10.08.2012

respostas a perguntas inexistentes (221)

"Talvez eu tenha estado aqui em criança, num passeio de fim de semana com os meus pais". Foi a primeira coisa que eu lhe disse quando saímos do automóvel. Eu nunca tinha ido àquela terra, ou pelo menos era o que eu pensava, mas assim que respirei o ar da praça central reconheci qualquer coisa, sem saber muito bem o quê. A Raquel deu-me a mão e manteve-se em silêncio, como se esperasse que as minhas memórias daquele lugar viessem lentamente à tona.
Quando visitamos um lugar pela primeira vez na vida, essa primeira vez fica-nos gravada na mente como se fosse um carimbo. É por isso, aliás, que eu gosto de viajar com a Raquel. Nunca poderei voltar a algumas cidades, vilas ou aldeias sem me lembrar dela, porque foi com ela que as conheci.
O motor do automóvel ainda trabalhava, num esforço arfado para arrefecer debaixo do calor intenso, e eu acabei por desistir. "Vamos beber uma cerveja e comer qualquer coisa, ali naquele café". Pedi-lhe, num tom de quem desespera por estar em qualquer sitio com uma temperatura que dê algum conforto ao corpo.
Vieram duas sopas mornas e duas cervejas, fez-se silêncio sobre a refeição e sobre assunto. Entre cada colherada ou gole, fui espreitando pela janela para avivar a memória. Reconheci a localização dum pequeno parque infantil que entretanto já tinha sido modificado, e acabei por me lembrar de uma só cena: dois baloiços, um escorrega e uma roda com três cavalos de pau tinham ali estado há mais de trinta anos atrás.
Vi-me a subir apressadamente ao escorrega. Um rapaz qualquer, que vinha atrás de mim, empurrou-me no momento em que hesitei lançar-me rampa abaixo e caí descontrolado. Bati com um joelho no próprio queixo e comecei a chorar. De facto, não me lembro do abraço do meu pai nem da minha mãe, portanto eles não estavam lá. Lembro-me duma miúda se ter sentado ao meu lado depois de ter ralhado com o próprio irmão, me ter dito que aquilo ia passar, abraçar-me, dar-me um beijo na face e desaparecer a correr por entre as árvores que ainda ali estavam. Nunca mais a vi.
A Raquel perguntou-me se eu queria seguir já viagem ou dar uma volta à terra. "Vamos sentar-nos ali, debaixo daquela árvore junto ao parque para os putos", pedi-lhe. Pousei a cabeça na palma da minha mão direita assim que me sentei. Queria saber em que contexto e circunstâncias é que tinha ali estado em criança, provavelmente com cinco ou seis anos de idade, mas não conseguia. Até hoje, aliás, nunca consegui. A Raquel abraçou-me, deu-me um beijo na face, e disse-me que estava ali.

8 comentários:

Alexandra disse...

Este é o poder de se ter uma companheira de C gigante!

Alexandra disse...

Este é o poder de se ter uma companheira de C gigante!

Mam'Zelle Moustache disse...

O mesmo lugar, um abraço e um beijo na face diferentes daqueles de há trinta e tal anos atrás. Mas, suponho eu, igualmente reconfortantes :)

Fatyly disse...

Perdido, tão perdido...e a Raquel deu-te "colo" pois era o que precisavas.

Caramba pá...fizeste-me chorar pois numa altura que dou tanto "colo" aos meus...hoje sem lhes dizer nada...tanto preciso e...Raquel posso sentar-me só um cadinho? Ufa...Que bom!

Prontessssssssss vou-me recompor porque os optimistas e fortes...também choram!

Fatyly disse...

Ahhhhhhhh, desculpa...gostei imenso do texto e obrigado!

Malena disse...

E é tão bom termos alguém que "esteja ali"!! :D

redonda disse...

Uma vez reconheci um sítio assim pelo chão, tinha lá estado com 3 ou 4 anos e o que então o que terei visto melhor foram os desenhos em paralelepipedos :)

Bagaço Amarelo disse...

alexandra, exactamente. :)

Mam'Zelle Moustache, exactamente, igualmente reconfortantes. :)

fatyly, lol! obrigado. :)

malena, é por isso que aqui andamos. :)

redonda, sim... é um pormenor qualquer que desperta amemória. :)