4.08.2014

coisas que fascinam (168)

Nunca devemos desprezar um Amor de baixa intensidade. Foi a tua mão que me ensinou isto.
Na verdade, à distância de alguns anos, é da tua mão que me lembro tantas vezes. A tua mão que me agarrou numa rua qualquer de Lisboa, como se fosse uma bóia salva-vidas atirada a um náufrago. Era tão fina quanto forte e às vezes suava. É do que me lembro. É da tua mão. Da textura e do suor.

- Não largues! - disseste.

Não larguei.
Já não me lembro muito bem de ti, para ser sincero. Nem tu de mim, estou certo. O que eu queria era que te lembrasses da minha mão da mesma forma que eu me lembro da tua. As mãos são a prova dos nove de um Amor de baixa intensidade ou, como se diz às vezes, de uma paixoneta. Quem não se Ama nem um bocadinho, não dá as mãos durante mais do que alguns segundos. E nós demos.

10 comentários:

Tétisq disse...

Diria de 'alta intensidade', a baixa não chega lá...

Maria Varredora Pau de Vassoura disse...

Adorei o texto.
Adoro dar a mão, e curiosamente agora que penso, só dou a mão, a quem gosto mesmo.
Não falo de um simples toque, falo de dar e sentir a mão do outro.

...

gostei mesmo muito. :)

Anónimo disse...

Um amor é sempre um amor. Só se dá a mão a quem se ama. Nenhum amor deve ser desprezado.
E ponto.

Matilde

Olga disse...

Lindo. Deu para aquecer um coração gelado. :)

Fatyly disse...

Grande VERDADE e são esses gestos que alimentam o lado bom da vida!

Bagaço Amarelo disse...

Tétisq, :)

Maria Varredora Pau de Vassoura, obrigado. :)

matilde, :)

olga, :)

fatyly, obrigado. :)

Anónimo disse...

Deixaste-me a pensar, o meu namorado nunca quer dar a mão, diz que é uma chatice e que perde a liberdade de movimentos...

Bagaço Amarelo disse...

anónimo, pois... nem sei que te diga. :)

Estudante disse...

Das primeiras coisas que reparo nas pessoas são as mãos :)

Bagaço Amarelo disse...

estudante, já conheci quem tenha dito o mesmo. é giro. :)