1.02.2007

conversa 62

Eu – Um café, por favor...
Ela – As entradas foram boas?
Eu – Sim... mais ou menos.
Ela – Está com olhos tristes...
Eu – Não são tristes, são cansados. Queria um café, por favor...
Ela – Parecem olhos de quem precisa de consolo.
Eu – São olhos que precisam dum café. A sério... dê-me um café, por favor. Ah! E cinco pães
Ela – Cinco pães?! Só costuma levar dois...
Eu – Pois, hoje levo cinco... se puder, claro.
Ela (pousando o café no balcão) – Claro que pode.
Eu – Obrigado.

(chega outro cliente)

Ele - Venha daí um café forte. Ainda estou a curar a bebedeira da passagem de ano. O jornal de hoje, tem?
Ela (em silêncio absoluto serve-lhe o café e afasta-se)
Eu (só em pensamento) - Foda-se!

11 comentários:

Anónimo disse...

quem eu quero não me quer.... trá,lá,lá,lá,lá,lá.............
música antiga!!!!

bagaco amarelo disse...

trá,lá,lá,lá,lá,lá, olha, conheço essa música...

tamagoxi disse...

Se ela for interessante fizestes mal não ter dado corda
Mas se ela não te diz nada não tem importância
O pior é que elas normalmente quanto mais desprezo lhes dás mais elas se sentem atraídas

Anónimo disse...

Então? Olha que um contacto numa padaria dá jeito, ao preço que o pão está...

bagaco amarelo disse...

Tamagoxi, olha... ela não se estava a fazer a mim. Estava só a meter-se na minha vida e eu cá sei muito bem porquê. Mas olha, essa teoria do “quanto mais desprezo lhes dás mais elas se sentem atraídas” está definitivamente errada, na minha opinião. Sabes, eu continuo a achar que as merdas são muito simples e, ou duas pessoas gostam muito uma da outra e acabam por estar juntas, ou não gostam e acabam por nunca estar. De resto não acredito em técnicas de dar desprezo, dizer a coisa certa na altura certa ou coisa que o valha. Pronto, mas isto sou eu...
Se calhar, os únicos factores que têm implicação na forma como duas pessoas acabam por se juntar (quando digo juntar é mesmo caminha) são a insegurança e a timidez de cada um. Também já disse aqui, mas “elas” é coisa que não existe. Cada mulher é diferente da outra, tal como cada homem é diferente do outro. Não existem “elas” nem “eles” no que respeita à personalidade.
Bem, daqui a pouco estou a apresentar uma tese.

Bad Girl, acho que vou precisar de contactos na EDP, no Gás, nos serviços municipalizados, na TV Cabo, na mercearia e no Hospital. Trabalhas nalgum sítio destes que eu vou já lá tomar café? ;)

Anónimo disse...

ai tu desculpa lá, mas deu-me cá uma volta à cachola!!!
eu sempre disse que há animaizinhos virtuais que não deviam ter mais do que uma vida... prontos, eu sei que é poucochinho, mas era suficiente, sei lá...
uma vida é pouco para aprender a gramática feminina toda, mas as mulheres não estão mesmo interessadas em virtualidades. Para mim, ou é real ou é para ir pedir colo à mãe...
e quando não dá, não dá... às vezes vale mais não se dizer nada, como fez essa tua admiradora...

Percebestes?

bagaco amarelo disse...

Acho que estavas a falar dum admirador... se for isso, percebi. ;)

Anónimo disse...

Mas será que alguma vez,

alguma das 'partes',

ela/e própria/o percebeu

ALGUMA coisa?!?!?!?!?!?!?!

Provavelmente, a viagem foi SEMPRE 'imaginada' assim ;p

*LS

Anónimo disse...

ok, com essa resposta fica tudo mais claro lol

Já posso aprender mais qualquer coisa ;p

lol...até manhã!

*LS

Anónimo disse...

Não, mas acho que trabalho num sítio que tb dá jeito.
Hoteis, precisas?

bagaco amarelo disse...

Bad Girl, Hotéis dá sempre jeito. Eu costumo ficar em parques de campismo e pensões suspeitas... :)