10.31.2006

pensamentos catatónicos (22)

ando a precisar que a vida me corra melhor.

dia das Bruxas

O concílio de Verona, em 1183, criou a Inquisição. A alavanca para este concílio foi uma religião cristã nascida em França pouco tempo antes, o catarismo, e que a igreja católica viu como uma ameaça. Nada mais do que isso. Com os anos, no entanto, e porque na Europa se confundiam facilmente o poder político com o poder religioso, a Inquisição tornou-se a principal arma do Vaticano, e durante séculos torturou e matou vários dos seus inimigos, ou quem ela considerasse inimigo, acusando-os de heresia. O Papa Papa Gregório IX, em 1233, editou as duas bulas que marcam o início desta nova vaga de terror.
Em Portugal A Inquisição é introduzida no reinado de D. João III, em 1536, e apenas com Marquês de Pombal, a Inquisição passa a ser igual a qualquer outro tribunal régio, deixando de efectuar a censura da imprensa, ao mesmo tempo que se aboliu a distinção entre cristãos-novos e cristãos-velhos. Com estas medidas, o Tribunal do Santo Ofício perdia toda a sua importância, até que veio a ser extinto em 1821.
Bruxa, em sânscrito (uma língua clássica da Índia antiga ), quer dizer mulher sábia ou sabedoria feminina, e por algum motivo a Igreja católica, através da Inquisição, elegeu as mulheres sábias como inimigas a abater (o Código Da Vinci apresenta uma tese sobre isto). As bruxas foram implacavelmente caçadas durante toda a Idade Média. Para identificar uma bruxa, os inquisidores comparavam o peso de uma mulher ao peso de uma Bíblia gigante, as que eram mais leves eram consideradas bruxas pois dizia-se que as bruxas adquiriam uma leveza sobrenatural.
Amanhã, quarta-feira, é o dia das Bruxas. Originalmente nem sequer tem nada a ver com elas, mas apenas com as celebrações pagãs dos antigos povos celtas. É certo que também é o dia de todos-os-santos. Para mim, no entanto, devia ser o dia das Bruxas, mas mesmo, mesmo das Bruxas.

fontes
wikipedia
Infopédia. Porto: Porto Editora, 2003-2006.

conversa 32

(por sms)

Eu - Sais logo?
Ela - Não

conversa 31

(com um grande amigo, no google talk, depois de uma noite solitária de copos)

Ele - A ***** deu-te notícias?
Eu - Nada... zero. Por isso é que estou fodido.
Ele - nao te metas com gajas estranhas, Ivar.
Eu - Acho que as gajas são todas estranhas.
Ele - Não são todas estranhas, tu sabes disso.
Eu - sim, mas esta é que me bateu...
Ele - Esta bateu-te por que tu estás a ajudar. é muito da tua cabeça, e tu sabes disso melhor do que eu.
Eu - Sei lá, se calhar a ***** não é estranha. Eu é que sou. Hoje a *** deu-me um abraço e eu nem correspondi lá muito.
Ele - A *** é estranha, porque é que só aparecem gajas estranhas à tua volta?
Eu - Foda-se, ainda por cima a ******** telefonou-me hoje.
Ele - E aí? Ela quer ver-te?
Eu - Queria saber como eu estava, se alguma coisa tinha mudado em relação a ela.
Ele - pois... fodido.
Eu - Não posso ir para a canma com a ****** outra vez. depois é uma merda.
Ele - sim, não vás para cama com alguém por pena, isso era mto mal.
Eu - Não era por pena, a não ser de mim, talvez... tou um bocado na merda, hoje.
Ele - talvez amanhã estejas com a ****, talvez.
Eu - talvez, vamos ver... mas é sempre a mesma merda.
Ele - não fiques assim tão em baixo, Ivar. Vai com calma.

