5.01.2011

pensamentos catatónicos (242)

O Amor é o tempo

O comboio está atrasado vinte minutos. Pergunto-lhe se ela quer ir tomar um café e ela pergunta-me para quê. Para passar o tempo, respondo. O tempo passa na mesma, diz ela. E tem razão. Fico a contar os segundos que vão passando enquanto o vento lhe serpenteia os cabelos como se estivesse a tentar dançar com eles. É bonita, e zango-me comigo mesmo por a minha primeira opção para passar o tempo ser ir tomar um café e não ficar a olhar para ela. Ainda bem que não fui. Ainda bem que não fomos.
O tempo é a prenda da vida, e às vezes ajo como se estivesse sempre a tentar gastá-lo. Nem o chego a desembrulhar e a agradecer a oferta. É uma merda, ser assim. Acho que é e sempre foi o maior obstáculo ao Amor. 
Uma vez disse-lhe, com um ar cansado, que não tinha nada para fazer. Era sábado à tarde e a cidade encolhera-se num enorme silêncio perante a agressividade da chuva. Não podíamos sair a não ser para cantar o Singing In the Rain. Ela olhou para mim durante alguns segundos, não percebi se zangada ou simplesmente com pena de mim, mas percebi que tinha acabado de dizer uma coisa estúpida. Estávamos os dois no mesmo apartamento e amávamos-nos. Não termos nada para fazer era o melhor que nos podia acontecer. Calei-me e baixei os olhos derrotado pela mania que os meus reflexos têm de contornar o Amor. Ela saiu da sala e só voltou uma hora depois. Acabámos abraçados com os meus dedos a dançarem nos cabelos dela. Os mesmos cabelos que olho agora.
Estou a pensar que não lhe torno a fazer isto. Nem a ela nem a mim. Não torno a falar do tempo que é só nosso como se fosse dispensável. Porque não é. Na verdade é o tempo mais importante da minha vida. Ainda por cima não se repete, o sacana. Quero estar com ela outra vez sem nada para fazer, para poder sorrir-lhe e abraçá-la sem o meu estúpido ar de tédio.
Que merda, esta mania que o Amor tem de se esconder por trás de coisas insignificantes. Ora atrás dum café, ora atrás dum jogo de futebol ou de um filme estúpido de que nunca ouvi falar. Não o deixo mais. A partir de agora vou lembrar-me: o Amor é o tempo, o Amor é o tempo.

28 comentários:

csa disse...

Eu tinha ido tomar o café.
Não seria para passar o tempo, mas sim porque não há nada como o café para perfumar um tempo agradável que se passa com alguém de quem se gosta, seja lá qual for o tipo de "gostar"!
Deve ser porque não tenho cabelo, mas sim pêlo de gato... virtual! :)

Joana* disse...

Nostálgica é como fiquei após ler este post!

Algo para reflectir, sem dúvida alguma!

*

Anónimo disse...

uau

Cota disse...

o Amor é a vida, quem não ama está inerte ou sem rumo xD

Helena disse...

" O Amor é o momento, em que te dás, em que me dou" Já dizia António Variações. :)

Fatyly disse...

"O tempo é a prenda da vida, e às vezes ajo como se estivesse sempre a tentar gastá-lo. Nem o chego a desembrulhar e a agradecer a oferta. É uma merda, ser assim. Acho que é e sempre foi o maior obstáculo ao Amor"

estás a tempo de deixar o relógio...

e lembrar-te com convicção e agir, já que:"o Amor é o tempo, o Amor é o tempo."

Toma dois beijos, um para ti e outro para ela que te faz ver as pequeninas partículas da vida que juntas tem um nome pomposo: felicidade!

Isa disse...

"Nova no pedaço" que sou, tive a sorte de dar com um texto que renova em mim a esperança no género masculino.
Sem desprimor nenhum para os outros textos,claro, mas este "caiu-me" especialmente bem.

Obrigada e parabéns. Não é todos os dias que se lê Amor com maiúscula e menos ainda que se percebe quando alguém o sente assim.

OLHOS DE MEL disse...

Amei este texto.
Profundo, sentido... lindo.
Dá vontade de partilhar este texto.

