7.18.2012

conflitos

Em "Conflitos", Hal é um graduado militar britânico destacado na ilha de Chipre, onde os ingleses mantêm seu império apesar das investidas do movimento independentista cipriota-grego Eoka (Enosis para os portugueses). A violência vai-se alastrando e Hal, que tem na ilha a sua mulher e as suas filhas, vai-se deixando consumir pela guerra. Nesta cena, ele regressa a casa depois de uma batalha com alguns dos mais importantes líderes da Eoka.

  E colocou a mão debaixo do algodão frio da camisa de dormir, e levantou-a até à coxa que lhe parecia secreta, bem conhecida e bela para ele. Aquilo era por fim real, aquilo tornava-a real. 
Tirou o conto e o coldre pesado com a pistola escorregou até ao chão de tijoleira com um ruído surdo. Agora era rápido e fácil tirar as calças, e manteve a mão pousada no pescoço dela, macio, pulsante, enquanto com a outra a puxava para si, e impeliu-se repentinamente para dentro dela; era-lhe tão difícil não a agarrar com muita força e penetrá-la, não ser bruto, apenas possuí-la com rapidez e entrar tão profundamente dentro dela quanto lhe fosse possível. Ela emitiu um som. Soou-lhe muito longe dele. Estavam demasiado próximos da borda da cama. Teve de lhe pegar com as duas mãos à volta da cintura, mantendo-se dentro dela, puxando-a mais para cima para facilitar as coisas, e mantendo os corpos de ambos em cima da cama. 
 - Não. Não... Hal... pára - disse ela, e durante alguns estranhos segundos hesitantes a mente dele absorveu o facto de ela estar a chorar, e reparou naquilo e misturou-o com a necessidade que sentia dela, a sua respiração nos seus dedos, a sua pele limpa, todas as outras partes dela que eram suas, e perdeu-se ali.

in "Conflitos", de Sadie Jones, Civilização Editora 2010.

6 comentários:

Eli disse...

Parece-me que visualizei bem demais um conflito...

Bagaço Amarelo disse...

eli, "bem demais" é elucidativo. :)

Olga disse...

Eu diria que este foi um conflito intenso!
A magia de ler um livro é precisamente a liberdade que nos dá para "ver" o desenrolar dos acontecimentos enquanto ficamos presos às palavras do escritor.

Bagaço Amarelo disse...

olga, é escrever sobre o que se lê, sim. :)

Fatyly disse...

A violência vai-se alastrando e Hal, que tem na ilha a sua mulher e as suas filhas, vai-se deixando consumir pela guerra.
.............

pois é...e hoje há milhares de homens e algumas mulheres que sofrem da síndrome traumático de guerra.

Porra (desculpa) mas eu jamais conseguiria ler esse livro!

Bagaço Amarelo disse...

fatyly, eu adoro ler romances históricos. :)