3.02.2016

pensamentos catatónicos (345)

a gestação do Amor

Nunca declarei Amor a ninguém antes dele me acontecer. Declarar um Amor antes do tempo é como fazer uma pergunta à qual o outro não pode responder negativamente. É uma pressão muito grande, convenhamos, levar com uma declaração dessas por parte de alguém de quem não gostamos assim tanto. Temos que escapar pelos intervalos da chuva com um atrapalhado "não estou preparado" ou "deixa-me pensar". Depois de um Amor acontecer e enquanto ele dura, seja um mês ou cem anos, tento tento declará-lo todos os dias. Antes disso não. 
A melhor forma que um Amor tem para nascer não é uma negociação serôdia e verbal, mas sim um caldeirão de impulsos, saliva e suspiros. Por isso mesmo é que a cama é o melhor sítio para declarar esse Amor. Depois de e não antes de. Chama-se intimidade e é um dos condimentos essenciais de qualquer paixão.
Antes do nascimento, porém, o processo do Amor não é um vazio. Muito pelo contrário, está na sua fase de gestação, que pode ter durações tão variadas quanto o próprio Amor em si. Na gestação do Amor não o declaramos, mas manifestamo-lo. Jogamos às escondidas querendo ser apanhados e interessamo-nos quando às vezes mostramos desinteresse, aproveitando cada momento como se tentássemos agarrar água e sofrendo cada ausência como se estivéssemos a perder uma guerra.
A gestação do Amor é essencial para percebermos se estamos apaixonados ou não. A cama também. Antes disso, não declaremos o que ainda não existe. 

5 comentários:

Belisa disse...

Fez-me lembrar um poema do PN. Aqui o deixo:

"Saberás que não te amo e que te amo
pois que de dois modos é a vida,
a palavra é uma asa do silêncio,
o fogo tem a sua metade de frio.

Amo-te para começar a amar-te,
para recomeçar o infinito
e para não deixar de amar-te nunca:
por isso não te amo ainda.

Amo-te e não te amo como se tivesse
nas minhas mãos a chave da felicidade
e um incerto destino infeliz.

O meu amor tem duas vidas para amar-te.
Por isso te amo quando não te amo
e por isso te amo quando te amo. "

pequeno caso serio disse...

Apenas uma palavra : M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O !

Bagaço Amarelo disse...

Belisa, gosto do Neruda. Muito mesmo... e do carteiro dele também. :)

pequeno caso serio, obrigado. :)

Ana Martins disse...

Mas porque é que os homens só gostam de dizer que amam depois do sexo? Se há beijinhos e abraços, é fácil verificar se há amor. E o sexo devia ser uma manifestação desse amor, não uma condição prévia. A única vez que fiz amor antes de declararmos o nosso amor, foi por estar mesmo muito apaixonada e não ter conseguido resistir. E depois do sexo diz-me ele.. estava tão ansioso para fazermos amor e poder dizer que te amo. E eu respondi.. e porque não disseste antes? assim esteve quase para não haver.

Bagaço Amarelo disse...

Ana Martins, "gostar" não será o verbo... e concordo que o sexo não é uma condição prévia obrigatória. Nem é isso que eu quero dizer... :)