Ela - Pois anda, pá.

conversa 413

Ela - Tu disseste que a idade não era um problema para ti.
Eu - Eu disse-te isso numa conversa em que se discutia a eventualidade de eu me apaixonar por uma mulher com mais trinta anos do que eu...
Ela - Eu só tenho mais vinte e até estou bem conservada, não estou?
Eu - Estás. Eu é que não estou apaixonado por ti.

distâncias

8507,12 é o número de quilómetros que distancia a minha casa de outra, onde vive uma mulher com quem já dispendi mais tempo no msn numa semana do que com todos os outros contactos num ano inteiro. Oito mil quinhentos e sete quilómetros e cento e vinte metros.

10830,38 é o número de quilómetros que distancia a minha casa da casa duma mulher que já não vejo há oito anos e que, provavelmente, nunca mais vou ver mas até gostava. Dez mil oitocentos e trinta quilómetros e trezentos e oitenta metros.

3 é o número de quilómetros que distancia a minha casa de outra, onde vive uma mulher que gosto mais do que o normal. Três quilómetros.

2,36 é o número de quilómetros que distancia a minha casa de outra, onde vive outra mulher que gosto mais do que o normal. Dois quilómetros e trezentos e sessenta metros

1767,98 é o número de quilómetros que distancia a minha casa de outra, onde vive uma mulher que me pediu em casamento o ano passado e que eu não aceitei. Mil setecentos e sessenta e sete quilómetros e novecentos e oitenta metros.

10.16.2007

couscous

O Clip, suplemento semanal e cultural do Diário de Aveiro, vai publicar esta quinta-feira uma pequena entrevista com o Couscous Prosjekt.

pensamentos catatónicos (102)

Telefonou-me porque precisava muito de falar comigo, disse ela. Arranjo um bocadinho para falar contigo depois de deixar a minha filha na escola, respondi-lhe. E arranjei. Sentei-me na esplanada à espera dela e fui bebendo uma cerveja. Ela sentou-se a falar ao telemóvel, continuou quinze minutos a falar ao telemóvel. Depois desligou e disse-me que estava com pressa para ir trabalhar. Deu-me dois beijos, pagou a conta e foi-se embora. Não cheguei a perceber porque é que precisava muito de falar comigo.

10.15.2007

o teu pai

eu cá não sou supersticioso mas o teu pai dá-me azar. eu cá não vou, pode ser perigoso, porque o teu pai dá-me azar.

tamanho

Há uns dias estava a tomar café e peguei numa revista que estava em cima do balcão. Li uma carta dum tipo que dizia ter um corpo musculado e atraente mas que se sentia constrangido por texo o órgão sexual muito pequeno. O texto dele, dirigido a um suposto sexólogo, acabava assim: será o tamanho do pénis tão importante assim?
Eu não sou sexólogo mas respondo facilmente a essa pergunta. Claro que sim, que é. Pelo menos em Portugal, onde fazemos as maiores igrejas do mundo, os maiores estádios do mundo, as maiores árvores de Natal do mundo, as maiores pontes do mundo e os maiores bolos rei do mundo. Continuando a analogia até lhe diria mais: em Portugal é melhor um pénis grande impotente do que um pequeno a funcionar na sua plenitude. Tás tramado, pá.

10.14.2007

conversa 412

(por telefone)

Eu - Só te estou a telefonar agora porque fui à margem sul almoçar...
Ela - Podias ter dito.
Eu - Eu disse-te que te telefonava no domingo para tomarmos um café. Ainda é domingo e estou telefonar. Só cheguei agora.
Ela - Mas agora é tarde.
Eu - São nove da noite. Ainda é cedo...
Ela - Nem toda a gente tem a tua vida. Eu já não vou sair.
Eu - Pronto. Tchau então...
Ela - Tchau...

memória de baleia 01



árvore com raiz milenar e folhagem nova.
almada, 14 de outubro de 2007.

10.13.2007

avelãs

Tenho uma coisa muito importante a dizer a todos os leitores deste blogue: Depois duma sexta feira de copos no Clandestino e na Axé Moi, quando chegarem a casa não se ponham a comer avelãs. Provoca mal estar.

10.12.2007

fiquem bem

Hoje, estava a sentar-me na secretária pela primeira vez, e recebi um telefonema com que não contava. Agora estou assim um cadito feliz. Mas só um cadito... fiquem bem!