10.30.2006

pensamentos catatónicos (21)

Não gosto da mulher de quem devia gostar.

mulheres que eu gostava de poder não compreender (21)



nome: Lady Kier
origem: EUA
Info: Nasceu em 1969 e formou o grupo Deee Lite. Quem é que nunca, em determinado momento da vida, cantou baixinho o “groove is the heart”? Além disso é uma mulher retro, e isso é giro. Pronto.

o síndrome do divorciado

Sim, hoje é segunda e eu detesto segundas. Também detesto terças, quartas, quintas, sextas, sábados e domingos, mas isso não interessa nada. Detesto segundas e hoje, para cúmulo do azar, é segunda. Segunda é o dia do síndrome do divorciado, porque no domingo (dia que também detesto) tiveram-se conversas de merda em que um divorciado se farta de ouvir merdas que, para além criarem uma fininha dor de barriga, têm enormes efeitos colaterais no dia seguinte.
A primeira coisa que não se pode perguntar a um divorciado é se ele batia na mulher, assim, por estas palavras. Foda-se, pá! Para que é que caralho me perguntam isso? Mas eu tenho ar de presidente da Câmara Municipal de Marco de Canavezes?! E porque é que se depreende que, sempre que há um divórcio, a culpa é do gajo que só fez merda?! Vá lá, deixem-me em paz.
Mas pior que isto, muito pior, é a merda da experiência. Normalmente são gajos a dizer isto: - “Opá, tu agora és um gajo com experiência e elas gostam disso... vão-te cair ao pés”. Primeiro, felizmente ainda ninguém me caiu aos pés, senão tinha que me baixar para dar uma ajuda e as minhas costas já não são o que eram. Segundo, a única conclusão que a minha experiência tira é que a experiência é tão importante como um pente para um careca, ou seja, nada. Experiência em quê? Em pendurar contas da luz e da água num quadro de cortiça? Em disputar hora e meia de televisão para poder ver o Beira-Mar a perder mais um jogo? Mas qual experiência? Digam-me por favor...
Para ser sincero, o desespero é tal, que já pensei em comprar uma caixa de palitos e sair ao engate enquanto faço dançar um nos lábios, tipo uma cena do gato fedorento que vi uma vez. Aproximo-me duma miúda qualquer e ofereço-lhe um copo (de cerveja, porque esta merda da experiência deixou-me tesinho que nem um carapau): Se ela recusar eu avanço logo: - “O que tu queres sei eu...”. É assim... resulta de certeza, pá.
Hoje é segunda e eu sofro do síndrome do divorciado. Já viajei de comboio com a cabeça encostada à janela, assim como quem desistiu de olhar para os ninhos de cegonha que vivem nos postes da EDP e que acompanham a linha. Aliás, cada vez que penso na EDP, só penso em contas e nos quinhentos aquecedores que a minha ex-companheira ligava todas as noites, e que agora, por causa duma merda qualquer a que chamam média ponderada, me dão uma conta que eu nem tenho coragem de dizer. Quinhentos aquecedores era no Verão, no Inverno nunca os consegui contar... Depois dizia-me para ir dar uma volta, se eu quisesse. E eu ia.
Hoje é segunda e eu sofro do síndrome do divorciado. Logo de manhã estive com ela, com a minha ex, e ela disse-me logo, mal saí do carro que já cheira a cotão: - “Estás tão bonito, estás mesmo bonito.”. Deixa-me ver se percebo. Há uns dias disse-me que nunca tinha deixado de gostar de mim, hoje diz-me que estou bonito. Às tantas vai voltar às explicações esotéricas para o nosso divórcio, tipo “estamos eternamente ligados mas não nascemos um para o outro”. Eu não nasci, definitivamente, para ser cliente da EDP. Mas sou, a sério que sou. Epá, preciso de silêncio.
Hoje é segunda e eu sofro do síndrome do divorciado. Acho que os dias me estão a passar entre os dedos como areia fininha, da qual só me restam uns grãos pequeninos à noite, e à segunda é o dia em que sinto essa merda com mais intensidade, principalmente porque tenho que dedicar parte do meu tempo precioso a um emprego merdoso em que, como é só intelectuais à minha volta, nem sequer posso festejar os três golos do Buba contra o Sporting. Só posso falar do livro que tenho na mesa de cabeceira (eu nem tenho mesa de cabeceira, é mais um sofá que não cabia na sala da gaiola onde vivo), e que me anda a chatear à brava.
Hoje é segunda e eu sofro do síndrome do divorciado. Já pensei em meter um anúncio numa empresa dessas que arranjam casamentos, mas uma do Uzbequistão ou de Burkina Fasso. Sempre dava para, mesmo que a coisa corresse mal passado algum tempo, não levar com a merda das cegonhas nas merda dos postes da EDP, ao longo da merda da linha do comboio, enquanto me dirijo para a merda do emprego. Pronto, tirando isto está tudo bem. Tenham uma boa merda de segunda-feira.

pensamentos catatónicos (20)

1] Por muito que gostemos duma mulher, há sempre qualquer coisa nela que não gostamos. Por muito que acreditemos que ela gosta de nós, temos sempre qualquer coisa que ela não gosta.
2] Custa-me estar fisicamente próximo da minha ex-mulher, e o pior é que tenho que estar muitas vezes.
3] Quando é que chegam as férias?

