9.10.2012

carro de gaja

Talvez eu seja um dos poucos homens à Face da Terra que não gosta de conduzir. Aliás, abomino o automóvel como produto tecnológico e como solução de mobilidade. Acho que é um dos grande erros da humanidade, com consequências desastrosas a nível social, ambiental e económico, centrar a mobilidade de oitenta quilos de gente numa máquina de duas toneladas.
Infelizmente, e porque o nosso modelo político não deixa grandes alternativas a quem precisa e gosta de se deslocar frequentemente, também tenho um carrito. Está quase sempre parado e, em média, só o uso aí uma vez de quinze em quinze dias. De resto ando de bicicleta, a pé e nos transportes públicos que ainda existem.
Para além de ser um erro, esta utilização massiva do automóvel por tudo e por nada, é também uma demonstração das diferenças de género. Os homens, na generalidade, adoram carros. As mulheres nem adoram nem deixam de adorar. Estão-se nas tintas para eles e só os usam quando precisam. Nesse aspecto sou mesmo muito parecido com elas e, para confirmar esta minha tese, a última vez que peguei no meu pequeno Fiat houve um gajo que me mandou ir para casa com o meu "carro de gaja".
O que mais me confunde e entristece nesta ligação do género masculino ao automóvel, é o exibicionismo. Eu disse que não gosto de conduzir, não disse que conduzir é difícil. Conduzir é, aliás, uma coisa tão banal e fácil que não tem piada absolutamente nenhuma, e quem se exibe demonstrando as suas capacidades ao volante, é tão atado que parece que ainda não se deu conta que há milhões e milhões de pessoas a fazer exactamente o mesmo ao lado dele.
É claro que este gajo que me disse que eu tenho "carro de gaja", logo a seguir carregou no acelerador a fundo e desapareceu na estrada. A exibição dele foi essa, carregar num pedal. Puff! Eu, que estava a estacionar junto à estação de Aveiro, e que o tinha enervado por causa disso, desliguei o motor e pus-me a pensar naquela frase. O mundo era melhor se não existissem "carros de gajo", ou seja, montes de palermas a fazer asneiras na estrada porque descobriram um dia que sabem conduzir.
Aliás, talvez um dos problemas deste mundo seja as mulheres não mandarem mais. O modelo de desenvolvimento que seguimos, e que nos levou a esta coisa tão estúpida que é termos que gastar uma pipa de massa num automóvel para nos podermos deslocar, é capitalista mas também é masculino. Se as mulheres mandassem mais, talvez a mobilidade em transportes públicos fosse um direito de todos. Aí, teríamos todos "carros de gaja", só para andar de vez em quando.

26 comentários:

Cafeína disse...

De facto nunca ouvi nenhum homem dizer que não gosta de conduzir (só conheço alguns que não gostam de conduzir grandes distâncias).
Eu adoro conduzir! Agora já não, mas quando tinha oportunidade de usar transportes púbicos para ir trabalhar ia na mesma de carro, porque gosto e, no caso, o custo era relativamente o mesmo.
Seja em autoestrada, seja na cidade gosto muito de conduzir porque me dá um gozo enorme! Não é para me exibir sem nada disso... Aliás, não me ponho com manobras perigosas nem com comportamentos de chico-esperto... Quando posso carrego um bocado no acelerador, mas nunca em siutações periogosas.
Umas das coisas que eu mais gostaria de um dia poder vir a fazer era ir para uma pista ou um autódromo com um bom carro e andar lá às voltinhas, à velocidade que me apetecesse!
Sou mulher e gosto de apreciar um bom carro!
Não perco a cabeça ao ponto de me por com a corda ao pescoço só para ter um bom carro, nada disso, tenho um carrinho que serve muito bem as minhas necessidades.
É verdade que se eu tivesse muito dinheiro provavelmente teria um bom carro, não para o andar a mostrar por aí, mas porque gosto mesmo muito!
Como não tenho, vou sonhando! :)

Mam'Zelle Moustache disse...

Concordo tanto tanto contigo. Essa analogia de que tamanho do carro é proporcional à masculinidade do dono é tão parva. Mas olha que já há muita gaja por aí contagiada por esse tipo de burrice...

Bagaço Amarelo disse...

cafeína, pareces uma pessoa que namora comigo. :)

Mam'Zelle Moustache, pois há... nota-se muito quando se sai sábado à noite. :)

ZeManel disse...

Boas. Actualmente é quase impossivel alguem nao se deslocar atraves de um carro. Mas concordo com o teu texto, um gajo carrega no acelerador e pensa que é o super homem e esta a fazer algo incrivel. Enfim, ate um burro sabe conduzir

Brisa disse...

