2.26.2015

respostas a perguntas inexistentes (297)

o mais pequeno Amor

Ainda ontem ouvi alguém falar do grande Amor da sua vida. É claro que o tamanho importa, por isso é que todos procuram esse grande Amor. Nunca ninguém deseja um Amor pequeno, porque à falta de mais conhecimento sobre o assunto, sobra o tamanho. O tamanho é o primeiro objecto de análise. Vivam os grandes Amores.
Eu também sempre quis um grande Amor, até ao dia em que percebi que os melhores Amores são os pequenos que, por serem menores, também são difíceis de encontrar. No dia em que decidi que precisava de um pequeno Amor vivia um grande, enormíssimo, Amor. Tão grande que ocupava o espaço todo, incluindo o de uma praia invernosa e deserta onde eu tinha caminhado sozinho toda uma tarde, apenas porque a solidão também é uma necessidade.

- Onde é que andaste o dia todo? - Perguntou-me.

Voltei a essa praia já a pensar em como desejava um Amor mais pequeno, daqueles que não são óbvios e que, para termos a certeza que existem, precisam de uma lupa ou até de um microscópio. São os Amores de pormenor, que por serem pequenos não exigem nada. Dão é tudo. É o pormenor de uma mão dada, de um segredo ao ouvido ou de um abraço. Ninguém vê, a não ser quem o sente.
Há alguns anos que vivo o mais pequeno Amor da minha vida. Assim, porque não quero outro.

9 comentários:

Maria das Palavras disse...

Puseste a pensar nisso: http://daspalavras.blogs.sapo.pt/das-expressoes-um-grande-amor-151418

O que descreves não é um amor pequeno. É amor. Só isso.

Bagaço Amarelo disse...

Maria das Palavras, exacto. obrigado por me entenderes.

David disse...

O que interpretei das tuas palavras é a harmonia no amor, para a qual se pode usar a analogia do tamanho, como fizeste muito bem. :)

Luiza Paim disse...

... suspiros...

Bagaço Amarelo disse...

David, obrigado. :)

Luiza Paim, :)

Cláudia Leister disse...

Que lindo!!!

Você me dá licença pra reproduzir um poema de Mário Quintana que me veio à lembrança ao ler seu texto?

"Bilhete"

"Se tu me amas, ama-me baixinho
Não o grites de cima dos telhados
Deixa em paz os passarinhos
Deixa em paz a mim!
Se me queres,
enfim,
tem de ser bem devagarinho, Amada,
que a vida é breve, e o amor mais breve ainda..."

Um abraço e ótimo final de semana!

Bagaço Amarelo disse...

cláudia leister, obrigado mesmo. já tinha lido esse poema e já me tinha esquecido. soube-me bem lembrá-lo... :)

Ella e o Gato disse...

Talvez um dia encontre um amor pequenino para mim também. :)
Ella

Bagaço Amarelo disse...

ella e o gato, às tatas, um Amor pequeno não se procura, mas encontra-se na mesma de vez em quando... :)