10.29.2006

calma

Tenho amigos com quase só falo sobre mulheres. Tenho amigos com quem gosto de falar sobre mulheres, tenho amigos com quem não gosto de falar sobre mulheres.
Um dos amigos com quem quase só falo sobre mulheres e que, por acaso, até costumo gostar de falar com ele sobre mulheres, diz-me que não devo investir numa só pessoa. Que assim fico dependente e as coisas podem correr mal dum momento para o outro, até porque a pessoa em que eu gostava de investir anda silenciosa. Demasiado silenciosa para o que já se passou, insiste ele.
Não sei, respondo-lhe, não sei mesmo. Até posso investir em mais do que uma pessoa, mas não em simultâneo. É que na verdade nem sequer consigo fazer isso. Vou esperar um bocadinho e tentar manter alguma calma. Depois logo se vê, concluo.
Esperar, esperar, esperar. Olha-me com pena (detesto isso). És capaz de passar o resto da tua vida a esperar, diz depois, e remata que eu devia deixar de olhar numa só direcção. Que nem percebo o que me anda a passar ao lado.
Coço o nariz (faço isso às vezes). Digo-lhe que se não percebo é porque, em princípio, não vale a pena perceber.
Vamos depois beber um fino numa esplanada, que está bom tempo. A minha filha brinca a cinco metros de nós. Ele está com pena de mim, lá no fundo. Eu estou com pena dele, lá no fundo. É uma merda quando temos pena uns dos outros, penso. É certo que há alguma coisa que está mal, ou nele, ou em mim, ou em ambos (o mais provável). Mas sim, vou esperar, tentar manter a calma e depois logo se vê.
Tens a certeza? - Pergunta-me. Tenho, e bebo mais cerveja. Não percebes mesmo nada de mulheres, diz-me. Pois não, respondo já impaciente, foi muito tempo a viver com a mesma pessoa, mas a verdade é que me soube bem. Faz-se silêncio e eu dou mais um tiro: mesmo quando me soube mal, soube-me bem. Ele ri-se. Eu nem por isso.
Diz-me que a ***** não gosta de mim, e trata-me por pá. Parte para outra, insiste de novo.
Não... vou esperar, vou manter a calma.

mulheres artistas que não compreendo (10)



Marina Abramovic


Nasceu em 1946, em Belgrado. Actualmente vive e trabalha em Amesterdão.
Abramovic é, realmente, incompreensível, mas também incontornável depois de a conhecer. Em 1988 percorreu, na Grande Muralha da China, 2000 km em 90 dias até encontrar o seu companheiro de vida, Ulay, que havia feito o mesmo a partir do extremo oposto da muralha. Fizeram isto para se separarem após esse encontro, para sempre. Esta encenação dava forma à dor da separação, como se esta fosse apenas uma inevitabilidade das leis da vida.
Marina e Ulay realizaram várias performances juntos até este dia. Correram repetidamente atirando-se contra uma parede, até à exaustão, em “Interrupção no Espaço” (1977); esbofetearam-se um ao outro até um deles não aguentar mais, em “Claro/Escuro” (1977 também).
Já sozinha, ganhou um prémio na bienal de Veneza em 1997 onde, rodeada por três projectores de vídeo mostrando-a com os seus pais, mais três taças de cobre cheias de água, se sentou e limpou 1500 ossos de gado enquanto cantava canções da sua infância. Esta performance foi uma abordagem à guerra na Bósnia.
Para ela, manter o corpo e a alma juntos, é igual a permanecer vivo.

10.28.2006

Pensamentos catatónicos (19)

Ando tristinho. Obrigado Buba! Sempre foi uma ajuda...

