11.21.2007

crónicas da cidade que sopra | o natal é um presente envenenado

Amanhã, por ser quinta-feira, é publicada mais uma crónica da cidade que sopra no Diário de Aveiro.

O Natal é um presente envenenado. Se Cristo estivesse para nascer agora não o seria certamente num estábulo, mas sim numa ambulância qualquer a caminho dum hospital situado a centenas de quilómetros de distância, porque entretanto o poder político tinha fechado todas as maternidades da região. Os reis só apareceriam para dar prendas ao recém-nascido se o plafond do cartão Visa, quase sempre no limite, ainda desse para abastecer o carro de gasolina. As prendas não passariam de alguns objectos inúteis feitos por crianças escravas na China. A própria estrela que os guiou seria substituída por um gps comprado a crédito.

13 comentários:

Paulo disse...

Envenenado?! O Natal é um presente que muitos não sabem, não podem, não querem apreciar.

Fatyly disse...

Li com muita atenção esta tua crónica.

Consegues mostrar o rosto da fome, do consumismo absurdo, da solidão, do egocentrismo, da desilusão, do desemprego e do baixar os braços sentido e vivido nos 365 dias do ano.
O Natal não tem culpa nenhuma, mas para quem não é solidário, para quem não tem tempo para ver a família, para quem não saúda o vizinho, para quem fecha os olhos à realidade durante o ano, pelo menos, que o seja e faça nesta quadra.
Termino com palavras tuas:

"O Natal é um presente envenenado, (...) mas nós só o abrimos se quisermos"
...daí marcarmos a diferença pela positiva, porque natal é todos os dias e valha-me a Stª.Esperança:)

Já nasceram imensos Jesus Cristos e se olhares bem eles andam por aí, misturados nos ricos e pobres.

Não sejas tão negativista e acredita num futuro melhor.

bagaco amarelo disse...

paulo, essa é uma análise simplista, mas está bem.

fatyly, tens razão... mas quando escrevo para outros e quero passar determinada mensagem, faço-o o melhor possível dentro dos meus limites... :)

Anónimo disse...

Gostei e concordo... Não me parece que seja negativista, de todo! Acho bastante realista! Só acho que hoje em dia se confunde muito o que é o Natal... Se fizermos um "brainstorming" com algumas crianças sobre o que é o Natal, elas vão dizer imediatamente: prendas!
Acho que este vem no seguimento do post anterior...
E que se saiba que para mim o Natal não é nada disto, mesmo!!! Não é o consumismo, não são os presentes...
Eu acho que o Natal é realmente um bom momento para pensarmos nos outros, principalmente para quem não o faz já durante todo o ano! E é claro que não podemos generalizar, nem me pareceu aqui que tenhas feito um ataque pessoal ao Natal...! Pessoalmente, ADORO o Natal, é a época do ano que mais gosto...

bagaco amarelo disse...

lol, bia, um ataque pessoal ao natal não fiz, não... mas tb acho que ele n se importava... mas tens razão, se fizermos um "brainstorming" com algumas crianças sobre o que é o Natal, elas vão dizer imediatamente: prendas! :)

Xana disse...

Adicionei-te no meu blog com o nome "Divorciado..." :) Espero que nao te importes, so quero dar a oportunidade aos meus amigos de lerem o que escreves... Estou a adorar, vou voltar... Parabéns pelo sentido crítico, pelas análises claras, pela sinceridade, pelo humor!

bagaco amarelo disse...

xana, obrigado pelas palavras simpáticas. vou retribuir com gosto. ;)

João Lemos disse...

Eh Pá !! Geralmente não aprecio muito os teus textos do DA, por serem demasiado densos e bastante deprimentes (esta é uma análise simplista, é certo, mas não tenho tempo para mais ..). Arrisco-me a dizer que talvez reflictam um pouco o teu estado de alma, talvez .... o que, não tem mal nenhum.

... Mas este gostei imenso, principalmente da parte final:
"O Natal é um presente envenenado (...) mas nós so o abrimos se quisermos."

Excelente. Parabéns !!!

Abraço, João Catatau

bagaco amarelo disse...

joão lemos, até agora escrevi setenta e duas crónicas no DA. Algumas não foram deprimentes mas sim, tens razão, a maior parte podem ser vistas como tal, embora eu não veja. abraço e obrigado. :)

Anónimo disse...

somos nós que lhe deitamos o veneno. Lembro-me tão bem do meu Natal de há alguns anos atrás e acho que não tem nada a ver com o que se comemora agora, infelizmente.
Mas também acho que não +e só o Natal, toda a vida mudou a uma velocidade estonteante, de tal forma que às vezes não me apetece adaptar.
Ih! agora sou eu que estou pessimista. Mais um belo texto, parabéns!
Carla

bagaco amarelo disse...

Carla, admito que às vezes também me sinto... sei lá, demasiado lento para isto. :)

Fatyly disse...

Ah bagaçito, bagaçito "o melhor possível dentro dos teus limites"? Tu já há muito que devias ter resmas de livros editados porque para mim és um magnífico escritor e ficcionas ainda melhor.

Qual Saramago qual quê...Prémio Nobel da Literatura - Sr. Ivar Corceiro, clap, clap:))))))))))

bagaco amarelo disse...

fatyly, obrigado. A sério... só espero é o Saramago não leia este blogue... :)