7.04.2014

respostas a perguntas inexistentes (283)

feitos um para o outro

"Foram feitos um para o outro". Não sei quantas vezes li e ouvi esta frase, tanto em romances como em filmes de Amor. Cheguei a perder-me na sua imensidão que, partindo de Shakespeare, foi herdada até por Holly e Bollywood. Pode parecer uma ideia bonita, a de que nos apaixonamos pelo coração por alguém a quem estávamos destinados, mas eu não gosto. Acho-a feia  e desinteressante.
Ter sido feito para o outro retira ao Amor a sua maior qualidade: a da dificuldade. Porque o melhor Amor é aquele que é bom ao mesmo tempo que é difícil. É a esse que nos agarramos apesar de tudo e não apenas porque tudo é confortável.
Se o Amor só existisse entre aqueles que foram feitos um para o outro, o sofrimento não tinha lugar. A alegria e a luta pelo que é importante também não. A paixão confundir-se-ia com uma sopa morna e sem sal, daquelas que nos tiram a fome mas não nos satisfazem o paladar.
Das vezes que me apaixonei nunca senti que tivesse sido feito para a outra, muito menos a outra para mim. O presente não é excepção. Ainda bem, porque assim sei que o Amor que vivo é uma opção de ambos.

5 comentários:

csa disse...

Como eu concordo contigo, Ivar!

Bagaço Amarelo disse...

csa, obrigado. :)

Maria Mundo disse...

Ivar, deixa-me dizer-te que tu és engraçado nessa tua forma de te exprimires. Já me ri com este teu desabafo. :)

Não comungo deste paradigma tão comum do amor onde a "luta" ou dificuldade se torna necessária para lhe dar sabor.
Já a cumplicidade, essa sim, essa é fundamental no amor. Caso contrário teremos algo parecido com o quadro que tu nos pintas:"uma sopa morna e sem sal, daquelas que nos tiram a fome mas não nos satisfazem o paladar".

Claro está que esta é a minha verdade, e por isso mesmo vale o que vale.
Vale o que vale.

Bagaço Amarelo disse...

maria mundo, as verdades são sempre apenas as nossas verdades. é assim que as devemos ler e aprender. :)

Maria Mundo disse...

:)