10.27.2006

conversa 30

(ao balcão do Clandestino)
Ela – Já li o teu livro...
Eu – Conseguiste chegar ao fim? Parabéns...
Ela – Sim, foi fácil. Acho que... como é que posso dizer? Talvez... Pareceu-me... eu não sou muito esclarecida nestas coisas, mas acho que... ora bem...
Eu – Não te preocupes. Lá porque eu escrevo e tenho óculos de massa não sou o Carlos Pinto Coelho.
Ela riu-se.

génio

[contaram-me esta anedota esta noite]

Um tipo encontrou uma lâmpada mágica, esfregou-a e viu sair de lá o génio da lâmpada.

Génio – Homem, concedo-te um único desejo... pensa bem.
Homem – É fácil. Sempre quis ir visitar as ilhas do Pacífico mas tenho medo de andar de avião. Quero uma auto-estrada, sem portagens, daqui de Portugal até lá, com saídas para todas as ilhas e ilhotas que lá existirem.
Génio – Tás maluco?! Isso não é possível. Nem um génio como eu é capaz disso... pensa lá noutra coisa qualquer.
Homem – Humm... bem... sempre quis compreender as mulheres. Pronto, faz-me só isso, explica-me a maneira de pensar das mulheres.
Génio – Olha lá, tu querias a auto-estrada com duas ou quatro vias?

Pensamentos catatónicos (18)

Sms recebido (2:08 da manhã): “Obrigado p tudo. Ao contrário de ti, conto pelos dedos das maos as pessoas a kem chamo amigo. N és apenas + 1. Leva o tempo k kiseres, vou estar à tua espera".

Não percebo as mulheres, não percebo as mulheres, não percebo as mulheres, não percebo as mulheres, não percebo as mulheres, não percebo as mulheres...
Hoje vou ver o Beira-Mar – Sporting e chamar filho duma grande cabra ao árbitro. Ele que me perdoe...

10.26.2006

mulheres que eu gostava de poder não compreender (20)



nome: Sinéad O'Connor
origem: Dublin, Irlanda
Info: Nasceu em 1966 e conheci-a no "Lion and Cobra", de 1987. Na altura fiz uma viagem ao Porto só para comprar o disco.
site

conversa 29

Eu – O Diário de Aveiro e o Público, por favor…
Ela (dando-me os jornais e recebendo uma nota de 5 euros, muito simpática)– O Diário de Aveiro e o Público…
Eu – Queria recibo, por favor…
Ela (deixando cair a simpatia) – Quer recibo?! Para quê? Ninguém pede recibos de jornais. Não servem para nada.
Eu – Eu peço!
Ela (com uma cara de cu) passou-me o recibo.
Eu (só em pensamento) – Foda-se!

cenas de gaja | com força e até ao fundo

Pronto, admito, não há forma de não compreender esta mulher.

10.25.2006

vizinhos

Estava a pôr a roupa a secar, com a vizinha do prédio da frente a ver. Ela gritou para o marido, que estava lá para dentro: - “Oh ******, anda cá ver. O vizinho põe a roupa secar, vês?! É homem e não vem mal nenhum ao mundo por isso”. Passado um bocado o tipo apareceu também à janela. Não tenho a certeza mas pareceu-me que ele lhe disse a ela qualquer coisa do género: - “Ah! Mas ele é divorciado”. Não sei se tive mais pena dele ou dela...

10.24.2006

dj Bagaço Amarelo



Hoje à noite, 24 de Outubro, no Clandestino bar em Aveiro, podem beber uma cervejinha enquanto ouvem a selecção musical de alguém que não compreende as mulheres. Sons de vários tribos africanas, da Papua Nova Guiné, de aborígenes australianos, sons tradicionais de diferentes regiões da Ásia (Tuva, Yakutia, Índia, etc), e mais algumas coisas que agora não me lembro mas que são altamente.
Se não gostarem de cerveja provem o vinho quente. A sério!