Lisboa Beijing

Um amigo meu vai fazer uma viagem entre Lisboa e Beijing (vulgo Pequim), capital da China, numa scooter. Durante a viagem vai fazer um extenso trabalho fotográfico a ser publicado nas revistas Scooting Magazine e Motojornal. É louco, sim, mas há loucuras com que eu simpatizo. Boa sorte, Mário.

conversa 411

Ela - Pai, patologias são doenças nos patos?
Eu - Não, filha, mas é quase isso...
Ela - O que é?
Eu - Uma patologia é sempre sobre uma doença mas não tem que ser num pato. Pode ser num animal qualquer. Até num homem.
Ela - E numa mulher?
Eu - Também...

conversa 410

Ela - Não vamos morrer sem dar uma queca, pois não?
Eu - Não. Pelo menos eu já dei. Com trinta e quatro anos também já deves ter dado...
Ela - Parvo. Um com o outro, estou eu a dizer.
Eu - Acaba de comer o croissant.
Ela - E? Agora não vai dar, tenho que ir prá escola.
Eu - Eu também tenho que ir trabalhar. acaba o croissant por causa disso. Temos que ir embora.

no comments

Um escritor e poeta mexicano, José Luís Calva de seu nome, foi surpreendido pela Polícia no seu próprio domicílio quando cozinhava em lume brando o braço regado com limão da sua namorada...

10.11.2007

conversa 409

[por sms]

Ela - Gostava que a nossa relação fosse como as bochechas do rabo. Nenhuma merda as separa.
Eu - Não sei se quero uma relação inseparável com merda no meio.

fotos de mulheres não nuas

O Google é o motor de busca mais utilizado em todo o mundo. Das pessoas que chegam a este blog através duma pesquisa na internet, cerca de 92% vêm através através do google, seguindo-se por esta ordem, o msn, o yahoo e o altavista. Este mês já aqui vieram dar as seguintes pesquisas.

como beijar uma mulher
depende da mulher, digo eu. Se ela tiver 190 cm e tu 150 cm, por exemplo, vais precisar dum banco ou de a levar para uma posição horizontal. No caso inverso podes é ter que te curvar um cadito. A posição horizontal dá sempre...

fotos de mulheres nao nuas
suponho que com "não nuas" querias dizer vestidas, o que facilita muito a coisa. Basta saíres à rua e tirar umas fotos. Normalmente elas andam vestidas na rua. Aconselho uma máquina digital para não gastares muito dinheiro na revelação.

frases para frigorificos
Eu tenho uma fantástica: "Ei, frigorífico, you are the love of my life"

mulheres bem bonita
mulheres bem bonita não está aqui não. Para encontrá mulheres bem bonita tem qui sê onde não si compriende os home...

sou gay e quero namorado zona de espinho e ovar
ora bem... hum... estou mesmo a ver este gajo a ter uma conversa com outro tipo, também gay, e a dizer: "eu gosto de ti, pá, mas tu és de Estarreja. Se fosses de Espinho ou de Ovar é que era". Meu Deus... eu, como heterossexual, também só procuro mulheres na zona de Aveiro e Murtosa. Ainda ontem falei com uma bem fixe. Apaixonei-me e tudo, mas ela é de Ílhavo... estragou tudo.

conversa 408

Ela - Tens os atacadores desapertados.
Eu - Ah! Obrigado.
Ela - Cheguei a pensar em não te dizer nada para ver se caías.
Eu (só em pensamento) - Foda-se!

respostas a perguntas inexistentes (14)


Depois de se vir esticou dois dedos da mão direita, o indicador e o do meio, e caminhou com eles sobre a extensão branca da pele dela, desde um dos pés até um dos seios. Ela não se mexeu. Acreditou que para aqueles dedos o movimento do seu corpo seria um terramoto mortal. Ficou a olhar para os desenhos em relevo do tecto e segredou a si mesma que eram bonitos.

Eram os últimos minutos dum encontro casual, e ainda nenhum deles sabia se iam voltar a encontrar-se.

10.10.2007

crónicas da cidade que sopra | chá quente no deserto

Amanhã, no Diário de Aveiro, mais uma crónica da cidade que sopra.