Eu adoro conduzir, em AE ou, preferencialmente, em cidades mais pequenas (Lisboa é um pesadelo!), mas estou-me nas tintas para o carro em si. Preciso de um tipo que me ofereça segurança e confiança, mas não de um prolongamento da minha "virilidade". No entanto, que saudades dos tempos em que só usava transportes públicos - era mais exercício físico, observação dos outros e, sobretudo, tempo de leitura. Bons tempos!

Pai Tirano disse...

Na minha juventude o automovel era um belissimo meio de transporte para levar as cachopas até ao miradouro !!! Depois ou voltavam a pé ou de carro era escolha delas ;) , portanto não partilho que tenha sido assim tão má invenção !!! Se houvesse autocarros para o miradouro a minha juventude tinha sido bem mais lixada hihihi

A Bomboca Mais Gostosa disse...

Sem dúvida!
Eu adoro conduzir, mas não ligo nada se o carro é um 1500 ou um 1200cc. Quero lá saber, quero é que ande e me leve onde quero. Claro que sei distinguir um bom carro de um mais forreta. Aliás, este ano tive de comprar um carro novo porque ando muito em autoestrada, e comprei o que consumia menos da sua gama e o mais giro. Lá está, carro de gaja. Mas não faço grandes asneiras ao volante, e sempre que posso, ninguém me tira os transportes públicos, que eu gosto de conduzir mas odeio trânsito.

Bagaço Amarelo disse...

ZeManel, é quase impossível, sim. Eu tenho carro por isso. às vezes é o único meio de transporte. :)

Pai Tirano, a má notícia é que o pesadelo não é só em Lisboa. :)

Pai Tirano, Nesse caso é melhor uma carrinha grande. :)

A Bomboca mais Gostosa, a questão não é só gostar de conduzir. É também a pegada que deixamos no planeta. :)

Jacek Kustra disse...

Concordo :) Desde que o carro se tornou uma necessidade e um bem comum demais, a banalizacao do motor de combustao, a construcao de cidades dependentes do automovel e claro, o lobby do petroleo, o carro perdeu a componente romantica de objecto incerto com a capacidade de num curto espaco de tempo realizar sonhos de outra forma mais lentos de alcancar.

Mas o marqueting ainda faz acreditar as mentes mais frageis que apesar das direccoes assistidas, motores extremamente flexiveis, conduzir e' um acto que requer conhecimentos mecanicos, e um equilibrio entre forca fisica e sensibilidade para dominar a maquina...

Mas as coisas estao certamente a mudar. Por exemplo em Paris, onde qualquer tentativa de se ter um automovel resulta num buraco financeiro e temporal para o estacionar, sao extremamente famosos os carros "publicos" e electricos. Nao tem um aspecto sexy, e tem potencial para resolver a maioria dos problemas causados pela massificacao do automovel.

Talvez nao esteja longe a "autoLib" (auto liberte) em Portugal! Resta saber se os portugueses conseguem respeitar o conceito de propriedade publica.

Bagaço Amarelo disse...

JAcek, em Portugal o carro é como um elemento da família. Esse é o problema, uma questão cultural fortíssima criada pela necessidade. Portugal é um país onde seria facílimo implementar uma rede de transportes públicos eficaz, se houvesse vontade política. Mas nunca houve e agora é isto, um país retalhado. Fica-me mais barato ir a Paris, neste momento, do que a Lisboa. :)

Anónimo disse...

se há coisa que me irrita são homens ao volante. Por vários motivos, entre eles o exibicionismo e a pseudo superioridade. Nunca fui de levar carro para o trabalho. Por motivos de falta de tempo passei a andar diariamente de carro. Em vez de demorar 45m no trajacto casa-emprego-casa demoro 15m. E preciso efectivamente desta poupança de tempo. E só por causa da precária (eufemismo) rede de transportes públicos. Moro em lisboa, e ou moras perto do Metro ou então estás tramado.
Voltando aos homens ao volante. Não a todos, claro, mas infelizmente na sua grande maioria. Ou andas à velocidade que querem ou olham para ti de lado. Ou arrancas no semáforo no segundo antes de ficar verde ou olham para ti de lado. Se tenho o azar de me enganar, é uma desgraça. E quando veem que sou mulher?? Estou tramada. A sério não há paciência. E eu tenho muita.
homens que leem este blogue, não sejam assim, não há cá carros de gaja, conduções de gaja. Só vos fica mal. Não é civilizado, é parvo. Nós as mulheres tb sabemos conduzir. Também sabemos andar depressa, também sabemos acelarar, ultrapassar à parva. Mas não o fazemos.
Carla

Pão com azeite disse...

"Carro de gaja", essa é mesmo fantástica.

Por acaso, há uns meses atrás comprei um carro pequenino juntamente com a minha namorada. Não conheço quase nada de carros, só mesmo algumas marcas e modelos, alguns conhecimentos assim básicos, pronto, nada do outro mundo. Ora, a minha namorada disse-me que uma amiga dela tinha o carro à venda. Perguntei-lhe, interessado, qual era o modelo, o ano, o motor, etc. E ela: "ó pá, não sei, só sei é que é azul, um azul claro muito lindo".