Conversa 28

A propósito do próximo Beira-Mar-Sporting

Ela – Estás sempre a dizer mal do futebol, mas depois sempre que podes vais ver o Beira-Mar...
Eu – É... o Beira-Mar é questão de amor, pá. Ando deprimido porque os gajos não conseguem ganhar um joguito que seja...
Ela – Mas é uma contradição, isso.
Eu- Não é nada. Também digo que não compreendo as mulheres mas gosto muito delas...
Ela- Mas quê... comparas o futebol às mulheres?
Eu – Não, claro que não.
Ela – E se tivesses que optar por uma coisa ou outra?
Eu - Essa questão não se põe. Olha, eu não gosto de futebol. Não consigo ver, por exemplo, O Barcelona-Real Madrid na televisão que, supostamente, é um grande jogo. Mas joguei no Beira-mar quando era pequenino, vou ao estádio desde pequenino... é um vício pronto, não sei explicar.
Ela – Não percebes as mulheres... eu é que não percebo os homens.
Eu (só em pensamento) – Foda-se!

10.23.2006

mulheres que eu gostava de poder não compreender (ponto da situação)

nome: irina
origem: kauhajoki (finlândia)

nome: Yailene Sierra
origem: Cuba

nome: Barbara Bain
origem: EUA (Chicago)

nome Sandra Kim
origem: Montegnée - Bélgica

nome: Heidi
origem: Áustria

nome: Maggie Gyllenhaal
origem: Nova Iorque, EUA.

nome: Susana Baca
origem: Perú
nome: Nawal Al-Zoghbi.
origem: Líbano

nome: Pipi das meias altas
origem: Suécia

nome: Kim Basinger
origem: Georgia, EUA

nome: Lura
origem: Cabo Verde

nome: Penélope Cruz
origem: Espanha

nome: Magida el Roumi
origem: Líbano

Nome: Christina Ricci
origem: EUA

Nome: Audrey Tautou
Origem: França

nome: Pilar Homem de Mello
origem: Portugal

Nome: Diana Haddad
origem: Bsalim, Líbano

Nome: Nadia Comanecci
origem: Onesti, Roménia

Kim carnes
origem: Nashville, EUA

10.22.2006

Pensamentos catatónicos (17) e coisas que fascinam (14)

Devo ser sincero?

Demos as mãos, mas primeiro demos os dedos.

conversa 27

Ela - Casamento é coisa séria, viu? Se você traiu sua mulher você não pode casar mais, não, a não ser que ela perdoe a você. O contrário é igual, se foi ela que traiu você então você pode casar, sim. Ela só vai poder se você perdoar ela....
Eu – (silêncio)
Ela – Você traiu ela?
Eu – Não...
Ela – Então você foi traído...
Eu – (abano os ombros)
Ela – Não foi?
Eu – Não... sei lá.
Ela – Então porque vocês se divorciaram?
Eu – Sei lá... apeteceu-nos.
Ela – Minha nossa, não sei não. Isso não é legal, viu?
Eu (só em pensamento) – Foda-se!

(passados cinco minutos)

Ela - Quê?!!! Não casou na Igreja?
Eu - Não...
Ela - Você é mesmo metido, hein?
Eu (só em pensamento) – Foda-se!

Conversa 26

Eu - Queres jantar na segunda-feira?
Ela – Eu janto todos os dias...
Eu – Pois... vou perguntar mais uma vez: Queres jantar comigo na segunda-feira?
Ela – Aonde?
Eu – Aonde não interessa. Num tasco, na minha casa, na tua... não interessa. O que importa é se queres jantar comigo na segunda-feira...
Ela (depois dum prolongado silêncio) – Quero.
Eu (só em pensamento) – Foda-se!

10.21.2006

coisas que fascinam (13)



A chinesa da loja onde compro cuecas é super simpática para mim. Hoje comprei quatro unidades, a dois euros cada, e ela fez-me sete euros tudo. Depois aprovou o facto de passar lá a vida a comprar cuecas, polque são muito boas e balatas, e ainda me disse que me devem ficar bem. Falou, digamos, um bocadinho de mais, mas acho que nem sequer percebeu muito bem o que estava a dizer. É bonita, eu corei muito e agradeci. Depois saí de fininho...

Pensamentos catatónicos (16)

A minha ex-companheira de vida deu-me um conselho para a minha vida emocional correr melhor. Diz que tenho que me abrir mais, que sempre demonstrei gostar dela em comportamentos mas nunca em palavras, e que os comportamentos não chegam. Se encontrar outra pessoa de quem goste muito é melhor começar por falar e não engolir palavras. Não sei se fiquei feliz ou se fiquei triste, mas fiquei qualquer coisa. Uma palavra que me apetece dizer mas não posso porque é asneira: foda-se! (só em pensamento).

