7.08.2009

respostas a perguntas inexistentes (62)

Desta varanda vejo os telhados das casas que pontilham a cidade até à linha do horizonte. Ela telefonou-me há bocado e eu não lhe reconheci a voz. Respondi ao nome dela com um "olá, tudo bem?" morno, demasiado morno para alguém que não vejo há mais de um ano mas em que penso todos os dias. Sem remorsos, contudo. E depois desliguei o telefone e pousei-o num vaso com uma planta que caminha precipitadamente para a morte (a propósito, um dia destes rego-a). Silenciei-o a ele silenciando-me a mim.
Estou aqui a pensar na última coisa que lhe disse, numa manhã solarenga em Lisboa: "tenho que ir para o comboio... um dia destes telefono-te!". Depois não telefonei, silenciando-nos aos dois. Pergunto-me quantos destes telhados cobrem amantes que se preparam para deixar de o ser amanhã de manhã. Um, dois, se calhar centenas ou milhares. Se calhar nem é importante. A partir de amanhã todos os actos de amor desta noite passarão a ser memórias que vão secando. Como a minha. A propósito, um dia destes rego-a.

22 comentários:

bia disse...

é incrível como nos lembramos tantas vezes de alguém, mas não pegamos no telefone... como há tanta gente a quem já dissemos "eu depois telefono"... como queríamos ser mais efusivos com algumas pessoas e, no momento, não conseguimos... como a saudade nos abraça de uma forma tão forte, mas que nos silencia ao mesmo tempo...


rega lá a planta, não a deixes morrer :)

GiGi disse...

Você é uma das minhas inspirações para aprender a escrever.

Aliás, levou-me a lembranças... Lembranças estas que eu gostaria de esquecer, LOL!!!

Beijinhos!

bagaco amarelo disse...

bia, pois é... acho que às vezes não chegamos a saber o que queremos. :)

gigi, lol... desculpa lá. :)

Ana Camarra disse...

Bagaço

Existem plantas que não vale a pena regar...

beijo

Bichana disse...

Escreves TÃO bem...e exprimes sentimentos de uma forma tão bonita... até parece fácil transmitir sensações para o papel. Lindo.
P.S. Sei bem do que falas.

bagaco amarelo disse...

ana camarra, e existem outrs que temos dúvidas... :)

bichana, obrigado. :)

Nirvana disse...

Depois falo, depois faço, depois vou... tanta coisa que deixamos para depois. Às vezes pergunto-me para depois do quê. A maior parte das vezes não tenho resposta.
Um dia destes, talvez... Mas a vida não é feita disto? Encontros e desencontros. Com toda a certeza, alguns amanhã estarão no lado dos desencontros, das memórias, mas estas também são importantes.
Por falar em memória... põe um pouco de água na planta, sim?
Bjks

Anónimo disse...

Toda a planta merece ser regada... a menos que já esteja mesmo, mas mesmo morta. ;)
As histórias dos amantes são magníficas por isso mesmo. Quase nunca têm um fim anunciado, nem pronunciado, nem esquecido. Mas começam quase sempre, sobre um final subentendido.
Bagaço, gosto muito destas tuas respostas a perguntas inexistentes.:)
Continuo a surpreender-me com a tua escrita.

Espero que já estejas bem de saúde.
Um beijo
Ana

GiGi disse...

Nãaaao, acha?? Não há o que se desculpar! LOL

E concordo com a Bichana ^^

:-**

Recomecar de uma nova Vida disse...

Lembra-me hoje alguém que não deixou de pensar nele, mas que o " idiota", após telefonar-lhe hoje e devido a estar muito barulho, diz-me que depois do almoço, telefona e nada. Quem me dera colocar este sentimento num planta já a morrer para ir de vez com a planta! Are que eu não compreendo os homens!!! Mas eu não consigo ser lesbica! Valha-me a Santa!!!

E já conhecia o blog, mas postava com outro nome ;)

O novo blog é um novo fresh air!

Anónimo disse...

É mesmo verdade que um homem consegue estar um ano sem ver uma mulher e mesmo assim pensar nela todos os dias?

E se pensa nela todos os dias, como pode estar um ano sem a ver?

(dava-me tanto jeito saber...)

F.

Olga disse...

É muito complicado cuidar das flores. Podem morrer com falta de água ou com água a mais...
O melhor mesmo é não trazer plantas para casa.
Poupa o desgosto de a ver murchar...

Manuel Lima disse...

Gosto da forma como escreves. E das emoções, ou falta delas, que partilhas.
Mas o que me bateu foi aquela da flor com morte anunciada.
Se queres, prolongar a vida de uma flor de jarro, deita-lhe limão ou vinagre na água, além de anti-séptico, facilita a absorção de água.
Se tiveres paciência, (o que dúvido) corta~lhe a ponta do caule cada 3 dias, renova à agua e o limão.
Verás que as flores duram o triplo do tempo.
Fala quem sabe.

P.S: Estou a transformar este meu adorado blog numa coisa demasiadamente utilitária?

bagaco amarelo disse...

nirvana, tens razão... passamos a vida a adiar coisas importantes. :)

Ana, obrigado por seres simpática. essa é a questão eterna: se se deve e como se deve regar uma relação. :)

gigi, obrigado... :)

recomeçar de uma nova vida, caramba.... conheço tão bem esse sentimento que só te posso aconselhar um cervejinha fresquinha com uns amigos. a mim é a única coisa que resulta. :)

F, é verdade, sim... é bem verdade. :)

olga, não deixas de ter razão mas, depois de uns tempos sem plantas em casa, acabamos sempre por precisar de trazer uma. :)

manuel lima, isso serve para aqueles troncos com uma folha ou duas? é que se serve interessa-me. :)

Incógnito disse...

Profundo e muito bem escrito, um blog cheio de criatividade e muita realidade do sexo feminino sem dúvida.
Continuação de um óptimo trabalho =)

bagaco amarelo disse...

incógnito, obrigado. :)

AnAndrade disse...

Isso. Regar memórias é bom. :)

Ana Serrano disse...

Isso parece-me o que chamo de caso-pendente. Que nunca mais esquecemos porque ficou sempre alguma coisa para dizer.
beijo

bagaco amarelo disse...

AnAndrade, à partida é bom, sim. :)

Ana Serrano, e é mesmo. :)

Recomecar de uma nova Vida disse...

O problema também passa por ai Bagaço... é eu não gostar de cerveja nem ter actualmente " amigos" com quem sair, dos raros que tenho estão longe ou é um pouco impossível. Deverias tu dar-me a solução para dar-me um verdadeiro click em mim, a ver se deixo morrer o raio do sentimento com a planta a morrer. Sugestões? Seriam bem-vindas!

Ana Serrano disse...

Ah! e rega a plantinha... ainda morre com este calor!
Beijo

bagaco amarelo disse...

Recomecar de uma nova Vida, eu tenho uma opinião... quando não se tem amigos, e há fases da vida em que parece que eles fugiram, arranja-se... há tantas formas de fazer amigos. :)

ana serrano, se morrer, morro eu também. :)