10.19.2012

pensamentos catatónicos (283)

pelos cabelos

As pessoas costumam dizer que estão pelos cabelos quando já não aguentam mais. Os portugueses, ou a maior parte deles, estão pelos cabelos com tudo. Já não aguentam mais o desemprego, a falta de dinheiro e a incapacidade da selecção de futebol em ganhar jogos. O país está pelos cabelos.
Ontem ouvi a expressão "pelos cabelos" entre um casal amigo de namorados. Ela quer ter filhos e ele está sempre a adiar. É o salário que é baixo, são os infantários que são caros, é o desemprego que pode estar próximo. Ela está pelos cabelos do medo dele, ele está pelos cabelos da irresponsabilidade dela. É assim que eles põem a coisa. Nada de especial, suponho que neste momento há montes de casais mais ou menos na mesma situação.
De qualquer maneira, quando os ouvi utilizar a expressão "pelos cabelos" fiquei triste. Não só por eles, mas por todos nós. É que são dos meus amigos mais antigos, e acompanhei à distância todo o romance que os fez juntarem os trapos há uns anos atrás. Ela só me falava nele, ele só me falava nela. Um dia apareceram juntos, de mãos dadas e a sorrir. Tinham deixado de falar um com o outro através de mim.
Ficar pelos cabelos é ficar tão cheio como um ovo. Os nossos cabelos são, neste degradante processo metafórico, a nossa válvula de escape. Quando estamos pelos cabelos, quer dizer que essa válvula está no esforço máximo e que se adivinha o seu estoiro a qualquer momento.
É essa a diferença trágica entre Amar e não Amar. O Amor vai-nos preenchendo a vida de forma suave e prolongada, mas com a sua falta ficamos imediatamente pelos cabelos. O não Amor é mais rápido a preencher-nos que o Amor. É por isso que ficamos pelos cabelos.

12 comentários:

Malena disse...

Até no Amor o estado do país interfere... :(

Mas tens direito a um sorriso! Afinal, ainda não paga imposto!:D

Bagaço Amarelo disse...

malena, e de que maneira. um pouco por todo o lado. :)

Quase nos "entas" disse...

Os problemas económicos são uma das razoes mais comuns para os divorcios. está comprovado...infelizmente...
O amor é bom enquanto È....mau é quando deixa de ser!!!
Depois ....dificilmente há volta a dar..
bjokas

Bagaço Amarelo disse...

quase nos "entas", beijo. não deixa de ser verdade. :)

Anónimo disse...

O dinheiro.... é sempre a rotina e o dinheiro. Na maior parte das vezes o dinheiro ou a falta dele...satura tudo.

Bagaço Amarelo disse...

anónimo, é por isso que temos que dar importância à política. :)

Margarita disse...

"Casa onde não há pão, todos ralham e ngm tem razão."
Ainda que não seja exactamente o caso, passa por aí e é triste.

Bagaço Amarelo disse...

margarita, concordo. :)

A Vida da Cinderela de Saltos Altos disse...

Nem mais...

Bagaço Amarelo disse...

A Vida da Cinderela de Saltos Altos, :)

Fatyly disse...

Por ter já passado por duas e bem graves -em Angola pelos que sabes e de 80 a 86 e agora esta...digo o que digo aos meus: é nas crises que surgem muitas oportunidades (de emprego, valorização pessoal, solidariedade, etc) até de onde nunca pensámos que fosse possível e o maior teste a qualquer união versus amor! DESISTIR É QUE NÃO!

"Estamos pelos cabelos" SIM mas adianta lamentarmos-nos? Isso enche barriga?
Pedir algo...custa
Estarmos bem e descer 30 degraus...custa
Ver que meia dúzia de gajos e gajas políticos se alambazaram...custa
Mas ao perdermos as energias com isso, as crianças sentem, quem está ao nosso lado pode estar pior do que nós e como não podemos mudar uma vírgula há que lutar e erguer os braços e irmos à luta PRESERVANDO SEMPRE OS VALORES MORAIS porque no meio do caos há sempre quem dê uma sopa, um pão e uma chouriça...credo troco por couves e batatas.

A minha "ligação" acabou há muitos anos e paciência mas AMO TUDO E TODOS E SOBRETUDO TER FORÇAS PARA SEGUIR EM FRENTE...até ao dia em que bater a bota (o que desejo que seja rápido e não aos poucos como muitos estão e totalmente dependentes)
Certo?

e hoje vou almoçar a casa da minha mãe que faz 83 anos e ver a garra que ela tem e o exemplo de vida que é...junto dela sou uma grão de areia:)

Bagaço Amarelo disse...

fatyly, as crises não foram todas iguais. esta é mesmo meia dúzia de gajos a comerem à nossa custa, de quem trabalha. Mas parabéns à tua mãe, que sabe mais disto do que nós todos juntos. :)