5.17.2013

respostas a perguntas inexistentes (253)

Até que enfim que é sexta-feira, disse ela. Eu não respondi e, para além da poupança nas palavras, tentei evitar a mais pequena reacção facial que fosse. Depois ela insistiu. Até que enfim que é sexta-feira, repetiu com o mesmo tom de voz. Por fim ficou a olhar para o fundo da chávena vazia.
Tomo café com a Cristina uma vez por outra. Na verdade, chamo-lhe a minha amiga dos cafés. Nunca saio com ela à noite, não vamos os dois ao cinema, nem sequer jantamos juntos uma vez que seja. Tomo café com ela de vez em quando, sempre depois do almoço. É que à noite noite, diz ela, gosta de ficar em casa sozinha.
Até que enfim que é sexta-feira, repetiu. Eu costumo sorrir. Menos hoje. Depois ela pediu-me explicações para o silêncio. Não me agrada a ideia de que a vida seja isto: andar cinco dias a suspirar pelo sexto. Pagámos os cafés, saímos, despedimo-nos e afastámo-nos. Telefonou-me três minutos depois a perguntar se podemos jantar um dia destes. Que sim, respondi.


5 comentários:

São Rosas disse...

"Até que enfiem que é sexta-feira..."? Nos outros dias da semana não enfiam?!

;O)

Eli disse...

Simples. :)

Bagaço Amarelo disse...

são rosas, obrigado :)

eli, :)

Malena disse...

Até que enfim... Jantar! :)

Bagaço Amarelo disse...

malena, parece-me bem, a mim. :)