3.12.2014

coisas que fascinam (166)

Um destes dias um amigo perguntou-me porque é que eu, se estou apaixonado, continuo a viver sozinho. A minha resposta foi imediata. É por isso mesmo, porque estou apaixonado.
Aprendi com a vida (a minha, não a dos outros) que a eternidade do Amor é uma mentira. É por isso que, quando me acontece Amar alguém a sério, tento que esse Amor se prolongue por toda a minha finitude. É que o Amor é finito, tal como cada um de nós. O meu objectivo é que o meu Amor e eu próprio possamos morrer no mesmo instante. Não é um jogo, é por ser mais feliz assim.
Se não tivermos cuidado, o Amor vai-se mais depressa do que um gelado numa tarde de Verão, daqueles que sabem muito bem mas se derretem na própria mão.
É que o mais difícil no Amor é precisamente que Amar não chega para nada. Amar, só Amar, é igual a zero. Talvez até menos que zero.
Quando dizemos ou pensamos que Amamos alguém, estamos apenas a dizer ou pensar que queremos ser Amados por esse alguém. É por isso que o Amor não é uma dádiva nem uma partilha. É um pedido, é uma exigência, é um amuo perante os dias que passam.
Eu cá, quando sou Amado, ou pelo menos sinto que sim, pego no meu gelado e vou saboreá-lo para a sombra tão devagar quanto possível. É só isso.

13 comentários:

Pipoca disse...

Adorei o texto e deve ser esse o meu problema. Quando estou numa relação tento viver ao máximo. Sinto que pode terminar a qualquer instante e tenho de a aproveitar.. Deve ser por isso que ainda não consegui manter nenhuma relação...Tenho de trabalhar nisso :)

Bagaço Amarelo disse...

pipoca, eu também quero o máximo. :)

Mariana disse...

Texto fantástico e uma excelente explicação :D Posso partilhá-lo no meu blog?

Bagaço Amarelo disse...

Mariana, claro. Obrigado. :)

Teresa Costa disse...

Concordo totalmente com esta ideia. Também já tinha chegado a essa conclusão. Ainda me falta, no entanto aprimorar os timings e as dosagens ;)

Bagaço Amarelo disse...

Teresa Costa, é uma questão de logística, às vezes. :)

Anónimo disse...

Tão bonito.

Matilde Santos

Bagaço Amarelo disse...

matilde santos, obrigado. :)

Olga disse...

Não percebo nada de amor mas concordo a 100%. Se algum dia batesse com a cabeça na parede e devido ao traumatismo ficasse temporariamente insana ao ponto de achar que amava alguém era exactamente assim que iria fazer. Cada um na sua casinha e disfrutar ao máximo...enquanto durar.

Bagaço Amarelo disse...

olga, dura mais e não te chateias. :)

redonda disse...

O amor será eterno enquanto dure...mas continuo a querer que haja amores que duram mesmo para sempre.

PT disse...

Finalmente leio alguém que sabe que o «Amor» é interesseiro... Egoísta. E finito tb julgo ser, muito mais ainda se o convívio for eterno e diário. Manter mistérios e espaços... é bom. Mas talvez existam os infinitos por aí. Só não acredito muito nisso. Nã.

Bagaço Amarelo disse...

redonda, o próprio "para sempre" também não existe. :)

pt, o infinito é uma invenção da ficção. :)