Tsukuyomi disse...

Ultimamente ando com uma sede de tempo, que parece que é impossível saciá-la. Ai...

(btw Gosto tanto desta leveza das palavras, acalma :) )

Turtle disse...

Que bonito :) e é verdade, nós temos a mania de preencher o tempo quando ele não necessita, de todo, de ser preenchido com mais nada que a outra pessoa!

bagaco amarelo disse...

csa, lol. :)

joana, :)

anónimo, :)

cota, exacto, :)

helena, :)

fatyly, é isso mesmo. obrigado. :)

isa, obrigado e, já agora, bem vinda. :)

olhos de mel, obrigado. :)

tsukuyomi, obrigado. :)

turtle, essa é uma das verdades mais tristes da minha vida, e acho que de mais vidas. :)

carla disse...

bolas...

fiquei com borboletas no estômago!!!

e é bem verdade o que concluis...

'Que merda, esta mania que o Amor tem de se esconder por trás de coisas insignificantes. Ora atrás dum café, ora atrás dum jogo de futebol ou de um filme estúpido de que nunca ouvi falar. Não o deixo mais. A partir de agora vou lembrar-me: o Amor é o tempo, o Amor é o tempo.'

verdade-verdadinha

:)

Li disse...

Olá bagaço. Já venho aqui ao blog normalmente mas só hoje decidi seguir. Adoro a escrita. Obrigada pelos momentos que estes textos que fazem ter.

Alma disse...

Bom ler o Amor com Tempo, numa reflexão no masculino! E Felicidades aos dois!

Isis disse...

Gostei tanto deste texto. Da sua simplicidade aparente.

redonda disse...

Gostei deste texto embora se calhar também fosse gostar da ideia de ir tomar o café porque não pensaria que estaria a passar tempo, mesmo que o dissesse e então a questão estará aí, em viver o momento, com ou sem café :).

bagaco amarelo disse...

carla, conheço essas borboletas. :)

li, eu é que agradeço. :)

alma, obrigado. :)

isis, obrigado. :)

redonda, pois... para mim a questão é com ou sem Amor. :)

Anónimo disse...

O Amor só é o tempo quando o tempo é de Amor. Quando o tempo não é de amor torna-se numa simples unidade de medida.
CR

estórias disse...

Tão verdade... Mas por vezes queremos tanto fazer alguma coisa com o outro, algo em conjunto que nos esquecemos disto mesmo: só sentir. Passar o tempo a sentir.

Vou roubar, com licença:)

bagaco amarelo disse...

cr, .)

estórias, obrigado. :)

Porque um dia me perdi... disse...

Escreves de forma leve...sentida e aberta...fazes-nos sentir em cada palavra e isso é optimo...

...Fizeste -me lembrar que ando a desperdiçar tempo....esta prenda tão precisosa!

Obrigado

Olga disse...

É o melhor tempo das nossas vidas, aquele que passamos com quem gostamos. :)

carla disse...

e o que se faz com as borboletas?! elas teimam em voar mas transformam-se sempre em lagartas!!

aproveito para te felicitar pelo blog!! :) gosto muito-muito

Mikashi disse...

quando estamos com quem amamos...a mim só me apetece agarrar o tempo, para ele não fugir...mas ele teima em fugir...por isso, sim, façamos do tempo não que seja útil mas que seja um tempo de sorrisos... obrigada por este post... veio no tempo certo ;)

bagaco amarelo disse...

porque um dia me perdi, :)

olga, então não é? :)

carla, obrigado. muito, muito. :)

mikashi, obrigado. :)

Ciara disse...

Este texto comoveu-me, a sério que me comoveu... Nada é trivial... és provavelmente o único que me faz ter uma réstia de esperança que talvez nao sejam todos iguais :)

memyselfandi disse...

Eu acho que o Amor pode ser o tempo, quando temos Amor para esse tempo. Quando não temos, desejamos desesperadamente que não haja tempo, de qualquer forma, não há amor para ele. Tempo para quê?

bagaco amarelo disse...

ciara, ninguém é igual. :)

memeyselfandi, para aprender. :)