A luz deve estar cansada. Entrou pelos vidros das janelas e, discretamente, deitou-se no chão fresco da sala. Talvez até tenha adormecido, pensa Sandra enquanto folheia a ausência dum jornal com quatro dias. As notícias vão passando como se fossem cadáveres a enterrar, e era tão bom, às vezes, que pudesse ser assim: apagar simplesmente um dia ou dois das nossas vidas como se eles não tivessem nunca existido. Mais tarde até nos podíamos lembrar deles, levar-lhes flores ao cemitério construído numa rua secundária da cidade que é a nossa memória. Mas não é assim.

conversa 407

Eu - Então, vamos almoçar?
Ela - Sim. Meio dia e meia...
Eu - Onde?
Ela - Diz tu.
Eu - Diz tu.
Ela - Diz tu. Para mim é igual.
Eu - Nos bicos?
Ela - Aí não. Já fomos da última vez.
Eu - No das pizzas?
Ela - Aí não. Tem pouca luz.
Eu - No da beira-mar?
Ela - Aí não. Tem um cheiro muito intenso.
Eu - Então escolhe tu.
Ela - Escolhe tu. Para mim é igual.

russa

Tenho andado a trocar emails com uma mulher russa. É muito bonita, ela, e sabe disso. Para além de ser bonita está obcecada por arranjar um gajo qualquer ocidental. Qualquer mesmo. Tão obcecada que abdicou de si mesma para o conseguir. É deprimente uma mulher achar que vai convencer um homem, que vive a milhares de quilómetros dela, a casar por causa de três ou quatro fotografias acompanhadas de palavras elogiosas e uma história triste. Mas mais deprimente, por uns instantes, é um gajo aperceber-se que há sítios para viver que devem ser bem piores que este...

10.09.2007

eyl male rakhamim

Há mais uma música no meu blog de música. Ora bem... se o blog é de música, haver mais uma música é natural, apesar de redundante. Por isso aproveito este espaço lúdico para dizer à mulher de camisola verde alface, que hoje estava a tomar o pequeno-almoço às onze da manhã no café Bom Gosto, que é giiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiira. Pronto.

conversa 406

[por email, com os gajos do site de leilões miau.pt, depois de eu ter dito ao vendedor de uma mesa de dj o seguinte: "por mais de 60 euros não me interessa, porque tenho no musicstore.de uma doutra marca por 55"]

Eles - Na sequência da reincidência da violação das Condições de Serviços, vimos informar que procedemos à suspensão da conta.
Lembramos que:
- de acordo com o ponto 5.2 das Condições de Serviço do miau.pt não é permitido a colocação de contactos, tais como email, telefone, morada e URL's, publicidade ou informação para tentativa de fuga à comissão de venda.
- de acordo com o ponto 5.1 g) das Condições de Serviço do miau.pt não é permitido o envio de mensagens com propostas de troca.

Eu - Não estou a perceber. Eu não pus contacto nenhum nem fiz publicidade, nem sequer propus troca nenhuma a ninguém. Mas está bem, façam lá o que vos apetecer. Vou para o Ebay.
Palhaçada Vossa... lol
Fiquem bem.

conversa 405

Ela - Posso espreitar no teu frigorífico?
Eu - Podes... mas porquê?
Ela - Olhando para o frigorífico dum homem vê-se logo que tipo de homem é...
Eu - Ah! Explicas-me isso melhor?
Ela - Não.
Eu - E que tipo de homem sou, eu?
Ela - Não sei. Confundiste-me.

temos mulher...

Isto sim, é uma mulher com m grande. Passo a transcrever integralmente a notícia que vem na última página do JN de hoje. E é da minha terra...

menor sem carta agrediu guardas

Uma menor, com 14 anos, foi detida no último fim-de-semana a conduzir um veículo automóvel na Av. dos Bacalhoeiros, na Gafanha da Nazaré, Ílhavo. Para além da falta de habilitação legal, a rapariga estava sob o efeito do álcool (0,96 g/l). Para além disso, ainda injuriou e agrediu ao pontapé os guardas, depois de ter recusado identificar-se. Foi conduzida ao Posto da Gafanha da Nazaré para identificação, tendo posteriormente sido entregue aos pais. Segundo o JN apurou, a rapariga guiava um Audi 4 do homem (proprietário do carro) que a acompanhava. Os dois, ao verem a GNR, tentaram trocar de lugar, mas sem resultado. O caso motivou a abertura de um inquérito que transitou para o Ministério Público do Tribunal Judicial de Ílhavo. JP C

10.08.2007

as ovelhas correm mais que o pastor?


