5.24.2008

fra fre fri fro fru

Li esta notícia no Público, sobre a condenação da comissão de praxes da Escola Superior Agrária de Santarém, e lembrei-me duma miúda de quem deixei de gostar porque a vi uma vez a gritar exaltada: "Fra Fre Fri Fro Fru, Xiribiri Tá tá tá tá, Urra! Urra!".
Nunca na minha vida, depois desse momento singelo, consegui olhá-la da mesma maneira e, ainda hoje, acordo às vezes com pesadelos e suores frios a ouvi-la gritar: "Fra Fre Fri Fro Fru, Xiribiri Tá tá tá tá, Urra! Urra!". Agora a sério... que palermice, esta cena!

29 comentários:

iTec(A) disse...

nao se deixa de gostar de alguem por causa de um um grito academico!! ja ouvi desculpas melhores LOL

em relaçao aos gritos de guerra, ha em todo o lado desde desporto teatro musica e por alem....

gosto particularm da versao da abelha maia e do calimero :D

bjs

Anónimo disse...

É por estas e por outras que eu sou anti-praxe!

Mulheka disse...

Acho q pela primeira vez não percebi um post teu (daqueles q li, claro!) lol. Qual é a parte q achas ridícula???

moi chéri disse...

palermice como? eu sou um bocado alérgica a estas coisas académicas. As fardas pretas com capas, entre o super-herói e o super-vilão, arrepiam-me. Acho que aquilo que deu origem às praxes (integrar os recém-chegados, dar-lhes a conhecer as cidades, os colegas), parece-me muito bem. Mas a histeria sempre presente nestas recepções levam a coisas graves. A praxe passa a pura humilhação pública e demonstrações de poder de fardados pouco escrupulosos. Eu que não era caloira ainda tive de me pôr ao fresco em évora várias vezes... A perda do bom senso é constante... se ao menos houvesse uma ASAE académica...

Ivar C disse...

ceptic, não é bem deixar de gostar, não. é ainda pior... por isso fico-me pelo deixa de gostar. :)

sandra, eu também fui, quando era estudante. :)

mulheka, a parte ridícula é a da praxe. :)

moi chéri, a palermice é precisamente essa a que és alérgica. neste aspecto estou inteiramente contigo. :)

Miguel Ferreira disse...

desta vez permite-me nao concordar contigo.... eu estudo em coimbra, fui praxado, ja praxei, e nunca houve por parte de ninguem desrespeito por quem quer que fosse... pelo contrario.... acho as praxes algo essencial na vida academica...
Ha casos em que se passam os limites sim, e esses devem ser condenados.... mas nao me parece que se deva tomar isso como regra geral pois eu sei por experiencia propria que isso nao e assim... pelo menos no sitio onde estou claro esta =)

Ivar C disse...

mike, então sou só que estou farto de ver praxes em público com gajos a simular relações sexuais em público, comer relva e todos pintados de cima a baixo, em Coimbra também. não estou a falar só de desrespeito na praxe, estou a falar de pessoal a fazer coisas tão imbecis que não encaixam, de certeza, precisamente na vida académica. :)

iTec(A) disse...

Não sou contra as praxes!!!muito pelo contrário!
O ano que mais curti, foi o de caloira!!!
foi um show!!
:D:D ohh sds!!!
Fui praxada e nunca praxei simplesmente para nao matar os caloiros de tédio :P
Aquilo é suposto ser para para pessoal se divertir e conhecer os colegas caloiros, e nao caloiros!!!
Serve para se ambientarem melhor ao novo meio, é que muitos nunca estiveram longe de casa!!!
Numa praxe que seja demasiado abusiva para um caloiro, ele tem que se impor porque se nao disser nada ninguem vai adivinhar!!!
E ninguem vai levar a mal, porque ha sempre outros caloiros que vao alinhar na boa!!!

