1.03.2013

respostas a perguntas inexistentes (241)

- Um dia destes ainda havemos de jantar os dois! - disse-me ela.

Fiquei a pensar naquela fracção de tempo, "um dia destes", tão pequena quando comparada com a minha vontade estar com ela. Mais pequena ainda do que isso, já que nesse dia se reduziria a um jantar. Lembrei-me duma música que ouvira no carro uns minutos antes, numa rádio que só passa canções dos anos oitenta, e que dizia que "a culpa é da vontade que vive dentro de mim e só morre com a idade, a idade do meu fim".

- Um ano destes ainda havemos de nos Amar os dois! - respondi-lhe.

A partir desse momento perdi a coragem de a fitar nos olhos. Não porque me apetecesse fugir, mas sim porque passei a sentir-me um invasor. Estávamos a lanchar e ela escondera o sorriso tímido por trás duma chávena de chá fumegante. Esperei um pouco e passeei o meu olhar por todos as coisas desinteressantes daquele café de esquina até a ouvir dar sinal de vida.

- Uma vida destas ainda havemos de nos Amar os dois! - insistiu ela.

Foi a primeira vez que demos as mãos um ao outro e durante dois meses vivemos um Amor eterno.

5 comentários:

Eli disse...

Por isso é que dizem "seja eterno enquanto dure". Eu sou obrigada a concordar, porque são os factos que mostram isso mesmo. Se não for "eterno", que não dure. Acabo com ele por causa disso.

Bagaço Amarelo disse...

eli, exactamente, eterno enquanto dure... :)

redonda disse...

Gostei
(e pensar, que quando eu digo "um dia destes" parece antes que o dia nunca mais chega).

AC disse...

São pequenas oportunidades de ser feliz e tudo se resume a isso, pegar ou largar.. depois a vida encarrega-se de fazer o resto.

Bagaço Amarelo disse...

redonda, obrigado. também se pode ir por aí, sim. :)

ac, encarrega sempre, de facto. :)