10.29.2010

pensamentos catatónicos (220)

zapping ao pequeno-almoço

Os ecrãs dos nossos televisores estão empanturrados com uma publicidade da Meo, feita pelos Gato Fedorento, que apregoa que aquele é o serviço de televisão por cabo com o zapping mais rápido do mercado. Mais nada, só isso. E para prová-lo montaram um laboratório gigantesco onde comparam aquele ao zapping da concorrência. A Meo é portanto a assumpção de que as pessoas já não param para contemplar nada, nem que seja um mísero programa na televisão, e que preferem passar (que é como quem diz perder) as noites a saltar pelos canais todos.
O problema é quem faz zapping acaba por ver um pouco de tudo sem perceber de facto nada, e isto não seria um problema se não se estendesse à nossa própria vida, incluindo ao nosso próprio Amor que, principalmente por força do endeusamento da Economia, se está a transformar em mais um programa no meio de muitos pelo qual passamos às vezes os olhos. Hoje tomei café de manhã numa pastelaria dos subúrbios da cidade onde vi uma mulher despedir-se do companheiro levando a mão à boca para simular um beijo. Não o beijou de facto e depois saiu a correr para apanhar um autocarro cujos freios já se faziam ouvir. Depois vi-o a ele a encolher-se perante o copo de galão meio vazio e a torrada mal roída que ela deixou em cima da mesa. Acho que o povoou uma qualquer sensação de abandono.
O zapping é essencialmente isto: abandono. E eu não queria que ele passasse por mim. Se eu podia viver com ele? Podia. Mas não era a mesma coisa.

8 comentários:

Ventania disse...

Como sempre, certeiro e acutilante na sua simplicidade. :)

Anónimo disse...

:) Clever.
Beijo x
P.S.

Anónimo disse...

:) Clever.
Beijo x
P.S.

Fatyly disse...

Muito profundo e tocantr e subsecro totalmente!

melroazul disse...

é por essas e por outras que não tenho (e não tenho mesmo, não estou a gozar) televisão

melroazul disse...

... faço zapping na net.
li algures que nós estamos onde a nossa atenção está. na net. acabaram as fronteiras e podemos ver a tv de Singapura ou ouvir rádio da Rússia.

até as notícias são cada vez mais curtas e os programas "formatados". é que já "ninguém tem paciência para ver/ouvir/ler". é o que nos dizem todos os dias. isso acaba por influenciar o resto, não?!

EJSantos disse...

Zapping, a arte de estragar o tempo...
Prefiro a isso um bom passatempo!...

bagaco amarelo disse...

ventania, :)

anónima, :)

fatyly, :)

melroazul, eu tenho para ver dvd's. :)

ej santos, eu também. :)