Ivar C disse...

ceptic, "uma praxe que seja demasiado abusiva para um caloiro, ele tem que se impor porque se não disser nada ninguém vai adivinhar!". lol, por exemplo, neste caso, a culpa foi dos caloiros que não se impuseram... é a mesma coisa nas mulheres violadas, nas vítimas de homicídio, etc: não se impôem. :)

Maria Papoila disse...

desculpa a intromissão...cheguei aqui pelo link da Susana (Deskeparece), e de início também não entendi o teu post, daí ter aberto os comentários...agora entendi;-)
Pois as praxes são de integração e a pena aplicada neste caso foi bem, esperemos que nas próximas ideias de abuso e humilhação deste grave nivel, se lembrem disto antes de actuar.
Adorei este teu ultimo comentario: o praxado não tem como se impor numa situação destas, assim como as vitimas que acima mencionaste.
A mentalidade que "a culpa é de quem deixa fazer" demosntra bem a confusão social que vivemos, em termos de valores tão basicos como o do respeito pelo outro.
É que a nossa liberdade acaba onde começa a do outro e o pessoal esquece-se.
Desculpa a extensão.
Besitos

Ivar C disse...

moura, exacto, como se a lei devesse proteger o prevaricador e não a vítima... . não peças desculpa e obrigado pela contribuição. :)

Se não fui eu foste tu disse...

A praxe é linda!

Mas na UM tudo é lindo, até meninas que vão pa TV dizer que foram violadas durante o enterro numa tenda escura e vazia!
quem pode pode:)
Há tanta gente que tem que fazer coisas improprias em publico naquele recinto porque não encontram privacidade...txxxxx

Ivar C disse...

se não fui foste tu, lol, a vida é difícil. :)

Didas disse...

A praxe é um retrato dos idiotas que nós somos em geral. E os universitários são o futuro merdoso deste país.

Ivar C disse...

didas, os universitários não são o futuro merdoso deste país. os universitários que andam agora a lamber o cu na JS e na JSD é que são. De resto estamos de acordo. :)

Luis Pinto disse...

Depois de alguns anos em Coimbra, a dividir-me entre o praxista e o anti-praxe, continuo a dizer que 90% da praxe que se faz por aí é uma bela porcaria. Praxe decente integra os caloiros, não os humilha nem os põe a fazer brincadeiras estúpidas que só os rebaixam. Praxe, daquela mesmo a sério, é pegar nos caloiros a uma quarta-feira à tarde, quando nenhum tem aulas, e os leva até ao Jardim da Sereia, ou até ao Jardim Botânico (eu sou de Coimbra :-)) e se tem uma tarde de conversas e visitas com eles. O travesti que é pintar os caloiros, embebedá-los, pô-los a fazer tarefas domésticas, pô-los a cortar relva com uma tesoura, isso não é Praxe, mas sim a praxe que infelizmente muitos copiam e julgam que é o todo...

Mulheka disse...

Ah, então concordo ctg!
Quando li o post fiquei na duvida se achavas ridiculas as praxes ou a condenação.
Assim concordo ctg! ;)

iTec(A) disse...

nao compares algo que e uma brincadeira e que ninguem e forçado a nada!!! a uma violaçao

uma é brincadeira em que vais embora quando quiseres é so basar ninguem te impede!!!

violaçao nao tem nada haver, se desse para comparar seria legislado como crime!!!
e estar a generalizar a ideia de onde ha praxes ha violaçao é totalmente errado!!!e isso ja e preconceito!!

Anónimo disse...

também fui anti-praxe e além disso sempre gozei com os praxistas e boicotei algumas iniciativas dos morcegões... o traje académico sempre me arrepiou... nunca sofri retaliações pela minha posição.

Ivar C disse...

luis pinto, é o que eu acho também, para além de serem normalmente, uma antítese intelectual do que devia ser a vida académica. :)

mulheka, eu percebi... :)

ceptic, se leres com atenção vais ver que comparei no aspecto da relação agressor-vítima, e aí sim, tem a ver (e não haver).
as praxes normalmente criam vítimas, basta ler os jornais, mas o problema nem é só esse, é que aquilo a que tu chamas brincadeira nem o chega a ser, é só uma cambada de idiotas a gastar o dinheiro dos pais em festas sem sentido nenhum. :)

that's all folks, eu também sempre fui anti-praxe e nunca sofri retaliações... as retaliações são, normalmente, alguns desses morcegos não falarem connosco. Isso é uma dádiva. :)

iTec(A) disse...