A palavra extremista usa-se actualmente por tudo e por nada. Quando se quer denegrir a imagem de alguém é melhor chamar-lhe extremista do que outra coisa qualquer.
Ontem, o partido de extrema direita suiço, União Democrática do Centro (UDC), organizou uma concentração em Berna. A essa concentração opuseram-se cerca de 500 manifestantes, num confronto que culminou com carga policial sobre estes. Apenas estes e a pedido dos primeiros.
A UDC tem, na sua página oficial, presente a imagem dum cartaz que colocou nas ruas, e onde uma ovelha branca expulsa com um coice uma ovelha negra. A imagem é interessante porque, para além de sugerir claramente ódio racial, implica também a assunção de que para ser racista é preciso ter a postura intelectual própria duma ovelha, ou seja, alinhar com tudo o que o pastor diz mesmo que se corra menos do que ele. Não acredito muito em lã virgem vinda daquele país.
O que mais me intriga, no entanto, na notícia do JN de hoje, não é este lado ovino da questão, mas sim o facto de se chamar extremista a alguém que se opõe a uma manifestação dum partido destes. Acabei de descobrir que também sou extremista então, porque nunca aceitaria de braços cruzados que gajos destes se manifestassem nas ruas da minha cidade.
Pode haver muitos motivos para se ser racista ou homofóbico, como a ignorância ou a psicopatia, mas também há um denominador comum entre todos eles: a burrice. A Suíça tem um índice de burros muito acima da média...

não compreendo o Durão Barroso



Tiraram este vídeo da net mas eu fiz o upload de novo. Considero-o importante para a História recente de Portugal e, também, para o Movimento Nacional de Chernes Mutantes.

I kiss you


Lembram-se do Mahir? um tipo turco que ficou famoso por fazer um site na net totalmente naif?
Pois é... aqui está ele nesta foto. Vou fazer um site igual...

conversa 404

Ela - Tiras a mão do meu rabo?
Eu - Não consigo a não ser que te levantes. Talvez tenhas que ser tu a tirar o rabo da minha mão.
Ela - Tás a dizer que eu tenho o rabo grande?
Eu - Nãaaaaaaaaaaaaaaao...

aeroporto

É como se pilotasse um avião com problemas num dos motores. Senhor passageiro, aperte o cinto e encoste-se à cadeira. Se acreditar num qualquer credo religioso, reze também. Boa sorte. Boa sorte, repito para mim. Depois a cama aproxima-se, o corpo sofre o impacto dessa espécie de pista, a cabeça aninha-se numa almofada fria e adormeço.
A noite de hoje foi só isso: mais um voo forçado na constante eminência de cair. E adormeço. Não rezei durante a queda mas acho que te disse adeus. Nem sei porquê.

10.07.2007

cinco e doze

1] A vontade de termos ou não uma relação séria com uma mulher varia consoante a hora do dia. É por isso mesmo que nunca se devemos assumir nada à noite, altura em que acreditamos mais facilmente que a nossa felicidade depende daquela mulher. Se de manhã ainda acreditarmos nisso, então é porque vale a pena.

2] Uma russa com quem nunca falei pessoalmente anda a mandar-me emails onde declara que quer casar comigo. Acha que eu sou o homem da vida dela, não sei porquê. Mandou-me uma fotografias. É muito bonita mesmo. É comparável à Nicole Kidman mas, na minha opinião, mais bonita. Admito que, apesar de não a conhecer de lado nenhum, a não ser de falar com ela na internet, hesitei por dois segundos.

3] A pior coisa que uma mulher me pode fazer quando a faço sentir que gosto dela, é responder-me que nim.

4] O que é uma relação séria? Acho que sei mas não consigo dizer.

5] A segunda pior coisa que uma mulher me pode fazer quando a faço sentir que gosto dela, é não me responder.

6] Estava a conduzir. Ela ia sentada ao meu lado direito. Depois fez-se silêncio.