10.20.2006

sobre o aborto. ponto final.

Detesto a pergunta popular:- “És a favor contra o aborto?”. Ninguém, e repito, ninguém é a favor do aborto, porque ser a favor do aborto seria andar a incentivar mulheres grávidas a abortarem mesmo que, por sua livre iniciativa, não o quisessem fazer.
A questão que está em cima da mesa é outra, e por isso a pergunta popular deve ser outra também: - “Uma mulher que interrompa voluntariamente a gravidez é criminosa?”. Eu acho que não, e por isso, mesmo contrariado, vou votar sim no referendo à pergunta oficial: "Concorda com a despenalização da interrupção voluntária da gravidez, se realizada, por opção da mulher, nas primeiras dez semanas, em estabelecimento de saúde legalmente autorizado?"
Vou votar contrariado porque concordo com a posição do PCP relativamente a esta matéria, que é a única, aliás, que não entra em demagogia barata. O referendo não devia existir porque existe um órgão legislador nacional que deve assumir a responsabilidade das suas competências. O referendo não é mais, por isso, do que o governo a fugir com o rabo à seringa.
Mais ainda, a interrupção voluntária da gravidez já existe e nunca vai deixar de existir. A questão é se queremos que essa existência seja clandestina ou legal. Eu prefiro que seja legal. De resto, e por princípio, até sou contra o aborto. Posso dar vários exemplos de gajos com cara de aborto que detesto: Alberto João Jardim, Valentim Loureiro, José Sócrates (o animal vai mesmo pôr portagens na A29 que eu faço todos os dias para ir trabalhar), etc, etc.
De resto, e como até me irrita falar nisto, aconselho a leitura de quem (ou nem por isso) se deu ao trabalho de escrever a sério sobre isto:

divas & contrabaixos - SIM ou NÃO. A questão do aborto
divas & contrabaixos - SIM ou NÃO. A questão do aborto #2
farinha amparo - MENTES BRILHANTES
voz em fuga - opinião
jakim - A lebrizassão do abrôto - Oije um artigo de funto

10.19.2006

Conversa 25

Conheci uma brasileira há pouco tempo. É bonita e simpática. Há uns dias tirou uma Bíblia da carteira e disse que ainda ia passar na igreja dela (nem sei qual é). Ficou espantada quando, na conversa, lhe disse que não acreditava em Deus. Passavam das dez da noite.

Eu – Adão e Eva tinham umbigo?
Ela – Claro, como todo o mundo...
Eu – Porquê? O umbigo existe por causa do cordão umbilical...
Ela – Não sei, vou perguntar pró pastor. Depois te digo. Ele sabe mais que eu nessas coisas...
Eu (só em pensamento) – Foda-se!

10.18.2006

mulheres artistas que não compreendo (9)



É portuguesa e gosta de fazer de conta. Diz que são pedaços de papel celofane a embrulharem telas lambidas, mas não são. Vale mesmo a pena ir lá ver, a página da JP. Na imagem "Dias Laranjas", que gosto muito.

mulheres que eu gostava de poder não compreender (19)



nome: Kim carnes
origem: Nashville, EUA
Info: Não se lembram do "Bette Davis Eyes"? She'll let you take her home, it works her appetite, She'll lay you on the throne, she got Bette Davis eyes, la la la la...
site

10.17.2006

pensamentos catatónicos (15)

ui!

10.16.2006

conversa 24

Conversa no carro, sentido Porto-Aveiro, com ela a olhar para uma fotografia dela tirada há dois anos e não sei quantos meses...

