4.17.2012

uma boa e uma má notícia

Acho que o fiz para passar a gostar, o mais depressa possível, de estar sozinho. Quando me separei, e em esforço, ganhei imediatamente um hábito novo. Cozinhar, ao jantar, sempre uma receita nova e que ultrapassasse em muito o facilitismo dos enlatados e das refeições pré-feitas dos supermercados. Utilizava quase sempre uma toalha lavada, uma banda sonora diferente e uma garrafa de vinho um pouco mais cara do que até então. 
Depois de jantar, e já com a louça lavada e um uísque bebido, saía de casa e caminhava sempre em direcção ao mesmo bar onde, se fosse possível, ocupava o mesmo lugar ao balcão e bebia todas as noites também o mesmo. Um café Delta e dois ou três uísques Bushmills. Às vezes aparecia um conhecido qualquer e acaba a conversar sobre uma trivialidade qualquer, outras vezes não aparecia ninguém e trocava apenas algumas ideias com o empregado.
Esta rotina teve em mim o óptimo efeito de fazer com que as minhas noites deixassem de ser más. Numa dessas noites, em que ninguém apareceu para conversar e o empregado andava demasiado ocupado para me aturar, apercebi-me que todavia nenhuma era muito boa. Eram, todas elas, noites mais ou menos.
Lembro-me perfeitamente do dia seguinte. Cozinhei uma quantidade generosa de Ameijoas à Bolhão Pato que comi com bastante pão de mistura, acompanhado por uma toalha nova amarela comprada numa promoção qualquer, e uma garrafa de Quinta da Bica que tinha escolhido por ser da região do Dão. Tudo ao som da Cesária Évora. Lavei a louça, bebi um uísque e saí de casa. Foi logo no primeiro cruzamento que decidi virar, pela primeira vez nessa fase da minha vida, à direita e seguir caminhando sem destino óbvio. Não sabia se ia ter uma noite boa ou má, mas o principal objectivo era que não fosse mais ou menos.
Já nos subúrbios da cidade, dissimulado pela fraca luz de alguns candeeiros público intermitentes, percebi que alguém empurrava um carro rouco e fui ajudar. O automóvel acabou por pegar, depois do motor soluçar duas ou três vezes, e o condutor desapareceu engolido pela noite enquanto agradecia com um braço fora da janela. Fiquei eu, ela e um vento fraco, sozinhos numa rua deserta. Nenhum reagiu prontamente àquele encontro inesperado, nem para se despedir, nem para se apresentar. Passou a ser óbvio que nenhum de nós tinha para onde ir e não queria ser o primeiro a admiti-lo.

- Ando à procura dum sítio para beber qualquer coisa. Há aqui algum bar perto? - perguntei.

Só a vi bem quando entrámos num café vazio, onde o dono via os resumos dos jogos de futebol e demorou uma meia hora para nos vir perguntar o que queríamos. Era, à vontade, uns vinte e tal anos mais velha do que eu, cujo semblante triste se deixava rasgar de vez em quando por sorrisos contidos. Contou-me que em nova tinha sido actriz de teatro e que, antes do 25 de Abril, tinha mostrado as mamas em palco. Não percebi se o dizia com vergonha ou com orgulho, mas percebi que tinha pagado um preço muito alto por tal atrevimento. A família tinha-a expulsado de casa deixando-a, ainda nova, entregue a si mesma. 
Comparado com a vida dela, o meu divórcio recente ganhava uma dimensão bastante reduzida e tentei não me mostrar muito triste quando lhe expliquei porque é que andava ali perdido. 

- Separei-me há pouco tempo. - expliquei-lhe - Ando a tentar ganhar novas rotinas de vida e hoje, não sei porquê, vim aqui parar.
- Tenho uma má e uma boa notícia para ti. - sorriu ela mais tempo do que em qualquer sorriso anterior.
- Diz...
- A má notícia é que te divorciaste e nunca mais vais poder viver a vida como fazias até agora. Não é possível porque a tua principal companheira já não está contigo.
- E a boa notícia, qual é?
- A boa é que estás divorciado, por isso podes viver as coisas como te apetecer.

Por um momento percebi as minhas receitas novas todos os dias, as minhas toalhas lavadas de novo, as minhas garrafas de vinho escolhidas a dedo e as minhas idas sempre ao mesmo bar para beber uísque. Percebi até porque é que tinha mudado de direcção e ido para um café rasca falar com uma mulher que nunca tinha visto antes. Nessa noite mudei.

15 comentários:

maria madeira disse...

Precisamos de algumas rotinas para nos sentirmos minimamente confortáveis, mas evitar o mais possível fazer da vida uma completa rotina.

Viver é ter a capacidade de mudar,de nos adaptarmos a novas situações, mas um mudar sem qualquer tipo de desespero.

Fatyly disse...

Raramente fico sem palavras e só consigo dizer...grande lição de vida e eu que o diga porque é precisamente isso!

Bagaço Amarelo disse...

maria madeira, para quebrar rotinas, primeiro temos que tê-las. :)

fatyly, :)

Estadista de Algibeira disse...

Temos de aproveitar as oportunidades na vida para criarmos novas rotinas, para mudarmos...

Eli disse...

Nunca que eu me iria dar ao trabalho de cozinhar todas as noites uma receita nova, que nunca cozinho sequer todas as noites, muito menos receitas novas!

Sinto sempre que és esse das histórias que contas, por seres tão coerente. Parece que me habituei a "conhecer-te".

:)

Bagaço Amarelo disse...

estadista de algibeira, :)

eli, é impossível escrever seja o que for sem pormos lá um bocado de nós. :)

The Girl That lived in a bubble.. high in the clouds.. disse...

Eu não sei se isto aconteceu mesmo assim ou se está floreado mas tenho a dizer que és excelente escritor e "bloguista" e quando "te leio" fico sempre um bocado mais feliz ou com um bocado mais de esperança no futuro.
Bem hajas! :)

LM disse...

As cambalhotas só custam na parte em que estamos com a cabeça pra baixo, depois o Mundo é nosso! ;)
Beijinho quentinho, Bagaço!

Carmo disse...

Nada é por acaso, então!

:)

Briseis disse...

...e viveram felizes para sempre... cada uma na sua vida. =)

Bagaço Amarelo disse...

carmo, isso, para mim, é uma certeza. :)

briseis, yep. :)

SM disse...

Onde é que é o jantar? eheh ;)
Não percas o sorriso!

Bagaço Amarelo disse...

sm, :)

estórias disse...

Esta é uma das melhores estórias :) acho que é porque é uma das verdadeiras*

Bagaço Amarelo disse...

estórias, obrigado. :)