7] Estava a conduzir sozinho. Depois falei com ela.

8] Um carro ultrapassou-me e acendeu os máximos, talvez por eu conduzir muito devagar. Não lhe consegui explicar que ia a falar sozinho.

9] Perdi o fio condutor da conversa. Ainda bem que, de facto, ela não estava lá.

10] Ri-me por ter hesitado relativamente à russa. Ela é mesmo bonita mas ser bonita não chega. Nem sequer é o mais importante. Como é que eu fui hesitar, ainda que por dois segundos?
Tornei a rir. Mesmo assim...

11] Quando chegar a manhã tenho a certeza que ainda vou querer ter uma relação séria com uma mulher que não é russa. Isso é uma merda. Mas também é outra coisa que não é uma merda.

12] O que é uma relação séria? A russa é tão linda.

13] Preciso dormir. Já passa das cinco.

10.05.2007

madness ou seven

1] Não gosto muito dos cortinados da minha sala. Aliás, detesto-os. Estava agora a olhar para eles e lembrei-me que, há uns dois três anos atrás, quando a minha ex-companheira chegou com eles a casa, lhe disse que os achava giros. Estava a mentir e pendurei-os. É uma mentira que pode acabar agora. Quero uns mangenta.

2] Vou ali ao café da esquina que deve lá estar a empregada mais giraça da freguesia de Esgueira.

3] Vou registar o totoloto, euromilhões e afins. É uma asneira que faço todas as semanas: pôr umas cruzinhas nuns boletins estúpidos e gastar pouco mais de cinco euros naquilo...

4] Quando voltar vou queimar incenso. Tenho ali um que me ofereceram e que é dos poucos que consigo cheirar. Sou parcialmente anósmico e acho que é por isso que gosto de incenso. Parece uma contradição mas não é.

5] Sobre a crónica de ontem no Diário de Aveiro, recebi hoje duas mensagens no telemóvel e cinco emails. Quero agradecer a todos os que me conseguem ler e, à sua maneira, compreendem aquilo que eu escrevo à minha. São importantes para mim e nem imaginam quanto.

6] Hoje vou a Águeda passar música durante o gestO Orelhudo. Estou feliz por isso.

7] Vi o 1900, um filme de cinco horas do Bernardo Bertolucci com o Robert de Niro e o Gerard Depardieu. Há muito tempo que eu não gostava tanto de ver um filme...

conversa 403

Ele - Emagreceste tanto. Como é que conseguiste? Também quero.
Eu - Divorcia-te. É a maneira mais fácil.

amizade duradoura

Este anúncio foi publicado ontem no Correio da manhã. Basicamente, é uma brasileira recém chegada a Portugal que quer construir amizades sérias e duradouras. Só para fugir da monotonia, diz ela. Por mim tudo, bem, está no seu direito, mas amizades sérias e duradouras com mulheres que têm um telefone com um custo de um euro por minuto, eu cá não quero. Aliás, será que é por causa dum gajo pagar 1 euro por minuto que ela quer que as amizades sejam duradouras? Hum... hum... não deve ser... isto sou eu sempre a desconfiar das boas intenções dos outros.

10.04.2007

el ritmo caliente

Aquilo a que Camões chamou, e muito bem, um contentamento descontente, é uma merdice. Pelo menos às vezes. Hoje apetece-me sair e beber doze finos seguidos e depois sentar-me na porta dum centro comercial fechado. Bem, pelo sim pelo não vou só beber um ou dois e depois vou mas é prá caminha. Mesmo assim o índice ivariano desce para 10. Pronto.

Agora, só para não parecer que sou um divorciado deprimido a comer chocolate Toblerone em casa, vejam este vídeo maravilhoso duma versão dos Coldplay tocada pelo que os latinoamericanos costumam chamar de el ritmo caliente de Cuba.



conversa 402

Eu - Mas eu sou social democrata... sou mesmo.
Ela (ri-se) - Tás sempre a dizer mal deles.
Eu - Mal de quem? dos gajos do PSD?
Ela - Sim.
Eu - Eles não são sociais democratas. Eu sou, eles não. Só se apropriaram do nome. Aliás, foi o Sá Carneiro que se apropriou do nome antes que o Mário Soares o fizesse primeiro no Partido Socialista. Isto quando ser social democarata estava na moda.
Ela - Eu é que sou social democrata. Tenho cartão e tudo.
Eu - Ser social democrata é acreditar que a passagem para um sistema socialista se pode fazer democraticamente e não com revoluções armadas. É só isso.
Ela - Não sei se é.
Eu (só em pensamento) - Foda-se!