Ela – O tempo não existe, pois não?
Eu – Ahn?!
Ela – Se estiveres a olhar para uma fotografia consegues perceber que o tempo não existe...
Eu – Pois, mas se estiveres a olhar para a tua fotografia e depois te vires ao espelho, acho que acabas por perceber que o tempo existe.
Ela – Não tens sensibilidade nenhuma. Não percebes que devias concordar comigo?
Eu – Opá, percebo, mas tenho medo que fiques demasiado tempo a olhar para uma fotografia a pensar que o tempo não existe. Depois, quando reparares que o tempo existe pode até já ter passado demasiado tempo, percebes?
Ela- E o que é que aconselhas?
Eu – Não é a minha especialidade, este tipo de conselhos, mas eu pendurava a fotografia num sítio onde a pudesse ver de relance muitas vezes...
Ela – Tu ou eu?
Eu – Se eu fosse a ti...
Ela – Quer dizer que tu não gostas desta fotografia...
Eu (só em pensamento) – Foda-se!

coisas que fascinam (12)

Estivemos duas horas abraçados. Só abraçados. Lá foram passavam motorizadas estridentes, e nos intervalos ouvia-a respirar. Ela adormeceu. Eu não.

mulheres artistas que não compreendo (8)



Tem menos dez anos do que eu, chama-se Bérénice, é francesa e fotógrafa. Tem um trabalho cativante. Vão lá ver, a sério.

10.12.2006

coisas que fascinam (11)

Comprei vinte e quatro cervejas, duas garrafas de uísque e um litro e meio de cola para uma festinha. A menina da caixa disse-me: - ”Vai haver festa? Também gostava de ir...”

mulheres que eu gostava de poder não compreender (18)



Nome: Nadia Comanecci
origem: Onesti, Roménia.
Info: Nasceu dez anos antes de mim e, quando eu era muito puto, lembro-me dela ser uma espécie de heroína para todas as crianças.
wikipedia

10.10.2006

conversa 23

Ela – Era bom que faltasse agora a luz
Eu – Porquê?
Ela – Assim podíamos acender uma vela...
Eu – Podemos na mesma, basta apagar a luz.
Ela – Pois... mas não é a mesma coisa.

10.09.2006

hi lili hi lo

Ele há cada uma. Hoje andei o dia todo, mesmo todinho, com esta música na cabeça. Enfim... fiz um mp3 para ver se vos acontece o mesmo um dias destes...

On every tree there is a bird
Singing a song of love...
On every tree there is a bird
And every one i'd ever heard
Could brake my heart without a word
Singing a song of love...

The song of love is a sad song
Hi lili hi lili hi lo
The song of love is a song of woe
Don't ask me why i know

The song of love is a sad song
For i have loved and it's so
Hi lili hi lili hi lo hi lo
Hi lili hi lili hi lo
Hi lili hi lili hi lo hi lo
Hi lili hi lili...... hi lo

The song of love is a sad song
Hi lili hi lili hi lo
The song of love is a song of woe
Don't ask me why i know

The song of love is a sad song
For i have loved and it's so
Hi lili hi lili hi lo hi lo
Hi lili hi lili hi lo
Hi lili hi lili hi lo hi lo
Hi lili hi lili hi lo

conversa 22

Ela - Tu falas pouco.
Eu – Olha que não...
Ela – olha que sim...

coisas que fascinam (10)

1] O retiro espiritual deste fim de semana foi bom. Ela também foi.
2] Discussão levemente alcoolizada sobre o que é gostar de alguém. Conclusão precipitada: é querer estar a menos de dez centímetros desse alguém.
3] Estava lua cheia.

mulheres que eu gostava de poder não compreender (17)



Nome: Diana Haddad
origem: Bsalim, Líbano
Info:Podem ouvir uma música dela aqui. É bonita, ela e a voz.

10.07.2006

Carolina Beatriz Angelo



Comemorou-se no dia 5 a implantação da República portuguesa, em 1910. Carolina Beatriz Angelo, no ano seguinte, foi a primeira mulher portuguesa a votar. À data, o direito de voto era apenas reconhecido a cidadãos portugueses com mais de 21 anos, que soubessem ler e escrever e fossem chefes de família. Por chefes de família entender-se-ia também homens, mas Carolina, aproveitando o facto de ser viúva, conseguiu que um tribunal lhe reconhecesse o direito a votar.
Como consequência do seu acto, e para evitar que tal exemplo pudesse ser repetido, a lei foi alterada no ano seguinte, com a especificação de que apenas os chefes de família do sexo masculino poderiam votar.

10.06.2006

Rachel Corrie



Rachel Corrie nasceu em 1979 e morreu em 2003, atropelada por um bulldozer quando tentava evitar a destruição de casas palestinianas pelo exército israelita. Vai agora fazer um ano que, nos encontros do escritor famoso, falei sobre ela. Agora faço-o de novo. Visitem o site dela e, sobretudo, não a esqueçam.

