6.25.2013

respostas a perguntas inexistentes (257)

Dizem que é preciso algum tempo para perceber se se gosta de alguém. Eu concordo que às vezes sim. Outras vezes não.
Com a Irina, por exemplo, foi uma questão de espaço e não de tempo. Por isso é que decidi em dez minutos que não gostava dela. Não gostar dela não significa detestá-la ou ter algum sentimento negativo por ela. Significa apenas que a obrigatoriedade de gostar, para poder sair com ela uma segunda vez, não se cumpriu.
A porta da pastelaria Bissau, mesmo em frente à estação de comboios de Aveiro, é pequena. Por ela passa apenas uma pessoa de cada vez. Há mais cafés ali, mas eu teimo em ir à Bissau sempre que estou naquela zona. Ela perguntou-me porquê, ao telefone, quando combinámos um encontro para eu lhe entregar um saco que uma amiga comum me pedira. Eu expliquei-lhe, sem pensar muito no assunto, que é a pastelaria mais antiga por ali.

- És um tipo estranho! - disse ela.

Fiquei a saber que era estranho eu escolher sempre os cafés e pastelarias mais antigos quando existe a possibilidade de optar. Sempre o fiz e ainda hoje o faço, pelo que me limitei a confirmar que, se por ela não houvesse inconveniente, era na Bissau que eu queria tomar café e fazer a entrega.
Quando, no dia seguinte lá cheguei, ela já lá estava. Reconheci-a pela camisola amarela que ela tinha prometido levar como sinal e, por isso, depois de me apresentar, sentei-me na cadeira em frente. Dei-lhe imediatamente o saco e iniciámos uma conversa de circunstância.
Por norma gosto muito de ter conversas de circunstância ou, como se diz por aí, conversas de treta , arrotar postas de bacalhau (nunca percebi esta), etc. Aquela também não correu mal. No que diz respeito a trivialidades, tanto eu como a Irina mostrámos alguma capacidade de comunicação. Isto para não dizer mais.
O meu problema com ela, se é que se pode chamar problema ao facto de perdermos a vontade de estar com alguém pela segunda vez, foi perceber que ela manteve sempre as pernas esticadas, de tal forma que quem queria ir à casa de banho tinha que pedir por favor para as encolher, o que aconteceu três ou quatro vezes enquanto conversámos, tanto a entrar como a sair. Eu não lhe disse nada, mas comecei a sentir-me incomodado com aquilo. Não percebia por que motivo ela não se virava um pouco e esticava as pernas para outro lado, de forma a não incomodar os clientes que queriam ir aos lavabos.
A conversa acabou e ela levantou-se primeiro do que eu para, por amabilidade, pagar a despesa toda (dois cafés e uma água com gás). Eu, depois de ter apertado bem os atacadores dos sapatos, reparei que ela tinha parado exactamente na pequena porta da pastelaria para se assoar duas ou três vezes, fazendo esperar uma mãe com duas crianças que queriam entrar.
Foi já cá fora que lhe expliquei, mais em jeito de explicação do que zangado, que gosto de pessoas com noção de espaço público. Detesto ver automóveis estacionados em segunda fila, por exemplo, da mesma forma que não suporto ver pessoal deitado em dois lugares num comboio repleto de pessoas em pé. Fico incomodado e, por norma, reajo.

- És um tipo estranho! - disse ela.

10 comentários:

Anónimo disse...

Isso não é ser estranho, é sim ter se noção de respeitar para se ser respeitado incomada me gente assim, ela não têm educação....

EU SOU EU disse...

" Vocês riem de mim por eu ser diferente, e eu rio de vocês por serem todos iguais. " - Bob Marley

Saber o que gostamos, saber o que queremos, saber o precisamos para que o sorriso esteja no nosso rosto é óptimo... Estou contigo... acrescento que "detesto" também pessoas que olham para outras com desdém, apenas porque não gostam do aspecto... pessoas que têm a mania que são mais ou superiores aos outros...

Abraço... Um dia bebemos um café na Bissau....

Bagaço Amarelo disse...

anónimo, quero acreditar que às vezes é só ausência... :)

eu sou eu, vou lá quase com alguma frequência. :)

Jasmim disse...

...eis um tempo em que quem respeita o espaço público e quem o rodeia é um ser estranho...um démodé...por mim, vivam os tipos estranhos:)

Bagaço Amarelo disse...

jasmim, obrigado. :)

Flutuações da mente disse...

Partilho a tua "esquisitice" na boa.

Maria disse...

Pois. Para mim pessoas como a Irina é que são pessoas estranhas, estranhas e com pouca educação.


Bagaço Amarelo disse...

flutuações da mente, obrigado.:)

maria, :)

Olga disse...

Educação e respeito pelos outros de facto é das coisas mais estranhas que se pode encontrar nos dias de hoje...

Bagaço Amarelo disse...

olga, por acaso... :)