opçãos

1] Tenho muitas canecas de pequeno almoço. Canecas com joaninhas, com bolinhas, com desenhos diversos, com o símbolo do Beira-Mar, etc. Hoje de manhã, para beber leite com chocolate em pó, escolhi a caneca que tem joaninhas. Às vezes, quando se vive sozinho, estas opções desinteressadas são importantes.

2] Vou daqui a bocado conduzir durante uma hora, mais coisa menos coisa. Já escolhi o meu cd da Marlene Dietrich para ouvir no carro. O cd que se escolhe para ouvir no carro é sempre importante.

3] Tinha três camisolas penduradas na porta do quarto, esta manhã: uma cinzenta, uma às riscas azuis e castanhas, outra cor de vinho. Escolhi a das riscas. Não foi uma opção importante.

p.s.: de repente lembrei-me que, quando era puto, dizia opçãos em vez de opções. Optei por pôr isto aqui agora mesmo.

conversa 401

Ela - Não me deixes chatear-me contigo.
Eu - E como é que faço isso?
Ela - Não me digas essas coisas.
Eu - Não sei se consigo não dizer o que penso.
Ela - Tenta.
Eu - Não vamos estragar o almoço por causa disto, pois não?
Ela - Já está estragado.
Eu - Queres que eu me vá embora?
Ela - Não. Fica.

10.03.2007

anda-se à noite

Anda-se à noite. Por aí, como explorador sem bússola, até a luz duma estrela qualquer nos indicar um caminho. Não era uma estrela, pensa-se. Era só a lâmpada da entrada dum bar. Não faz mal. É giro uma lâmpada de 60 watts ser mais importante que uma estrela qualquer. É giro. Deixa-se a solidão à entrada, talvez na lata ferrugenta onde se gurdam os guarda-chuvas molhados, talvez escondida debaixo do tapete que diz welcome, talvez atrás dos espelho da casa de banho. Welcome. Como é que uma palavra destas está ali tão quieta? Palavras destas deviam voar e andar por aí à solta. Deviam andar por aí à noite como exploradores sem bússola, até a luz do bar onde estou sentado ao balcão lhes indicar o caminho.
Anda-se à noite. Plastificam-se sorrisos na cara quando se encontra um conhecido. Esculpem-se à força se for preciso. Olá então, tudo bem? Está tudo. Boa noite para ti. Bebes um copo? Fala-se de coisas que não interessam nada, a não ser precisamente para serem faladas. É para isso que servem as coisas, para serem faladas por pessoas que entram em bares à noite. Que o Porto ganhou e o benfica perdeu, que se respeito mais as religiões orientais que as ocidentais, que o Bloco de Esquerda parece ter políticos sérios, que a língua azul não é transmissível aos animais, que o Tortellinni de queijo do Mini-preço é bom e barato, que a música africana é surpreendente. Mas os sorrisos não deviam ser esculpidos à força. Deviam nascer pedra e não serem feitos a partir dela.
Anda-se à noite. Cinco minutos antes do bar fechar. Se queremos mais uma cerveja, perguntam-nos do outro lado do balcão. Que sim. É sempre que sim. São mais cinco minutos em que a solidão se esconde num canto qualquer, como um cão ferido à espera de carícias. São mais cinco minutos a falar de coisas que só servem para serem faladas. E, no entanto, é tão bom.

conversa 400

Eu - Estás de carro?
Ela – Sim.
Eu – Vamos um bocado à praia?
Ela – Está a chover.
Eu – Mas apetece-me.
Ela – A mim não. Vai tu.

conversa 399

Ela – O que tu me acabas de dizer é uma surpresa para mim.
Eu – Porquê?
Ela – Não sabia que os homens também ficavam mal dispostos quando acordam de manhã ao lado da pessoa errada.
Eu – Não sabias?
Ela – Não.
Eu – Pronto, mas não era difícil calcular que é assim.
Ela – Pensava que os homens pensavam só na parte sexual.
Eu – Se tivesses menos quinze anos ainda aceitava isso. Assim... admito que estou desiludido.

crónicas da cidade que sopra | Eva e os outros

Amanhã, por ser quinta-feira, no Diário de Aveiro.

