4.23.2014

pensamentos catatónicos (304)

Há poucas coisas mais elucidativas do que uma boa conversa de treta. As conversas de treta, sejam elas sobre o estado do tempo, o campeão nacional de futebol ou a quantidade de açúcar dos bolos portugueses, são sempre conversas que só existem se todos os interlocutores as desejarem. Para que duas ou mais pessoas tenham conversas de treta têm, por isso, que se desejarem também entre si, pelo menos nesse momento em que conversam sobre coisa nenhuma.

Nunca me apaixonei nas Finanças, no Registo Civil ou no Notário. A razão é simples, são locais onde não há conversas de treta. A última vez que tirei o cartão de cidadão tive a felicidade de ser atendido por uma mulher bonita e a infelicidade de estar num local onde não há espaço para conversas de treta. Tudo o que ela me perguntou foi útil, tudo o que eu lhe respondi também. No Amor não há muito espaço para a utilidade.

Sobre o estado do tempo, por exemplo, eu sou incapaz de trocar uma só palavra com alguém de quem não gosto. Já com quem Amo posso estar a noite inteira a falar do Sol, da chuva, das nuvens e da precipitação. Com a vantagem de que também consigo estar em silêncio sem que o silêncio me incomode. A companhia de quem Amo é sempre uma contemplação e não há treta melhor do que saber isso.

Sei que uma mulher não gosta de mim o suficiente quando a convido para sair ou jantar e ela me pergunta para quê. Quando há um "quê" num convite para estar com alguém a coisa simplifica-se, mas tudo o resto desaparece. Se eu telefonar ao canalizador há sempre um "quê" muito simples. Uma sanita entupida, por exemplo. Se eu convido alguém para jantar é porque quero ter uma noite de treta.
O Amor é uma treta. Quando não é uma treta também já não é Amor. É uma utilidade.

7 comentários:

Anónimo disse...

Já acompanho o seu blog há bastante tempo.
Nunca comentei nada.
Já li aqui alguns textos que me emocionaram bastante e outros que me puseram lavada em lágrimas.
É certo que também já alguns houve que me fizeram rir.
Nunca lho tinha dito.
Hoje, não sei porquê, tive vontade de o fazer.
Só não entendo o nome do blog, se por tantas e tantas vezes me vi aqui retratada.
Obrigada!
Margarida

Na Mesma disse...

Adoro conversa da treta no amor mas também na amizade. E visto do teu ponto de vista, tal como o amor, a amizade não tem de ser uma utilidade.
Muita gente não a compreende assim.

Bagaço Amarelo disse...

margarida, obrigado pelas palavras. na verdade fazem-me sentir bem e menos só. :)

na mesma, com certeza que sim...há momentos em que não distingo sequer muito bem uma coisa da outra. :)

Mariana disse...

O terceiro parágrafo podia ter sido escrito por mim! :) posso partilhar mais uma vez?

redonda disse...

Incrível, comecei a ler o 1º parágrafo e pensei a última conversa de treta que ouvi foi ontem quando fui às Finanças :) depois li o 2º §...

EJSantos disse...

"No Amor não há muito espaço para a utilidade."
Ou se calhar até ha! :-)
Gostei muito do texto, fiquei bem disposto. Com este texto e com um anterior, sobre mapas.
Um abraço

Bagaço Amarelo disse...

mariana, claro. obrigado. :)

redonda, ainda ontem me diziam que não há coincidências. :)

ejsantos, obrigado. um abraço. :)