Rachel Corrie

10.05.2006

pensamentos catatónicos (14)

hoje precisava que tu precisasses que eu precisasse de ti.

10.04.2006

mulheres artistas que não compreendo (7)



Katsue Sakuma

Foi para uma escola profissional de fotografia aos 47 anos de idade, depois de 24 anos como dona de casa. A morte do seu pai, de quem tomou conta ano e meio, passou a querer fazer mais alguma coisa da sua vida. Nesta sua nova vida foi sempre apoiada pelos filhos,mas nem por isso pelo marido, que preferia que ela tirasse um curso de arranjos florais. Lembro que o Japão é um país tradicionalmente machista, onde as mulheres deixam praticamente de existir socialmente após o casamento.
Desde então tem tido, com justiça, algum sucesso com o seu trabalho. Desde que a conheci que, sempre que um amigo meu qualquer, da minha geração (estou com 35 aninhos), me diz que se sente velho, penso nela. Devo-lhe isso, a Katsue Sakuma, e embora não a conheça pessoalmente, gostava de conhecer, nem que fosse só para tomar um café e não conseguir compreendê-la.

Site pessoal

pensamentos catatónicos (13) e coisas que fascinam (9)

Sei lá o que é que hei-de fazer à vida.

10.03.2006

mulheres que eu gostava de poder não compreender (16)



nome: Pilar Homem de Mello
origem: Portugal
info: Percebi que nas quinze mulheres que eu gostava de poder não compreender, já aqui expostas, não havia nenhuma portuguesa. Uma injustiça indesculpável. Lembrei-me imediatamente da Pilar, até porque já me fez fechar os olhos enquanto a ouvia, e tenho que lhe agradecer essa enorme prenda que a sua existência me trouxe. A Pilar nasceu em 1964, tem três discos editados (o último já foi em 2001) mas estou à espera de mais. É bonita.
no cotonete

pensamentos catatónicos (12)

Acho que ela gosta mais do que pensa que eu sou, do que daquilo que realmente sou.

10.02.2006

conversa 21

(sobre uma cena para arrumar cd's)

Ela - Eu até nem precisava daquilo pra nada. Nem tenho cd's. Mas estava tão barato que comprei.
Eu (só em pensamento) - Foda-se!

errar é humano

Dizem:
"Errar é humano"

Repito:
"Errar é humano"

Mas
O arrependimento ganha forma
nas roupas sobre a cadeira aos pés da cama
quando abro os olhos a meios da noite




[Susana M. Marques, revista Base nº 01, 2005]

conversa 20

Eu – Vou ver um filme e comer pipocas de manteiga...
Ela – Que filme é que vais ver?
Eu – Sei lá... tenho vários gravados que ainda não vi...
Ela – És um egoísta.
Eu – Egoísta? Porquê?
Ela – Nunca me convidas...
Eu – Por acaso já te convidei, tu é que não aceitaste...
Ela – Sim, e por isso nunca mais se convida?
Eu – Pronto, está bem. Queres vir comigo ver um filme? Só que depois tens que dormir lá em casa. Não me apetece levar-te a meio da noite.
Ela – Hoje não posso. Vai-me convidando, está bem? Amanhã trabalho...
Eu (só em pensamento) – Foda-se!

10.01.2006

mulheres artistas que não compreendo (6)



Tamara de Lempicka

Nasceu em Varsóvia em 1898 e morreu no México em1980. Em 1916 casou em Sampetesburgo mas, por ser de boas famílias, teve que fugir durante a revolução russa, acabando por fixar-se em Paris. Depois, na segunda guerra mundial, e já com o seu segundo marido, mudou-se para Nova Iorque. Quando acabou de pintar mudou-se de novo para Cuernavaca, no México, onde acabou os seus dias..
Da sua obra destacam-se essencialmente pinturas de mulheres, sempre sensuais e vestidas de ingenuidade, a que não será alheio o facto de Tamara ter sido assumidamente bissexual desde muito cedo.
Este quadro é um seu auto-retrato, onde assume também o seu carácter extravagante que a fez famosa: chega a combinar as cores da sua roupa com as dos seus carros. Pois é, vá lá alguém compreender isto...