Se fosse uma estátua não havia diferença nenhuma. Sentado à mesa do café, um homem idoso esconde-se na sua quietude. Tal como a chávena de chá vazia ao seu lado, sente que a sua vida já arrefeceu, e ensambla-a perfeitamente nestes primeiros dias outonais em que alguma coisa parece estar a chegar ao fim. Sabe que os outros olham para ele pelo canto do olho, com pena. Por isso é que é melhor que o façam como se observassem uma estátua em vez dum ser vivo qualquer. Não sabe bem porquê mas prefere assim. Acha que os outros também.

só para dizer que...

...que escrevi o meu primeiro post no Bagaço Amarelo.

couscous orelhudos

O couscous prosjekt vai, na próxima sexta-feira à noite, fazer um pequeno set nO gestO Orelhudo, em Águeda. Ainda não é certo que estejam os dois dj's, por causa de ter sido uma marcação em cima da hora, mas pelo menos um vai estar. Aliás, um teria sempre que estar, não é? Porque imaginem que não estava nenhum, então não se passava nada. Cá para mim tenho o esperto na cabeça.
Aproveito ainda para dizer que estamos abertos a propostas para bares, discotecas, aniversários do Michael Jackson e festejos relacionados com a Nossa Senhora de Ourém, aliás, de Fátima. Hum... por falar nisso, não acham que a frase "ir à Fátima de joelhos" é uma cena demasiado porno para uma cena cristã?

10.02.2007

espécie de poema sobre sapos

A lua dança na superície do lago onde uma princesa beija sapos coaxantes, à espera que um se transforme em príncipe.
E beija, beija, beija, beija...
A lua espreita pela janela da casa da bruxa a quem ele pede que o transforme num sapo.
E pede, pede, pede, pede...
A princesa não percebe porque é que os sapos fazem fila para os beijos, se nenhum deles é princípe.
Ele não percebe porque é que a bruxa não o transforma em sapo.
A lua sabe que os sapos amam a princesa e que a bruxa o ama a ele.
E sabe, sabe, sabe, sabe...

lista das coisas boas que já me aconteceram hoje

1] Almocei com a minha filha, ela deu-me um abraço, e tirei-lhe fotografias.
2] Tomei café com a minha ex-companheira e ela deu-me a mão.
3] Ouvi o Entre copa y copa..., da Lila Downs, sem fazer mais nada. E é tão raro ouvir música , sem estar a cozinhar ou a conduzir, ou a fazer outra coisa qualquer começada por c.
4] Fiz a cama. Já não a fazia há uns cinco dias.
5] Comprei avelãs para temperar o peixe que vou cozinhar logo ao jantar.
6] Limpei os grãos de milho de pipocas que estavam debaixo do sofá.
7] Passei alguma roupa a ferro.
8] Cantei sozinho no carro.
9] Comi gomas em forma de ursinhos.
10] Fiquei a saber, no JN, que as indianas usam cada vez mais lingerie.
11] Fui atendido pela miúda mais gira dum café onde vou às vezes, se bem que elas são todas giras.
12] Dei um pontapé numa bola para a devolver a uns miúdos que jogavam no recreio duma escola primária.
13] Estive a olhar para o tecto do meu quarto.
14] Escrevi um poema sobre sapos.
15] Sentei-me no chão do parque central de Aveiro com uma amiga, enquanto as nossas filhas brincavam.
16] Comi uma maçã.
17] Aparafusei as portas dos armários da minha cozinha.
18] Joguei travian e monsters, mas só um bocadinho.
19] Fiquei a ouvir uma senhora junto ao contentor do lixo perto da minha casa. Só me contou desgraças mas acho que lhe fez bem falar.
20] Não morri.
21] Fui ver o mar durante doze minutos.
22] Colei um cartaz do Couscous Prosjekt na parede da minha cozinha.
23] Telefonei à minha mãe.
24] Vi peixinhos giros numa loja de animais.
25] Ouvi a versão em italiano duma música do Sérgio Godinho que, por acaso, arranjei há uns dias por causa dum leitor deste blog.
26] Pus a mão dentro da caixa de cereais com chocolate e comi uma mão cheia directamente.
27] Enchi uma colher de chocolate em pó e comi-a.
28] Contei a minha versão, a um amigo recém divorciado, sobre o que é uma separação difícil e acho que lhe fiz bem.
29] Comprei pimentos verdes.
30] Fiz um sumo com quatro laranjas.
31] Atravessei uma passadeira a pisar só as linhas brancas.
32] Telefonei a uma amiga só para ouvir a voz dela.
33] Lembrei-me da minha pistola verde escura de água, de quando era pequenino, e tive saudades dela. Não dela, mas de molhar os meus colegas da escola primária com ela.
34] Lembrei-me da minha primeira namorada, de quando era pequenino, e tive saudades dela. Mesmo dela, e de ser gozado pelos meus colegas da escola primária quando nos chamavam namorados.
35] Andei por Aveiro com as mãos nos bolsos.

