6.20.2007

crónicas da cidade que sopra | dois segundos

Amanhã, no Diário de Aveiro, por ser quinta-feira.

Dois segundos. A matinal e branda luz do quarto acariciou-a quando abriu pela primeira vez os olhos, e adormeceu-a por mais alguns minutos. O corpo agradeceu, que se sentia cansado por mais uma noite de insónias. A alma também, que há muito tempo ninguém a acariciava assim ao acordar. Foi uma carícia de dois segundos apenas, talvez, mas que a fez aninhar-se nos lençóis em posição fetal, e lhe apagou na memória a linha de instrução que a obriga a levantar-se cedo todas as manhãs.

9 comentários:

Elora disse...

Mais uma vez escreves as minhas experiências.

Espirito da Lua disse...

Ola

Gostei esta muito giro:)

Bj Lua

outra disse...

Perante um instante de perfeição, só o silêncio é expressivo.

bagaco amarelo disse...

elora, já teconheço bem, não?

espirito da Lua, beijinhos, então... ;)

outra, e perante o cansaço. ;)

Elora disse...

Não. Mas sentiste coisas que já senti, directa ou indirectamente.

Carla disse...

Estas carícias com sabor a preguiça são verdadeiramente deliciosas!!!
Carla

bagaco amarelo disse...

elorinha, quem lê também escreve, não é?

carlinha... lol! pois são. ;)

Fatyly disse...

Uma delícia!!!

bagaco amarelo disse...

obrigado, fatyly... :)