As geraçoes anteriores eram muito pior a praxar, quase que ja nao ha comparaçao, por isso vai acabar por ser uma tradiçao que vai desaparecendo aos poucos!

agressoes verbais pode haver, mas responde se a letra que acalmam!!

por norma e so garganta e nem todos tem paciencia para aturar malucos!

:D

"...uma cambada de idiotas a gastar o dinheiro dos pais em festas sem sentido nenhum. :)"

qualquer festa e sempre bem vinda independente da idade que ja possa ter :D

e se algum dia tiver filhos espero conseguir proporcionar no minimo o mesmo tipo de educaçao e divertimento que tive!!!

:D

Depois têm toda uma vida para serem chatos e sérios e responsaveis...

bjs

Ivar C disse...

ceptic, falas da praxe como se fosse uma grande experiência na vida, quase indispensável para a formação dos teus eventuais filhos. Não é. Aliás, acho bem que lhes proporciones educação e divertimento à vontade. Aconselho-te, por exemplo, a tentar que eles saibam o que é ter amigos e a sair regularmente com eles, para poderem ter uma vida social equilibrada. Assim talvez possam ter esse divertimento a vida toda (como eu tenho, por exemplo) e não precisem de se tornar chatos e sérios (responsáveis acho bem que o sejam já em estudantes, e aí está um bom motivo para não gostar das praxes) depois. Bjs. :)

Miguel Ferreira disse...

Tem tudo a ver c a maneira como se encara as coisas... na minha praxe o que a gente fazia era cantar fazer umas macacadas e beber umas cervejas... mas la esta..depende muito da maneira como s encaram as coisas.... na minha maneira de ver encaixa na vida academica pois apesar de o objectivo principal seja a formaçao academica ha, a meu ver claro, mais do que apenas as aulas e os estudos... e nisso a praxe e essencial pois integra as pessoas no novo meio.... eu falo no meu caso pois e assim....
Sei que ha casos abusivos,e a culpa não e de certeza dos caloiros que nao falam, e esses casos devem ser denunciados e condenados... mas acho que umas pinturas ou macacadas nao sao abuso, sao simples brincadeiras que devem ser levadas dessa forma, e acho que as situaçoes de condenaçoes que tem vindo a publico sao coisas graves que nada tem a ver c o q normalmente s faz.....

Ivar C disse...

mike, eu só não acho que as praxes que vi enquanto estudante sejam a melhor forma de integração, nem sequer essas macacadas de que falas o são, mesmo que não sejam crime. De qq maneira não percebo pq é que alguém se pode achar no direito de pintar outra pessoa, por exemplo, mas pronto.
Se para a integração fosse preciso fazer estas fitas todas... sei lá, imagina os imigrantes, os novos deputados, etc... :)

Miguel Ferreira disse...

lol...pois....seria engraçado.... mas na minha nunca ninguem pintou ninguem... =) e acho que nas praxes "bem feitas" os caloiros sao aqueles que mais ganham e se divertem.... dai achar essencial =)

Ivar C disse...

mike, pois... mas a tua foi uma excepção, então. :)

Anónimo disse...

Desculpa fraquinha essa para deixar de gostar seja de quem for... ;) Mas estas coisas do coração nem sempre têm logica!

FRA - Frente Revolucionária Académica. O grito é uma constante lembrança da liberdade já que surgiu durante o Estado Novo quando nem os estudantes nem qualquer outra pessoa podia berrar o que apetecesse. Triste é que muitas vezes quem grita um FRA não saiba o que está a dizer. Eu, felizmente, sei. :)

Ivar C disse...

rds, lol :)

xico disse...

es ridiculo!