conversa 398

(ao telefone)

Ela - Já acordado?
Eu - Acordaste-me tu.
Ela - Ainda bem. Gosto de servir de despertador. Amanhã torno a telefonar-te de manhã, está bem?
Eu - Não.

coisas que fascinam (61)

Adormeci no sofá duma amiga minha e ela descalçou-me, tapou-me com um cobertor e colocou uma almofada nas minhas costas. Acordei com a sensação esquisita de ser uma espécie de sem abrigo nos aposentos reais duma rainha. Quando acordei ela também dormia, mas no chão. Acordei-a a ela, ajudei-a a levantar-se, desliguei o computador portátil e saí. Foi por pouco mais de duas horas mas soube-me bem...

10.01.2007

pensamentos catatónicos (101)

Perco totalmente a paciência com algumas mulheres e deixo de ter a mínima vontade de estar com elas, assim dum dia para o outro. É mau mas não há nada a fazer. Nem sequer tento contrariar esta tendência, e acho que ela tem a ver com factos históricos: sempre que vejo numa alguma coisa que, no passado, já vi noutra e não gostei, fujo.
A mulher com quem eu vivi mais tempo na minha vida dizia-me constantemente que eu era uma pessoa demasiado previsível. Ela tinha razão, eu sei. Ainda sou e vou continuar a ser, pelo menos em alguns aspectos. Não me dou bem com mulheres que têm comportamentos casuais imprevistos, acessos esporádicos de instabilidade, e ponho-me sempre a andar. Não consigo e é mais forte que eu.

conversa 397

Ele - Vai. És um gajo disponível, pá. Aceita e vai.
Eu - Não vou nada. Ser um gajo livre não significa ser um gajo disponível.
Ele - Eu ia.
Eu - Eu não vou.

conversa 396

Ela - És mesmo de Aveiro?
Eu - Sou.
Ela - Não pareces nada de Aveiro.
Eu - Não? Porquê?
Ela - Não te pareces nada com a malta de Aveiro que eu conheço, pelo menos.
Eu - Mas porquê? Já agora explicas-me...
Ela - Não sei. Vestes-te pior e és assim mais, não sei explicar. Não é que te vistas mal, percebes? Mas não tens cuidado nenhum contigo.
Eu - Acho que não estás a dizer coisa com coisa, mas pronto.
Ela - Pronto, mas não me pareces nada de Aveiro.
Eu - É igual, deixa lá.

mulheres que eu gostava de poder não compreender (58)


Nome: Maria de Barros

origem: Cabo Verde

info: É uma das mais famosas cantoras de Cabo Verde. Está para as coladeiras como a Cesária está para as mornas. É super bonita e a música põe qualquer gajo bem disposto. É raro não passar o "mi nada um ca tem", tanto em bares como em casa. Site oficial aqui.

respostas a perguntas inexistentes (13)


A empregada do bar estava sentada num barril de cerveja, limpando as unhas com um palito. Num dos cantos, sempre a olhar para o exterior através da sujidade da janela, um grupo de homens ia bebendo uísque e soltando palavras soltas sem sentido. Ela entrou e começou a dançar sozinha. O dj apaixonou-se por ela e desenhou uma cruz na capa do cd, exactamente na música que estava a passar nesse momento. Nessa noite, quando se deitou, ouviu-a em modo repeat até adormecer.