6.19.2014

respostas a perguntas inexistentes (281)

o Amor para totós

Quando alguém, para explicar porque é que se afastou de outra pessoa, diz que não houve química entre ambas, está a dizer a verdade. O Amor passa-se todo no cérebro e nada no coração, já sabemos. A testosterona nos homens e o estrogénio nas mulheres é que nos levam para a caminha. Além do mais, todas as sensações de paixão profunda se traduzem por reacções químicas cerebrais. A serotonina e a dopamina fazem-nos sentir felizes e a oxitocina faz-nos dar beijos na ponta do nariz.
Ao contrário do que se possa pensar, no entanto, a Ciência não está a acabar com o contexto onírico do Amor. Muito pelo contrário, está a elevá-lo ao seu máximo expoente. Para nos reproduzirmos, enquanto espécie, bastava pinarmos de forma mecânica de vez em quando. Todos nós sabemos fazer isso porque é assim que trabalhamos, sem grande vontade e mais por obrigação. O que aconteceu foi que o nosso caminho evolutivo nos trouxe para aqui, para um Amor que não conseguimos explicar mesmo quando ele está mais do que explicado.
Quando estou perto de quem Amo não penso que o meu hipotálamo está a produzir mais oxitocina do que o normal e por isso apetece-me beijá-lo. Penso apenas no imenso oceano de sorte que tenho por o poder fazer. Isso acontece porque há química e o Amor é químico. É o Amor para totós. Ainda bem.

6 comentários:

Anita disse...

E se existe um bom motivo para ser tótó, esse será o melhor de todos!! ☺

Mam'Zelle Moustache disse...

Com essa é que não contava...
Então eu, fartinha de usar a desculpa de que não tenho coração, agora estou bem tramada!
;p

Til disse...

Assumidamente totó...É a mesma lógica das cartas de amor estúpidas!

Bagaço Amarelo disse...

anita, nem há outro. :)

Mam'Zelle Moustache, tens cabeça... :)

til, é! :)

Mulher disse...

roubado, Bagaço! ;-)

Bagaço Amarelo disse...

mulher, obrigado. :)