1.21.2016

se não morrer até lá

Se não morrer até lá, lá mais para o fim do ano este blogue faz dez anos. Terei quarenta e cinco nessa altura e, neste preciso momento, não faço a mínima ideia do lugar onde vou estar, com quem vou estar e a fazer o quê. Sei que cerca de vinte e dois por cento da minha vida foi a escrever regularmente nestas páginas brancas.

Isto é bom e é mau ao mesmo tempo. Quer dizer que a vida profissional me tem corrido um bocado mal nos últimos anos e que, no seguimento, a minha vida emocional também. Abri uma empresa de produção de filmes, formação em audiovisual e venda de equipamento que ainda está no princípio. É a minha área de formação e espero que até lá a coisa entre nos eixos e eu comece a fazer dinheiro suficiente para viver sem grandes preocupações. Não tem ajudado muito o facto de eu ter tornado a ficar sozinho, o que me surpreendeu e me deixou um bocado abalado. Tudo bem. Como sempre, as coisas recompor-se-ão.

Nem tudo é mau. Neste momento estou a escrever este texto com umas meias grossas calçadas que a minha filha me deu e acabei de receber uma mensagem a desejar-me um bom dia, com um sorriso à frente como aqueles que faço quase sempre nos comentários. Alguns amigos e a família têm sido um bom apoio nesta fase menos boa. Acho que no fim é sempre o que se mantém.

Lembro-me de quando comecei a escrever aqui. Andava triste por causa do fim da mais longa relação Amorosa que tive até hoje e usei a escrita como terapia. Fez-me bem. Foi através deste blogue que conheci, entretanto, algumas das pessoas que me são próximas, outras que já foram e já não são e também a minha mais recente companheira.

Tudo o que eu escrevo aqui é verdade, apesar de ser quase tudo mentira. A escrever tem que ser assim mesmo. Mente-se para dizer a verdade. Sei que quando leio textos antigos me lembro de como me sentia nessa altura ou momento e, por aí, nunca me minto.

Estou a dizer isto tudo por um motivo muito simples. No próximo dia quatro de Setembro voltarei aqui, a este texto, para me lembrar do que estou a sentir hoje. Se não morrer até lá, espero estar bem melhor.

14 comentários:

sendyourlove disse...

10 anos!?!?!?!? Então é por isso que quanto te leio sinto que te conheço tão bem! ... e também porque os nossos blogs nasceram com o mesmo objectivo... e sinto o mesmo quando leio os textos do inicio (que entretanto guardei em papel no fundo de uma gaveta e tirei da net, pois são de uma outra vida!).

Jacek Kustra disse...

Uma coincidencia é que comecei a minha vida profissional mais ou menos na mesma altura em que descobri o blog. Desde essa altura ler os teus textos tornou-se um habito diario a caminho (ou durante) o trabalho.

Apesar de nao nos conhecermos pessoalmente, muito obrigado pela companhia durante estes anos!

Abraco,
Jacek

S.o.l. disse...

:)
Como eu também não sei se até lá não morro deixo o meu abraço a ver se te sentes melhor hoje. Porque o hoje também importa ;)
beijinho

margarida rosa disse...

Boa sorte, Bagaço e força para ultrapassar todos os obstáculos, tanto profissionais, como os pessoais. Por experiência, sei que os amorosos o tempo se encarrega de os resolver . É novo, inteligente e bonito, outros amores esperam por si.Posso dizer isto, a idade já mo permite(64),tudo de bom para si, com um beijo desta que adora ler o seu blog.Margarida.

Bagaço Amarelo disse...

sendyourlove, exactamente. são mesmo de uma outra vida. sinto o mesmo... :)

jacek, eu é que agradeço. a presença e a companhia. :)

s.o.l., obrigado. na verdade é o hoje que importa. :)

margarida, obrigado. é por aí, sim. :)

São Rosas disse...

Espero que nos reencontremos aqui todos no dia 4 de Setembro de 2016.

Fatyly disse...

Já dez anos? Quando comecei a ler os teus escritos ainda existia um tal site de poesia e prosa, julgo no MSN que entretanto os mandantes deste mundo de cabos resolveram acabar com essa forma, dando tempo a que quem tivesse "matéria".

Não guardei nada, mas tu tinhas obra e havia desafios e concursos e quantas vezes serviste de jurado Sr.Ivar C?:):):):) talvez há uns 16/17 anos, lembras-te? Era um grupo enorme e que se esfumaram no tempo.

Depois surgiram os blogues. Visitava vários e passo a passo fui entrando na "coisa" e alguém fez um para mim e onde comecei até ao dia em que o meu velho pc ardeu e pouco ou nada recuperei.

Toca a construir um de novo e continuo.

A vida é isto e quase nos 65 anos digo-te apenas que a vida é de altos e baixos, que gosto imenso de te ler e vejo todos os outros teus blogues e tu com 45 não baixes a guarda e acredita.

Nunca te fiz perguntas sobre a tua vida e desejo apenas que vivas e aproveites o dia de hoje, porque o ontem já erae o amanhã logo se vê e acima de tudo tens a maior riqueza do mundo: a tua filha!

Beijos rapaz

Bagaço Amarelo disse...

são rosas, se possível com os copos. :)

fatyly, do que te foste lembrar... estive em quatro ou cinco sites assim. provavelmente há uns quinze anos, sim. beijinho. :)

São Rosas disse...

Se não houver copos, emborca-se pelas garrafas ;O)

Bagaço Amarelo disse...

são rosas, concordo. :)

redonda disse...

Espero que estejas sim e que dê para nos encontrarmos aqui então
um beijinho
Gábi

São Rosas disse...

Concordas? Eu até sem cordas ;O)

Inês disse...

Bagaço, já te li todos os dias, já demos um tempo, já voltei, já te deixei outra vez. Agora vemo-nos duas vezes por semana. Acho que encontrei um equilíbrio entre nós. Ler-te demasiado fragiliza-me. E eu tenho de manter esta postura supostamente forte. ;)

Bagaço Amarelo disse...

redonda, encontraremos... beijinho. :)

São Rosas, as minhas iscas, quer dizer, o meu fígado também. :)

Inês, Se encontraste um equilíbrio entre nós, encontraste mais do que algumas mulheres que já me foram íntimas. :)