6.17.2014

respostas a perguntas inexistentes (280)

Do pão e do Amor

As paixões vivem da dificuldade. Quando se tornam fáceis morrem nesse mesmo instante. Desistam. Não há volta a dar. É por isso que não acredito quando alguém me diz que tem uma relação perfeita. A perfeição é o contrário do Amor.
Sobre os sobressaltos do Amor, já alguém os viveu com o padeiro? Claro que não. A não ser que se tenham apaixonado por ele. O padeiro faz o pão. É tudo muito fácil porque é só isso. Já o Amor Ama. Está tudo fodido.
É impossível pedir que alguém nos Ame da mesma forma que se pede um saco de pão, embora o desejo seja esse, acordarmos de manhã e pedirmos meia hora de Amor como quem toma café. Era bom, mas não existe.
Às vezes dou por mim no sofá da sala, naquela posição que não é sentada nem deitada, a pensar em como o dia foi difícil só por causa do Amor. É nesses momentos que me apercebo que vou fazer quarenta e três anos e tenho a sorte de ter uma vida difícil.

9 comentários:

Cláupi disse...

Entendo o que quer dizer e concordo plenamente que não existem relações perfeitas e a fase inicial de uma relação está cheia de sobressaltos e muitas vezes dificuldades, mas, talvez isso sejam mais características da paixão que ainda não se transformou em amor, acho que o amor traz outra paz e isso também é muito bom. Por exemplo, aqueles casais que permanecem juntos e que estão sempre a discutir e insatisfeitos com a relação e dizem os especialistas que isso é bom, porque se não discutissem é que era um problema, eu detestava viver assim, discutir faz-me mal, para mim isso era um inferno, lá difícil é, mas amor duvido. Pelo que estou a viver agora, pode haver um entendimento mágico no amor,uma adaptação mútua com o objectivo de nos fazer-mos felizes que intensifica aquela coisa de pele e faz com que tudo se torne mais fácil e então fácil torna-se muito bom :).

Bagaço Amarelo disse...

cláupi, pois... as discussões não são todas iguais. acho que há algumas que podem e devem existir, outras que são o fim duma relação. depende, sobretudo, da forma. :)

Cláupi disse...

Sim, isso também é verdade, concordo consigo, discussões que tenham em vista o bem comum (entenda-se a relação)podem fortificar em vez de afastar e sim a forma faz toda a diferença.

Bagaço Amarelo disse...

cláupi, é por aí sim... a paz podre é o pior de tudo. :)

Anita disse...

Como diz a música dos Cutting Crew: "i've been in love before, i've been in love before... the hardest part is when you're in it..." ;)

Brandie disse...

Estar numa relação que é um marasmo não é bom, mas estar numa relação em que as coisas se estão a tornar complicadas também não. Eu gosto das relações que fluem com uma naturalidade interesante, ao ponto de serem pautadas por pequenas discussões e muita harmonia.As dificuldades são também uma chatice e um declínio no estado da relação. Pelo menos para mim.

Bagaço Amarelo disse...

anita, exacto. gosto dessa música. :)

brandie, pois... é um problema clássico, este do marasmo. :)

Bela Adormecida disse...

as relações perfeitas existem, apesar das imperfeições.
Não é por haver um estalo ou um murro de vez em quando que a ralação deixa de ser perfeita.

Temos de saber vivê-las ;)
Dois beijos *

Bagaço Amarelo disse...

bela adormecida, bem... um estalo ou um murro, espero que isso sejam metáforas. para mim um estalo ou um murro é o fim do que nem devia ter começado. :)