Anónimo disse...

Desta vez parece que não concordamos. E mais uma vez acho que nào há relação com gênero (f ou m, leia-se). Lembro-me de ver um artigo (em tempos de vacas gordas, no Cavaquismo) sobre o que os carros dizem sobre as pessoas que os guiam. Um monovolume familia, um descapotável exibicionismo, and so on. Comheço alguns homens que não gostam de conduzir, mas que quando vão com uma mulher dirigem-se para o volante. Machismos! E vários cujo carro de sonho é um Porshe (não amarelo, espero!). Como se fosse um prolongamento da sua masculinidade.
Quanto âs mulheres: há muitas que ligam aos carros, maus numa perspectiva estética do que de velocidade.
Eu ligo qb. De uma forma deferente de quando tinha 18 ou 30 anos. Até porque as prioridades são outras e agora ligo à segurança (à estética, à marca, ao consumo...). Em Aveiro é relativamente fácil andar de bicicleta, no Porto seria impensável. Pelo menos para mim.

Bagaço Amarelo disse...

Carla, concordo. :)

pão com azeite, e olha que, para ser sincero, o "de gaja" até fui eu que inventei. a verdade mesmo não me apeteceu pôr. :)

anónimo, eu ando tanto de bicicleta e Aveiro como no Porto. Aveiro é mais plana, é verdade, mas o Porto tem o metro. :)

Rui disse...

Hum.. estou a ver que eu sou aquilo que vocês classificam como uma besta na estrada :p
Eu deixei o carro. Conduzo mota pois é um veículo que me permite fazer 700km com 21€ (quando conduzo devagar) e que não cansa como a bicicleta (que também ando de vez em quando) :p
Por norma até ando devagar, mas quando estou com pressa acelero e até faço algo que me sinto confortavel de fazer de mota mas que nunca faço de carro, que é pisar o traço continuo quando estou com pressa para ultrapassar carros que ache que me estejam a atrasar :P
Mesmo sem estar com pressa às vezes também acelero, mas não é para me exibir pois a mota é uma 125cc e o que ela anda não da para isso :p apenas o faço porque gosto da adrenalina de puxar pelo bicho :p

redonda disse...

Por acaso, eu conheço pelo menos um homem que nem quis tirar a carta de condução e já encontrei muitas condutoras, nada simpáticas. Por exemplo, já estive a fazer algumas comparações no terreno e numa passadeira, a probabilidade de um homem condutor parar para te deixar passar, é muito superior à de uma condutora; também quando queres entrar e não tens prioridade, tenho encontrado muitos condutores simpáticos e poucas condutoras...
Talvez seja uma questão de sorte e o mau e o bom esteja bem distribuído entre homens e mulheres...

Carlos Guttendorf Cipriano disse...

Conduzir é tao fácil que se passa a conduzir com um tao elevado grau de automaticidade...

É esta automaticidade que causa a maior parte dos acidentes.
A gente conduz sem prestar a devida atençao à Conduçao.

Após quase um milhao de km rolados, devo dizer que conduzir continua a ser um prazer. Conduzir é para um condutor algo como saltar de páraquedas para um paraquedista, como nadar para um nadador. Nao tem nada de anormal, a nao ser o que com o automóvel e outras máquinas nos está a acontecer a cada vez mais de nós: Ficamos como que encantados com a tech e acabamos por ser dominados por ela. Isto, a médio-longo prazo, torna-se uma limitaçao intelectual, uma aberraçao.

Carlos Guttendorf Cipriano disse...

Mas uma observaçao ainda vou fazer quanto ao ''carro de gaja'':
Só podia ter sido feita por UM GAJO.
rssss

Bagaço Amarelo disse...

rui, por acaso até já pensei em comprar uma mota eléctrica, correspondente à 125cc, para fazer Aveiro Porto. Só não comprei porque ainda são caras. :)

redonda, e conheces-me a mim. :)

Carlos Guttendorf Cipriano, obrigado pelo testemunho. :)

Malena disse...

Há homens que medem a pila pela potência do carro! Ainda não leram as mulheres que afirmam que "o tamanho não é o mais importante, o que é importante é o que se sabe fazer com ela"!!! :)

Bagaço Amarelo disse...

malena, e o que é que se faz com ela? lol. :)

A Vida da Cinderela de Saltos Altos disse...

Concordo com a sua conclusão...

Bagaço Amarelo disse...

A Vida da Cinderela de Saltos Altos, :)

Malena disse...

Bagacinho, fazes cada pergunta, pá!! :P

Carmo disse...

:D

Carro de gaja!!! :D Não consigo parar de rir, foi dito por alguém com complexo de superioridade.

Bagaço Amarelo disse...

malena, lol. :)

carmo, com certeza que sim: :)