3.29.2012

três segundos

A Magda perguntou-me se eu tinha chá em casa e eu sorri. É que tenho sempre chá em casa, apesar de nunca ferver nenhum para mim. Mais do que isso, entre as desarrumadas prateleiras da minha cozinha, alinho sempre num dos cantos todas as caixas de chá que vou comprando, como se fossem livros organizados por autores e estilos. Chego a estar um quarto de hora no supermercado a escolher uma caixa de chá, tentando perceber-lhe o sabor e o aroma, embora depois raramente o chegue a saborear de facto. Abri-lhe, com orgulho escondido, a porta do armário.

- Escolhe! - Ela também sorriu.

Foi assim que nos sentámos na sala, de frente um para o outro, depois de uma noite em que percorremos praticamente todos os bares e tascos da cidade, para ter finalmente algum tempo a sós. O chá dela a fumegar e o gelo do meu uísque Bushmills a derreter lentamente. De certa forma, era o perfeito culminar daquela primeira noite a dois, porque o que eu tinha sentido era mesmo isso: que ela era quente e que eu era frio.
Aliás, foi essa a razão principal para mudarmos tantas vezes de bar. Ela queria estar sempre num onde se pudesse dançar, eu queria um onde pudesse estar sentado a conversar. Nunca o assumimos, mas fomos abdicando das nossas preferências em prol da cara de tédio do outro. Duas pessoas podem viver assim uma noite ou duas, mas não podem viver uma vida. Pelo menos foi o que eu pensei naquele momento e apeteceu-me chorar pela primeira vez.

- Tens música?
- É só escolher. - respondi com o mesmo orgulho disfarçado com que tinha exibido a minha pequena colecção de chá, enquanto apontei para os dois armários repletos de discos compactos, discos de vinil e até cassetes.

Ela desistiu. Provavelmente pensou que, depois daquela noite, não conseguiria encontrar uma só música de que gostasse. Seria como encontrar uma agulha num palheiro. E eu, para não criar ainda uma distância maior, fingi-me despercebido ao olhar indiferente dela para a minha colecção de música
Passei a concentrar-me apenas no essencial, que era o momento presente e que, para mim, consegui calcular em cerca de três segundos. Cada três segundos que passavam era uma oportunidade conseguida ou desperdiçada relativamente ao grande objectivo dessa noite: dormir com ela, abraçá-la ou tocar-lhe. Qualquer coisa.
Ela deu o primeiro gole no chá ao mesmo tempo que eu acabei o meu uísque. Ao dobrar-se para pousar a chávena no chão, através do decote em bico, consegui ver-lhe os seios que pareciam querer saltar do sutiã apertado. Quando se endireitou de novo no sofá, já eu tinha engolido todos os cadáveres das pedras de gelo que tinham sobrado do meu copo, sinal evidente de impaciência.
Levantei-me e pus-me a olhar pela janela, como se ao tirar dali o meu olhar pudesse também expulsar esse estado de ansiedade. Lá fora, a solidão própria da noite povoara as ruas que horas antes percorrêramos de bar em bar. Eu e ela. Senti-a aproximar-se e pôr o braço à volta da minha cintura e retribuí, naturalmente, com o meu braço a envolver-lhe os ombros. Pousei, finalmente, o meu copo cansado de estar vazio. Finalmente, o futuro transformara-se em presente, com o mesmo doce nervosismo intermitente dum dos candeeiros da rua. Medi os ciclos dessa intermitência e do abraço da Magda. Três segundos, é quanto tem o presente.

15 comentários:

Eli disse...

É o tempo de nos perguntarmos: "Vou, ou não vou?" (Vou.)

Faço ou não faço?

Faço.

Simples assim.

Bagaço Amarelo disse...

eli, exactamente. obrigado por me perceberes. :)

Nina... disse...

Das coisas que me causam sorrisos quando leio...Que tempo mais bonito!=)

Bagaço Amarelo disse...

nina, obrigado. :)

EU SOU EU disse...

Maioria das palavras a serem ditas...e também maioria dos melhores olhares...demoram apenas 2/3 segundos... mas têm a capacidade de fazer-nos sorrir durante horas...e horas... A felicidade..o futuro...constrói-se sempre no presente...e nesses 3 segundos... Abraço...

Bagaço Amarelo disse...

eu sou eu, estou perfeitamente de acordo. abraço e obrigado. :)

Fatyly disse...

Silêncios que valem por mil palavras!
Gostei imenso!

Bagaço Amarelo disse...

fatyly, obrigado. :)

Lilith disse...

Há momentos em que as palavras são desnecessárias... noutros são fundamentais...
Adorei... por mais de três segundos!! :)

Bagaço Amarelo disse...

lilith, obrigado. :)

Lótus disse...

Assim lido em 30 segundos até parece fácil...Mas nunca é. E pensar que vivemos para estes momentos :) Adorei!

Rita disse...

Também dei por mim a sorrir com este teu texto ;) Gostei! Vou seguir!

Bagaço Amarelo disse...

rita, obrigado. :)

marta disse...

Andava a passear de blog em blog e encontrei o teu, fiquei logo rendida, vou seguir com toda a certeza. Gostei muito!

Bagaço Amarelo disse...

marta, obrigado. :)