4.10.2015

respostas a perguntas inexistentes (300)

Tenho quarenta e três anos. Gosto de uísque, de vinho e de café. Tornei-me merceeiro para tentar sobreviver a um período difícil da minha vida. De todos os sonhos que tive, sobra-me apenas um, o de manter permanentemente sonhos impossíveis de cumprir.
Um dos sonhos que deixei pelo caminho foi o de estar sempre apaixonado. Aconteceu-me quando tinha trinta e cinco anos e iniciei, para poder desabafar com estranhos, este blogue. Para além de todos os Amores que fui tendo, tive só dois. Esse de que já falei e aquele que vivo agora, nos dias difíceis que correm.
Quando alguém me conhece não sabe isto, mas conheça-se quem se conhecer há sempre dois parágrafos por trás, uma forma tão insuficiente quanto lúcida de se definir. Eu, aliás, também nunca conheço os dois parágrafos de quem passa por mim. Parto apenas do princípio que os tem.
Se eu pedisse a cada um dos leitores deste blogue para se definir em dois parágrafos curtos, tal como eu acabei de fazer, com certeza que todos o conseguiriam fazer. É isso que nos distingue uns dos outros. Quando pegamos na nossa vida inteira e a esprememos para um copo pequenino como se espreme um sumo ou uma laranja, o resultado é sempre diferente. É o nosso sumo, não o dos outros.
Tenho um enorme respeito pelos dois parágrafos de cada um de nós, apenas por saber que existem. Apesar de curtos, são normalmente uma construção de anos, com momentos deliciosos e outros sofridos. São um labirinto de razões e emoções, de risos e de lágrimas, de murros e de abraços. Todos nós somos assim, tão diferentes quanto iguais.
Parece pouco, mas quando nos apaixonamos por alguém à primeira vista, pouco mais temos do que esses dois parágrafos. O facto de nos conseguirmos apaixonar por meia dúzia de frases e com elas escrever um romance, às vezes mais longo outras vezes mais curto, torna-me optimista. Obrigado.
Acho que é isso o Amor.

14 comentários:

nos"entas!!!! ( e feliz) disse...

a dúvida de sempre...
o amor....
a sua existencia e permanência!!
Muito BOm, como sempre
Beijinhos Bagaço

Miss Smile disse...

Adorei o texto. Maravilhoso!E é verdade, todos somos assim, tão diferentes e tão iguais :)

Bagaço Amarelo disse...

nos"entas!!!! ( e feliz), obrigado. :)

miss smile, obrigado. :)

Lullaby disse...

nos 'intes', feliz e com esperança de chegar aos 'entas' com essa capacidade de reconhecer que amar é, a maioria do tempo, não saber! bom fim de semana bagaço :)

Bagaço Amarelo disse...

lullaby, boa. e olha que isso foi um só parágrafo. :)

AC disse...

Feliz quase sempre, insatisfeita, em constante busca. Não acredito muito no amor, mas acredito em pessoas que nos fazem felizes.

Brilhante este teu texto:))

Cisne disse...

É, realmente, uma ideia ideia bonita esta.

Bagaço Amarelo disse...

cisne, :)

Teresa Costa disse...

Verdadeiro, refletido, leve e cheio de esperança. Adorei :)

Bagaço Amarelo disse...

teresa costa, obrigado. :)

Maria Eu disse...

O amor entalado em dois parágrafos? Olha que até pode ser que sim. :)))

Bagaço, tu escreves com o coração!

Beijinhos. :)

Bagaço Amarelo disse...

maria eu, escrevemos todos, menos os notários. :) beijinhos.

Inês Silva disse...

Adorava ter um bocadinho da tua fluidez e jeito de palavras para escrever um comentário à altura dos teus textos, só consigo dizer que gosto muito e que me pões a pensar em coisas que por norma me escapam. Houve um texto que fizeste há meses sobre como é que nós nos lembramos das coisas e acontecimentos e volta e meia penso nisso - assim como outros que me ficam. Adorei este. Volta e meia faço esse exercício de me resumir em dois parágrafos e adoro a aventura que é ler esses dois parágrafos de alguém novo e excitante , com a sorte de criar uns novos em conjunto :)

Bagaço Amarelo disse...

inês silva, pela parte que me toca, o teu comentário está bem escrito e fluído. obrigado. :)