9.27.2013

serpentinas

Era um dos meus passatempos de criança. Durante a época carnavalesca, eu e o meus amigos da rua onde cresci abríamos um saco de serpentinas, desenrolávamos uma a uma e passámos a tarde a deixá-las ir nas antenas dos automóveis que passavam. A técnica era fácil, mas apurada. Cada um ficava numa das margens da rua com a serpentina esticada. Quando víamos um carro ao longe, se ele trouxesse antena (dantes só alguns automóveis é que tinham rádio), tentávamos que ela engatasse na serpentina e ficávamos a vê-la ir até aos limites do nosso mundo, ou seja, até à primeira curva.
As cores das serpentinas era normalmente um pouco apagadas, como se tivessem secado ao Sol durante décadas. Além disso variavam pouco. Havia o vermelho, o amarelo, o azul, o verde e, tanto quanto me lembro, a coisa ficava por aí. Mesmo assim eram essas as serpentinas dos meus sonhos. Na minha cabeça, os carros que as levavam nunca mais paravam. Com ela acabariam por colorir todas as regiões do mundo.
Lembrei-me desta minha sensação de criança há uns dias atrás, quando, com uns colegas meus da política, ocupei um lugar de estacionamento numa das principais avenidas de Aveiro e o ajudei a transformar num espaço verde. Hoje os meus sonhos são outros, mas tenho essa sorte de ainda conseguir sonhar. Sonho, por exemplo, que todos tenham direito ao que é fundamental, como a água, a mobilidade, a educação, a saúde, o lazer, o trabalho e... enfim. a própria vida.
Por isso mesmo, por causa desses sonhos, é que não tenho vindo aqui. Durante as últimas semanas tenho estado envolvido com a campanha do Bloco de Esquerda em Aveiro e foi por isso arranjei uns minutos para vir aqui escrever agora. É que pelas ruas só tenho encontrado desânimo e tristeza, o que eu compreendo perfeitamente. Também estou estou desempregado, por exemplo. Também eu pago a segunda água mais cara do país, também eu tenho uma filha a crescer num país onde não se vê futuro.
O que eu não compreendo é a desistência. Ouço demasiados jovens a dizer que desistiram da política, que não votam, que não querem saber. Cada um dos que diz isto, cada um dos que desiste em nome de nada, está a contribuir para que quem nos rouba há anos continue a fazê-lo por muito mais tempo. E era só isso que eu queria dizer-vos hoje. Não desistam, pelos vossos sonhos!
No Domingo saiam de casa, vão até às urnas e votem. Não vos estou a dizer para votarem no Bloco. Estou a pedir-vos que votem de forma consciente, que não deixem que os outros falem por vocês. Só isso. E se tiverem tempo e paciência, deixo-vos aqui alguns vídeos do que fomos fazendo por aqui nestas duas semanas.





6 comentários:

Salsa disse...

o problema é a impunidade com que a politica e os politicos actuam, actualmente mais do que em outros tempos vamos tendo conhecimento das varios esquemas que os politicos utilizam para se beneficiarem a si as suas familias. eu tambem sou um dos que ja acreditei na democracia e no sistema judicial, mas nos tempos que correm e com os varios exemplos que tenho tido por parte destes orgãos de soberania que eu considero os cancros da sociedade pois chegamos onde chegamos devidos a eles.

existem ainda politicos, delegados do ministerio publico e juizes que dão o corpo e a cara pelas populações que juraram defender e ajudar mas esses são muito poucos.

eu mais uma vez vou votar porque confor-me tu disses-te no teu texto não vou deixar na mão dos outros aquilo que posso decidir por mim.

um abraço e boa sorte nas urnas.

nos"entas!!!! ( e feliz) disse...

Olha que bem que estás nas filmagens sim senhor!!!
Fico orgulhosa de ti!!
Mas, não me leves a mal...eu e a politica, enfim... é aquele desamor pegado :)
BOA SORTE!! beijinhos

sam disse...

É verdade amigo.
Estamos num pais sem futuro, enquanto não acabar os roubos de colarinho.
Boa sorte nessa luta

Bagaço Amarelo disse...

salsa, obrigado. não desistas. :)

nos"entas!!!! ( e feliz), obrigado. :)

sam, obrigado. :)

EJSantos disse...

"Hoje os meus sonhos são outros, mas tenho essa sorte de ainda conseguir sonhar. Sonho, por exemplo, que todos tenham direito ao que é fundamental, como a água, a mobilidade, a educação, a saúde, o lazer, o trabalho e... enfim. a própria vida."


Sim, também é o meu. Que o dinheiro dos impostos sirva para o bem das pessoas, e não para o bemm de uns poucos oligarcas corruptos ligados ao partido do arco da corrup... ups, queria dizer, governação.
EJSantos

Bagaço Amarelo disse...

ejsantos, de facto é isso ejsantos. só isso... :)