12.18.2012

pensamentos catatónicos (289)

Já todos nós, em pelo menos um determinado momento da nossa vida, nos apercebemos da importância que pode ter o canto do olho. O canto do olho assume uma importância maior quando tudo o resto se torna desinteressante, mas também quando nele surge um ponto de interesse concreto. É essa a armadilha do canto do olho.
Pelo canto do olho podemos ler as notícias do jornal do passageiro que vai ao nosso lado no autocarro, podemos copiar num teste de condução, podemos perceber que alguém repete a dose num jantar de amigos. Podemos até dar conta de que alguém está bêbado num bar ou simplesmente a olhar para nós. Aquilo que nunca fazemos pelo canto do olho, com toda a certeza, é contemplar.
Contemplar exige a abertura total da íris e da sua comunicação com o exterior ou, pelo contrário, que se fechem os olhos. É que fechar os olhos pode ajudar-nos a ver para dentro. François Guizot, politico e historiador francês, dizia que "a consciência é a faculdade que o homem tem de contemplar quanto se passa no seu íntimo, assistir à própria existência. Ser, por assim dizer, espectador de si próprio.".
O canto do olho não é senão uma forma de intrujice. Uma forma de, eventualmente, nos enganarmos numa paixão. Pelo canto do olho descontextualizamos o que queremos ver do que vemos realmente, e o que vemos realmente do mundo inteiro. O canto do olho é um lugar fechado, para fora e para dentro de nós.
Estava há bocado numa estação de metro da cidade do Porto, à espera de vir a apanhar um comboio em direcção a Aveiro. Estou, por vários motivos, um pouco triste, e apercebi-me de que estava a olhar para tudo e para todos pelo canto do olho. Agora vou fechar os olhos.

7 comentários:

Mam'Zelle Moustache disse...

Fizeste tu bem, BA. Também tenho andado assim, a precisar de fechar os olhos e olhar para dentro de mim.

Olga disse...

Não gosto muito do olhar pelo canto do olho, dá a ideia de desprezo. A famosa cantiga do Bonga "tenho uma lágrima no canto do olho" indica que é possivelmente nesse local que se pode "alojar a tristeza". Definitivamente também não gosto desse local.

Bagaço Amarelo disse...

Mam'Zelle Moustache, cada vez preciso mais, eu. :)

olga, gosto do Bonga e dessa música, mas não tinha pensado nisso assim. :)

A Vida da Cinderela de Saltos Altos disse...

Gostei do texto!

Bagaço Amarelo disse...

A Vida da Cinderela de Saltos Altos, obrigado. :)

Carmo disse...

Não gosto de olhar nem que me olhem pelo canto do olho, incomoda-me, porque não olhar de frente, bem melhor.

Bagaço Amarelo disse...

carmo, concordo. :)